Dia Mundial do Câncer 2015: Ao nosso alcance

A campanha do INCA/MS para o Dia Mundial do Câncer 2015 segue o tema sugerido pela União Internacional para Controle do Câncer (UICC), Ao nosso alcance”: pessoas, comunidades e governos precisam se mobilizar em torno de soluções para a questão.

121827-970x600-1

A campanha de 2015 tem quatro eixos:

Escolhas saudáveis

Reduzir os fatores de risco sociais e ambientais para o câncer e capacitar as pessoas a fazer escolhas saudáveis são componentes essenciais para reduzir as mortes prematuras por doenças crônicas não transmissíveis e atingir as metas da Declaração Mundial do Câncer. O compromisso é que o número de mortes por essas doenças, entre as quais está o câncer, caia 25% até 2025.

O desafio

As pessoas e as comunidades precisam estar informadas de que cerca de um terço dos cânceres mais comuns podem ser evitados por meio de comportamentos saudáveis, como não fumar, reduzir o consumo de álcool, adotar alimentação rica em frutas, legumes, verduras e grãos e praticar atividades físicas regularmente.

O tabagismo responde sozinho por, pelo menos, 22% de todas as mortes por câncer, e o álcool está fortemente associado ao risco aumentado de câncer de boca, faringe, laringe, esôfago, intestino, fígado e mama. A obesidade já afeta entre 20 a 40% dos adolescentes em todo o mundo. O excesso de peso e a obesidade estão fortemente ligados ao aumento do risco de câncer do intestino, mama, útero, pâncreas, esôfago, rins e vesícula biliar na idade adulta.

A proteção contra a radiação ultravioleta (UV) também é fundamental para a prevenção do câncer de pele. Além disso, a exposição ocupacional e exposições ambientais contribuem substancialmente para o desenvolvimento de vários tipos de câncer. A poluição do ar é um importante fator de risco ambiental para o câncer de pulmão.

Para os países de renda baixa e média, os programas de prevenção de câncer devem ir além de abordar a mudança de comportamento. No mundo, infecções crônicas são a causa de cerca de 16% de todos os cânceres. Nos países de baixa e média rendas, esse índice chega a quase 23%. Os tumores malignos de fígado e do colo do útero são exemplos de câncer associados a infecções, respectivamente o HBV (vírus da hepatite B) e o HPV (papilomavirus humano).

Enfrentando o desafio

O direito à saúde é uma garantia da Constituição Federal brasileira. Esse direito inclui o acesso a serviços oportunos e de qualidade por toda a linha de cuidado, ou seja, acesso a estratégias eficazes de promoção da saúde e prevenção do câncer, exames para detecção precoce e, em caso de diagnóstico confirmado da doença, tratamento adequado.

Reduzir o nível de exposição das pessoas a fatores de risco modificáveis é a principal estratégia de prevenção primária para vários tipos de câncer. Essa abordagem deve ser feita desde a infância e a adolescência, e prosseguir por toda a vida. A adoção de comportamentos saudáveis reduz o risco de câncer e outras doenças crônicas não transmissíveis (DNT), como diabetes e doenças cardíacas na vida adulta.

É fundamental que os jovens sejam informados sobre a importância de escolhas saudáveis e incluídos nas estratégias de promoção da saúde e prevenção do câncer.

Detecção precoce

Garantir a oferta e o acesso a programas de detecção precoce de câncer pode reduzir significativamente a mortalidade pela doença. Na Declaração Mundial de Câncer está previsto que até 2025 deverão ser implementados universalmente programas de rastreamento e de detecção precoce. Para que esses programas atinjam seu objetivo, é fundamental aumentar a conscientização sobre sinais e sintomas de alerta da doença entre a população em geral e os profissionais de saúde.

O desafio

Nem todos os tipos de câncer apresentam sinais e sintomas no início, dificultando a detecção precoce. Mas, para muitos, incluindo os de mama, do colo do útero, colorretal, da pele, oral, e alguns tipos de câncer na infância, os benefícios de abordagens sistemáticas para a detecção precoces são conclusivos, reduzindo significativamente a mortalidade e as possíveis sequelas da doença.

Falta de informação é um obstáculo ao controle da doença e a cuidados eficazes em países de rendas baixa e média, especialmente para a detecção em fases mais precoces e mais facilmente tratáveis. Estratégias integradas para aumentar a conscientização sobre o câncer e sobre a importância de buscar atendimento quando os primeiros sintomas forem notados, juntamente com intervenções práticas e comprovadas para o diagnóstico precoce, aumentam as chances de melhorar os resultados.

Enfrentando o desafio

Programas abrangentes de detecção precoce devem incluir estratégias para melhorar o conhecimento sobre o câncer entre a população em geral comunidades, profissionais de saúde e gestores, e aumentar a conscientização em torno das opções para a detecção precoce de alguns tipos de câncer, independentemente da definição de recursos.
Compreender e responder às crenças e práticas culturais é essencial, particularmente em contextos onde há preconceitos associado ao câncer e desigualdades sociais e de gênero que podem levar os pacientes a atrasar o início do tratamento ou, até mesmo, impedir que procurem ajuda.

Igualmente importante é o desenvolvimento de estratégias para incentivar a procura por auxílio, incluindo a conscientização e educação para reconhecer os sinais e sintomas de alguns tipos de câncer, além da compreensão que a detecção precoce de sintomas irá aumentar as oportunidades para a cura e melhorar a qualidade de vida.

Para cânceres infantis, uma maior consciência dos sinais e sintomas da doença entre pais e profissionais de saúde pode ajudar a reduzir o atraso no diagnóstico e, consequentemente, do início do tratamento.

A sensibilização para a detecção precoce é possível em muitos contextos. O local de trabalho pode ser um canal eficaz para a divulgação de mensagens educativas, por meio de boletins informativos, vídeos e até da comunicação interpessoal. Os empregadores também podem ajudar, liberando os funcionários para realização de exames de rastreamento.

Tratamento para todos

É direito de todos terem acesso a tratamento de câncer eficaz e de qualidade, com serviços em condições de igualdade, independentemente do local de moradia e dificuldades econômicas. A Declaração Mundial do Câncer prevê que os sistemas de saúde serão reforçados para garantir tratamento a todas as pessoas que dele precisarem, em qualquer idade, incluindo o acesso ao diagnóstico preciso, o tratamento de qualidade (cirurgia, radioterapia, quimioterapia, incluindo medicamentos e tecnologia essenciais), reabilitação e cuidados paliativos (controle da dor e apoio psicológico).

O desafio

Apesar de os governos reconhecerem que seus cidadãos têm direito à saúde, em muitos países os sistemas de saúde não recebem recursos suficientes para prover serviços oncológicos adequados. A falta de investimento em ações de controle do câncer no nível de atenção primário (Atenção Básica) afeta negativamente o acesso ao diagnóstico e ao tratamento precoce, resultando em altos níveis de mortalidade por câncer, principalmente em países de baixa e média rendas. O resultado é que as taxas de sobrevivência caem a cerca de 10% em comparação com aproximadamente 80% em países de alta renda.

Para grande parte da população do mundo são negados atendimentos de radioterapia, devido à escassez estimada de 5 mil máquinas, bem como falta de mão de obra especializada.

Enfrentando o desafio

Planos nacionais de controle de câncer devem considerar a linha completa e multidisciplinar do cuidado oncológico. O tratamento de alta qualidade do câncer não é possível sem o investimento em cada um dos componentes essenciais da abordagem multidisciplinar. Isso deve incluir esforços específicos para prestar cuidados de apoio, entre eles o apoio psicossocial para pacientes, familiares e cuidadores.

Os planos de controle também têm papel vital no fortalecimento dos sistemas de saúde que abordarão os principais nós para a prestação de serviços oncológicos eficazes, o que envolve o fornecimento de mão de obra especializada em saúde, infraestrutura, financiamento adequado e concentração de esforços na investigação onde ela é mais necessária para que o conhecimento existente seja traduzido em resultados práticos para os pacientes.

O investimento em sistemas de saúde fortes também vai garantir o acesso e a disponibilidade de serviços para os tumores raros, que representam cerca de 20% da carga global total, incluindo todos os tipos de câncer que afetam crianças e adolescentes.

Na definição do Plano Nacional, devem ser levados em consideração a taxa de incidência de câncer no país em questão e as condições políticas e sociais, entre outros fatores. Em países de baixos recursos, pode-se lançar mão de alternativas eficazes que fornecem serviços sustentáveis e equitativos que abrangem toda linha de cuidado do câncer. Um exemplo é a Iniciativa Global de Saúde da Mama, que vem liderando esforços para desenvolver, implementar e estudar diretrizes economicamente viáveis baseadas em evidências e culturalmente apropriados para o cuidado, rastreamento, detecção e tratamento do câncer de mama em países em desenvolvimento.

Aumentar a qualidade de vida

Compreender e responder a todo o impacto da doença no bem estar emocional, mental e físico de modo a melhorar a qualidade de vida de pacientes, familiares e cuidadores. Um dos compromissos da Declaração Mundial do Câncer é reduzir o estigma associado ao câncer e dissipar mitos e preconceitos acerca da doença. Paralelamente, devem estar assegurados o acesso ao correto diagnóstico, ao tratamento multidisciplinar de qualidade, a reabilitação e serviços de apoio e cuidados paliativos. Dessa forma, pretende-se garantir uma melhor qualidade de vida às pessoas que vivem com câncer.

O desafio

Em muitas sociedades, o câncer continua sendo um assunto tabu, e pessoas vivendo com a doença estão sujeitas ao estigma e à discriminação que podem fazê-las deixar de buscar tratamento.
Até mesmo em comunidades altamente engajadas, a percepção negativa do câncer pode impedir o debate público, e a consciência do impacto total no bem-estar emocional, mental e físico provocados pela doença não serão totalmente compreendidos.

Uma forte reação emocional é vivida pela maioria das pessoas ao receber um diagnóstico de câncer. Medo, raiva, solidão e ansiedade são comuns, especialmente no momento do diagnóstico, durante o tratamento, ao se readaptar à vida após o tratamento e na transição para os cuidados paliativos. Sobreviventes de câncer estão em risco de diminuição da qualidade de vida até vários anos após o diagnóstico, e muitas vezes têm necessidades não satisfeitas relacionadas a questões de imagem corporal, saúde sexual, função cognitiva e medo de recorrência.

Os efeitos fisiológicos de alguns tratamentos de câncer, tais como perda da fertilidade, disfunção sexual, perda de cabelo e ganho de peso também pode resultar em estigma e discriminação e, em alguns casos, ser a causa da rejeição do parceiro. As consequências psicológicas de cuidar de uma pessoa que vive com câncer também podem ser enormes, com muitos cuidadores experimentando estresse e declínios em sua saúde física e mental.

A dor do câncer como resultado da falta de acesso a analgésicos adequados tem enormes implicações para a qualidade de vida de pacientes, e está relacionada a distúrbios psicológicos, como níveis elevados de depressão, ansiedade e medo. Embora a Organização Mundial da Saúde (OMS) considere a morfina um medicamento essencial, existem disparidades inaceitáveis no mundo no uso de opioides para o tratamento da dor, com os países de alta renda consumindo 93% da oferta de morfina do mundo, enquanto 65% das mortes por câncer ocorrem em países de baixa e média rendas.

Enfrentando o desafio

Manter redes de apoio social e falar sobre o câncer são estratégias potencialmente importantes para lidar com o impacto emocional da doença, tanto para o paciente como seu cuidador. O apoio pode vir de várias fontes – parceiros, amigos, familiares, profissionais de saúde e conselheiros. Algumas pessoas escolhem se juntar a grupos de apoio.

Esses grupos podem proporcionar um ambiente de carinho e aceitação nos quais o paciente expressa seus sentimentos e reduz a ansiedade e o medo. Mesmo entre pacientes, nem sempre é fácil discutir questões relacionadas à doença. E encontrar ambientes descontraídos e informais fora do espaço hospitalar para compartilhar histórias ajuda.

Para alguns pacientes, cuidar da aparência física pode ser uma maneira de recuperar o controle e preservar um grau de normalidade. O acesso a serviços de apoio podem melhorar a autoestima dos pacientes e construir a confiança para enfrentar o câncer.

O câncer pode também ter impacto sobre a saúde sexual de homens e mulheres. Isso inclui fatores adversos de algumas terapias, como falha prematura dos ovários resultante de quimioterapia contra o câncer de mama, ou dano no nervo que garante a ereção, que pode ocorrer durante a cirurgia ou radioterapia contra o câncer de próstata.

Além disso, efeitos colaterais do tratamento, como fadiga, dor e ganho de peso, podem contribuir para o estresse e respostas emocionais negativas, incluindo não se sentirem sexualmente atraentes. Buscar a ajuda de profissionais de saúde para se adaptarem às alterações na função sexual e melhorar a intimidade pode reduzir o estresse e aumentar a qualidade de vida dos pacientes e seus parceiros.

Pacientes com câncer e seus familiares devem ser encorajados a exercer o poder de decisão acerca das escolhas que influenciam sua saúde e bem-estar e a preservar sua dignidade em todos os estágios da doença.

Profissionais de saúde devem se comunicar de forma compreensível ao falar com os pacientes. Dessa forma, o paciente torna-se ativo na tomada de decisões ao longo da linha de cuidado do câncer. Por exemplo, a preservação da fertilidade é uma grande preocupação para mulheres jovens com câncer. Profissionais de saúde devem assegurar que estas mulheres estejam informadas de que preservar a fertilidade é possível em boa parte dos casos. E as diferentes abordagens devem ser discutidas antes do início do tratamento.

Para pacientes com câncer avançado, decisões sobre cuidados paliativos são primordiais. Por exemplo, permitir que o doente possa morrer com dignidade no local de sua escolha.

Pessoas vivendo com câncer devem também ser estimuladas a fazer escolhas individuais que vão melhorar sua qualidade de vida, como se alimentar bem todos os dias, repousar o suficiente, tentar manter um padrão de sono regular e vida social, e aceitar ofertas de ajuda.

Informações parciais. Confira o texto na íntegra, acessando o site:  http://www.inca.gov.br/

Visite nosso site: http://www.vivamelhoronline.com.br

Anúncios

0 Responses to “Dia Mundial do Câncer 2015: Ao nosso alcance”



  1. Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




Enter your email address to follow this blog and receive notifications of new posts by email.

Junte-se a 2.287 outros seguidores

Calendário

fevereiro 2015
S T Q Q S S D
« jan   mar »
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
232425262728  

Arquivos

Estatísticas do Blog

  • 820,784 hits

Top 5


%d blogueiros gostam disto: