Arquivo de fevereiro \28\UTC 2013

Verão exige mais cuidados com exposição ao Sol

Quem planeja aproveitar o verão para pegar um bronzeado e curtir o litoral deve estar alerta para os riscos da exposição excessiva ao sol. Estimativas do Instituto Nacional de Câncer (Inca) apontam o câncer de pele como o mais incidente no Brasil em 2005. O principal vilão desse tipo de câncer são os raios ultravioleta do sol. O inca, ligado ao Ministério da Saúde, prevê em torno de 118.840 mil casos novos da doença este ano. Alguns cuidados básicos podem garantir o lazer e evitar problemas de saúde.

226733-3008x2000
O câncer de pele ocorre com mais freqüência nos homens e, nas mulheres, já supera o de mama. Acredita-se que o aumento do número de casos de câncer de pele no País tem a ver com a localização na orla de boa parte das grandes cidades brasileiras. Para agravar o problema, segundo o Inca, muitas pessoas conhecem os riscos da exposição aos raios solares, mas ignoram as recomendações de proteção.

Para o chefe do serviço de dermatologia do Inca, Carlos Eduardo dos Santos, a melhor forma de proteção contra o câncer de pele é a própria roupa, usada como barreira para os raios ultravioletas. O uso de bonés e blusas leves de manga são uma boa pedida para o verão.  “Para profissionais expostos diariamente ao sol, como os marinheiros e os vendedores ambulantes das praias, é essencial a utilização de roupas leves para cobrir o corpo”, ressalta Carlos Eduardo. O uso de óculos escuros também é importante, pois o sol não faz somente mal à pele, mas também aos olhos.

Filtro – A radiação ultravioleta é a principal responsável pelo desenvolvimento dos tumores, principalmente a dos raios ultravioleta B, com maior incidência entre 10h e 16h. Por isso, as pessoas que têm como lazer a prática de atividades no sol precisam evitar a exposição nesse período. Quem vai para a praia ou para outro lugar aberto nesse intervalo de tempo não pode esquecer de carregar o protetor solar. O produto deve ser aplicado em todas as áreas da pele expostas e reaplicado após cada mergulho e nos casos em que as pessoas suam muito. O uso do filtro solar é recomendado para todas as pessoas inclusive nos dias nublados, pois os raios solares atravessam as nuvens e atingem a pele. “A maioria aplica o filtro só no rosto, mas toda a pele deve ser revestida”, destaca Carlos Eduardo. “É preciso lembrar que o protetor solar dura apenas duas horas na pele”, frisa.

As crianças são as que mais necessitam do filtro solar. Aquelas que ainda não aprenderam a andar não devem nem mesmo ir à praia. A mãe ou a babá pode se distrair e deixar a criança exposta. Nessas circunstâncias, ela não terá como se defender e fugir do sol. “Hoje, existem filtros solares coloridos que, depois de aplicados em crianças, dão às mães noções das áreas do corpo onde o protetor não foi passado”, diz Carlos Eduardo.

Mesmo com a previsão de maior incidência este ano no Brasil, o câncer de pele não está entre os mais letais. Geralmente, a doença causa deformidades desagradáveis como feridas próximas aos olhos e cicatrizes que permanecem mesmo após o tratamento. Esse tipo de câncer é mais comum após os 40 anos de idade, pois o efeito do sol é acumulativo. Pessoas de pele e olhos claros são as mais vulneráveis ao desenvolvimento da doença. “Não existe bronzeamento saudável. O bronzeado é apenas uma demonstração de que o organismo está tentando se defender contra a agressão do sol à pele”, alerta Carlos Eduardo.

Campanha – Para tentar conter o avanço nos números de casos de câncer de pele, o Inca escolheu o cartão postal mais famoso do País e um dos roteiros favoritos de turistas do Brasil e do mundo para uma intensa campanha. No verão do Rio de Janeiro, o Inca distribui folhetos educativos, com informações sobre a doença e os hábitos de prevenção, como parte da Campanha de Prevenção ao Câncer de Pele. A ação do instituto acontece todos os sábados, até o dia cinco de março, nas principais praias da capital carioca. Além disso, profissionais de saúde do Inca estão disponíveis nas praias do Rio, das 10h às 15h, para esclarecer dúvidas sobre a prevenção. A mobilização também ocorre por meio da distribuição de folhetos em vôos de companhias aéreas com destino ao litoral brasileiro.

Diagnóstico precoce: importante forma de prevenção
Em 90% dos casos, o câncer de pele é provocado pela exposição excessiva ao sol. No entanto, existem outras causas como viroses, infecções de um modo geral, contato com o elemento conhecido como arsênico (usado como defensivo agrícola) e alterações genéticas que favorecem o aparecimento da doença.

O câncer de pele se caracteriza pelo crescimento anormal e descontrolado das células que compõem a pele. Essas células se dispõem formando camadas. Conforme a camada afetada, provocam-se diferentes tipos de câncer. Os principais são os carcinomas basocelulares, os espinocelulares e os melanomas. Dos três tipos comuns, o melanoma é o mais perigoso, embora represente apenas 5% dos casos. O melanoma é o tumor com maior probabilidade de ocasionar uma metástase, ou seja, de se espalhar por outras partes do corpo. Se o melanoma é descoberto no início, há grandes chances de cura.

O ideal de exposição ao sol recomendado pelo Instituto Nacional do Câncer (Inca) são três sessões semanais de quinze minutos cada, dose suficiente para desencadear a produção de vitamina D no organismo. Essa vitamina serve para absorver o cálcio que atua nos nervos, nos músculos e, principalmente, nos ossos. A falta de cálcio deixa os ossos fracos. “O sol que você pega, ao sair na rua para fazer suas atividades cotidianas, é o bastante para esse estímulo” considera o chefe do serviço de dermatologia do Inca, Carlos Eduardo dos Santos. “Existem pessoas com 18 anos já tomaram 80% do sol que poderiam pegar a vida inteira”, alerta.

O diagnóstico precoce é uma importante forma de prevenção da doença. É necessário estar atento aos principais sinais, como lesões que sangram e não cicatrizam com facilidade, feridas que aumentaram de tamanho e pintas de um modo geral. Deve-se suspeitar também de lesões que crescem rápido e apresentam sangramento. Ao identificar sinais de câncer de pele, é preciso procurar as unidades do Sistema Único de Saúde (SUS). Os dermatologistas estão aptos para confirmar o diagnóstico e encaminhar o paciente aos Centros de Atendimento do Câncer (Cacon).

Informações parciais. Confira o texto na íntegra, acessando o site: http://portal.saude.gov.br/

Sol: Benefícios e Meios de Proteção

336193-1440x900

O Sol é indispensável à vida. Em doses moderadas, desempenha um papel benéfico:

  • no humor: o Sol pode ser um excelente tratamento contra determinadas formas de depressão sazonal;
  • na síntese da vitamina D, essencial à fixação do cálcio nos ossos: quinze minutos de exposição solar são suficientes.

Em doses excessivas, o Sol pode ser muito perigoso e provocar:

  • queimaduras solares, também chamadas eritemas solares: é o efeito nefasto imediato mais frequente de uma exposição ao Sol;
  • fotodermatoses: como a lucite ou outras dermatoses agravadas pelo Sol, a acne, o cloasma,o lúpus, a urticária solar, o vitiligo
  • fotossensibilizações;

A longo prazo, surgem mais alguns efeitos nefastos.

  • aceleração do envelhecimento cutâneo, traduzido pelo aparecimento de manchas, tez amarela, rugas profundas, perda de densidade e elasticidade da pele.
  • fotocarcinogénese (cancro cutâneo) provocado pelos UVB e UV
A PROTEÇÃO ACIMA DE TUDO

Existem regras que devem respeitar-se, sempre, em caso de exposição solar:

  • evitar a exposição nas horas de maior intensidade solar;
  • aplicar o protetor solar antes da exposição, em quantidade suficiente (duas camadas em vez de uma).
  • Renovar a aplicação, generosa e frequentemente, sobretudo após o banho ou se transpirar excessivamente.
  • não expor crianças de tenra idade à luz direta do sol. Após cada banho, deverá secar-se a criança com uma toalha e renovar a aplicação do protetor solar específico para este tipo de pele frágil.

Deverá ter-se consciência que: determinados alimentos contribuem para melhorar a resistência da nossa pele ao Sol. Moléculas naturais como os carotenoídes, a vitamina C, presente nas frutas e legumes, ou a vitamina E contribuem para a foto-proteção  No entanto, não substituem, de modo algum, uma boa proteção solar, indispensável em caso de exposição.

Não hesite em consultar um dermatologista, para mais informações.

Informações parciais. Confira o texto na íntegra, acessando o site:  http://www.laroche-posay.pt

Beneficios do Sol 2013

Campanha-BENEFICIOS-DO-SOL-2013

‘Sol pode trazer mais Benefícios que Riscos’

O estudo foi liderado pelo biofísico Richard Setlow, o primeiro a alertar para a ligação entre exposição solar e câncer de pele.

girl-woman-happy-sea-sun-beach-sand-sky

Desta vez, no entanto, ele chama atenção para o fato de que a falta de luz solar pode prejudicar a produção de vitamina D, substância que ajuda na prevenção de vários tipos de câncer e doenças cardíacas, além de impulsionar o sistema imunológico.

“Já que a vitamina D tem uma papel importante na prevenção de vários tipos de tumores internos e outras doenças, é importante avaliar os riscos para determinar se o conselho de ficar menos exposto ao sol pode trazer mais prejuízos que benefícios em algumas populações”, disse Setlow, pesquisador do Laboratório Nacional de Brookhaven, do Departamento de Energia do governo americano.

A pesquisa foi publicada na edição desta semana da revista científica Proceedings of the National Academy of Sciences. Além da equipe de Setlow, cientistas da Noruega também participaram do trabalho.

Incidência

Os pesquisadores, da Noruega e dos Estados Unidos, calcularam a síntese de vitamina D em pessoas que vivem em latitudes diferentes – mais ao norte e próximas à linha do Equador.

As simulações indicaram que pessoas que vivem na região do Equador, como na Austrália, produzem 3,4 vezes mais vitamina D em resposta à exposição ao sol do que quem vive na Grã-Bretanha e 4,8 vezes mais do que os escandinavos.

Além disso, os pesquisadores observaram que a incidência de outros tipos de câncer, como de pulmão, mama e próstata, aumentava no sentido norte-sul.

No entanto, ao analisar as taxas de sobrevivência, os pesquisadores descobriram que as pessoas que ficam mais expostas ao sol apresentam prognóstico melhor, o que sugere que pessoas com mais tempo de exposição ao sol têm mais chances de sobreviver a vários tipos de câncer.

“Em um trabalho anterior havíamos apontado que as taxas de sobrevivência para estes tipos de câncer melhoravam quando o diagnóstico coincidia com a estação de maior exposição ao sol”, diz Setlow.

O estudo aponta que, para prevenir o câncer de pele e continuar produzindo vitamina D, é preciso aumentar o consumo de alimentos ricos na substância e continuar utilizando o protetor solar.

Para Setlow, a pesquisa pode auxiliar no desenvolvimento de novos tipos de protetores solares, que protejam contra os raios UVA, mas não prejudiquem a absorção moderada dos raios UVB, que atuam na produção de vitamina D.

“Um aumento na exposição ao sol pode levar a uma melhoria no prognóstico do câncer e possivelmente ter mais resultados positivos que negativos.”

Informações parciais. Confira o texto na íntegra, acessando o site: http://www.bbc.co.uk

Os novos benefícios da vitamina D

Ela é fundamental tanto para a mulher grávida quanto para um atleta campeão olímpico. Sua escassez provoca imensos problemas de saúde, mas tê-la em excesso também.

Serve ao bebê recém-nascido e ao idoso. É fundamental para o obeso e para o magro. Poucas substâncias servem tão completamente ao organismo quanto a vitamina D.

beneficiossol_shutterstock_92469031-650x350

A temporada dos corpos à mostra, com o verão e as férias, é o momento mais adequado para a compreensão do funcionamento da chamada vitamina do sol. Pode até chover hoje e amanhã, mas, dos 89 dias do verão brasileiro, 66 serão ensolarados no Rio de Janeiro; 65, em Porto Alegre; sessenta, no Recife; 46, em Brasília; e 45, em São Paulo.

Até dez anos atrás, a vitamina D estava associada, sobretudo, à manutenção de um esqueleto forte. As descobertas mais recentes da medicina, no entanto, indicam que praticamente todos os tecidos e órgãos se beneficiam dela. “Direta ou indiretamente, a D está relacionada a pelo menos 2.000 genes, o que comprova a sua vasta gama de benefícios”, disse a VEJA o endocrinologista americano Michael Holick, professor da Universidade de Boston, o grande pesquisador do assunto e autor do livro Vitamina D — Como um Tratamento Tão Simples Pode Reverter Doenças Tão Importantes.

A vitamina D faz nosso coração bater no ritmo adequado e nossas artérias e veias pulsarem em compasso. É ela que nos garante força muscular e nos protege contra infecções, infartos e derrames, diabetes e alguns tipos de câncer.

A falta dela desregula o sistema de fome e saciedade e nos faz engordar — e morrer de vergonha de, na praia, vestir o biquíni e o calção.

Informações parciais. Confira o texto na íntegra, acessando o site: http://veja.abril.com.br

Uma em cada cinco vítimas de acidente de trânsito atendidas pelo SUS ingeriu álcool

Uma em cada cinco vítimas de acidente de trânsito que buscam atendimento de emergência pelo Sistema Único de Saúde (SUS) ingeriu bebida alcoólica antes de chegar à unidade. Foi o que apontou um novo levantamento do Ministério da Saúde divulgado nesta terça-feira. O estudo mostrou ainda que o álcool tem outros impactos significativos nos atendimentos de urgência dos hospitais públicos. De acordo com o trabalho, quase metade dos pacientes atendidos em hospitais do SUS que sofreram alguma agressão física bebeu antes do atendimento.

alcoolismo254

Esses dados fazem parte do VIVA (Vigilância de Violências e Acidentes), estudo feito pela Secretaria de Vigilância em Saúde em 71 hospitais que realizam atendimentos de urgência e emergência pelo SUS. Ao todo, foram ouvidas 47.000 pessoas em todas as capitais do país e no Distrito Federal. Os dados foram coletados em 2011 e analisados no ano passado.

Segundo o levantamento, entre as vítimas de acidente de trânsito atendidas em hospitais do SUS em 2011, 22,3% dos condutores, 21,4% dos pedestres e 17,7% dos passageiros do veículo apresentavam sinais de embriaguez ou assumiram ter consumido álcool antes do acidente. Entre esses pacientes, 39,9% tinham de 20 a 39 anos de idade — a faixa etária mais prevalente nesses casos.

Essa idade também foi a mais comum (56%) entre as pessoas que procuraram uma unidade de urgência ou emergência do SUS devido a uma agressão física em 2011. Nesse ano, 8.352 homens com idade entre 20 a 39 anos foram assassinados e 16.460 morreram em acidente de trânsito — número que corresponde a quase metade dos óbitos totais registrados nessa faixa etária em 2011.

Os dados do estudo mostram que o consumo de álcool é mais elevado entre pacientes do sexo masculino. Entre os homens que procuraram atendimento emergencial no SUS em 2011, 54,3% dos que sofreram violência física e 24,9% dos que estiveram envolvidos em acidente de trânsito tinham ingerido bebida alcoólica. Essa prevalência entre as mulheres foi de 31,5% e 10,2%, respectivamente.

Recuperação lenta — Ainda segundo o estudo, a bebida alcóolica parece ser um fator negativo para a recuperação dos pacientes de unidades de emergência e está ligada a casos mais graves de acidentes e agressões. Das pessoas que foram atendidas em unidades do SUS em 2011 e que não haviam ingerido álcool, 72,3% receberam alta logo após o atendimento. Entre indivíduos que haviam bebido, esse número foi de 66,2%. “Quando olhamos para os números de internação, acontece o contrário: bem mais pessoas que tinham ingerido bebida alcoólica (24,9%) têm como desfecho a hospitalização, comparado com quem não consumiu bebida alcoólica (14,8%)”, disse Jarbas Barbosa, secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, durante a apresentação dos dados.

“As informações apresentadas têm papel decisivo para que tenhamos, nós e todos os demais órgãos federais, estaduais e municipais, mais segurança para agir. Também vamos utilizá-las em nossas campanhas de conscientização de motoristas, passageiros e pedestres”, afirmou o ministro da Saúde, Alexandre Padilha.

Informações parciais. Confira o texto na íntegra, acessando o site: http://veja.abril.com.br

Ter um amigo que bebe é o principal fator de risco para jovem experimentar Álcool

Um novo estudo da Universidade de Iowa, nos Estados Unidos, mensurou a influência que os amigos têm na hora de um adolescente experimentar bebida alcoólica. Segundo a pesquisa, ter um colega que bebe dobra o risco de um jovem dar o primeiro gole de álcool — e a influência das amizades nesse sentido é mais forte do que possuir histórico de alcoolismo na família, por exemplo. O trabalho foi publicado nesta segunda-feira na revista Pediatrics.

i190920

De acordo com Samuel Kuperman, que coordenou o estudo, o que o motivou a realizar esse trabalho foram os resultados de um levantamento que indicou que um terço dos estudantes americanos de 13 a 14 anos afirmou já ter experimentado bebida alcoólica. Entre os jovens de 15 anos, mais da metade relatou já ter bebido e, entre adolescentes de 16 a 17 anos, essa prevalência foi de mais de 70%.

Para entender o que está levando cada vez mais jovens a experimentarem bebida alcoólica, Kuperman e sua equipe se basearam em dois estudos sobre o consumo de álcool entre adolescentes. Os pesquisadores concluíram que os principais fatores que podem predispor um adolescente a começar a beber são: problemas de comportamento, histórico de alcoolismo na família, baixo nível socioeconômico e ter amigos que bebem. A partir dessa conclusão, a equipe avaliou 820 jovens de 14 a 17 anos.

Influência — Entre todos os fatores de risco, ter um amigo de consome bebida alcoólica foi o mais determinante para que um adolescente começasse a beber — quatro em cada dez jovens que relataram já ter bebido afirmaram que seu melhor amigo também consumia bebida alcoólica. Além disso, segundo o estudo, ter algum parente alcoólatra não necessariamente influi no primeiro gole de álcool do adolescente, mas sim no quão ele vai beber ao longo da vida.

“Quando uma pessoa começa a beber, mesmo crianças que possuem algum familiar alcoólatra, ela geralmente não obtém o primeiro gole de álcool de algum parente, mas sim de um amigo. Se o jovem tem um amigo que possui acesso à bebida alcoólica, então será mais fácil de experimentá-la”, diz Kuperman.,

Informações parciais. Confira o texto na íntegra, acessando o site: http://veja.abril.com.br


Enter your email address to follow this blog and receive notifications of new posts by email.

Junte-se a 2.293 outros seguidores

Calendário

fevereiro 2013
S T Q Q S S D
« jan   mar »
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728  

Arquivos

Estatísticas do Blog

  • 785,958 hits

Top 5


%d blogueiros gostam disto: