Posts Tagged 'câncer de mama'

Outubro ROSA 2017

PIxabay Rosa 3 rose-bloom-2445089_1920

Este é o mês de vestir todos os tons de rosa. Finalmente, outubro chegou e voltamos a falar sobre o Câncer de Mama.

Sendo a 2a maior causa de morte entre mulheres, este assunto ainda será levantado muitas vezes.

No post de hoje, abordaremos exclusivamente os fatores de risco, pois a partir deles, podemos nos antecipar, controlar e, muitas vezes, evitar o câncer.

Ter um fator de risco representa o aumento da sua chance de ter a doença. Não quer dizer que você a terá, necessariamente.

Há pessoas que não apresentam  fator de risco mas tem a enfermidade. E também não se sabe ao certo, qual o percentual de contribuição de cada fator de risco no surgimento do câncer.

Mas ter o conhecimento de tudo aquilo que aumentaria a chance de ficar doente, lança luz sobre o caminho da prevenção. Principalmente, ao separarmos entre os Fatores de Risco Não-Mutáveis e os Fatores de Risco relacionados ao Estilo de Vida (estes podemos mudar). Muitas ações podem ser tomadas, a partir de agora, como por exemplo: praticar atividades físicas e evitar bebida alcoólica.

As duas listas abaixo são da American Câncer Society e seguem parcialmente. Lembrando que este post não substitui a consulta médica. Converse e tire suas dúvidas sobre este assunto sempre com um profissional da área.

Fatores de Risco para Câncer de Mama Não Mutáveis

  • Gênero. Ser mulher é o principal fator de risco para o desenvolvimento de câncer de mama.
  • Idade. O risco aumenta com a idade. A maioria dos cânceres de mama são diagnosticados em mulheres acima de 55 anos.
  • Fatores Genéticos.  De 5 a 10% dos casos de câncer de mama são hereditários, o que significa que resultam diretamente de defeitos genéticos herdados de um dos pais.
  • BRCA1 e BRCA2. A causa mais comum do câncer de mama hereditário é uma mutação nos genes BRCA1 e BRCA2. Em células normais, esses genes previnem o câncer, criando proteínas que evitam que as células cresçam anormalmente.
  • Testes Genéticos. Os testes genéticos podem ser realizados para verificar mutações nos genes BRCA1 e BRCA2 (menos comumente em outros genes, como PTEN e TP53). Embora os testes possam ser úteis em alguns casos, os prós e contras precisam ser considerados cuidadosamente. É importante entender o que o teste genético pode (ou não) dizer e pesar cuidadosamente os benefícios e riscos antes de fazer qualquer exame genético.
  • Histórico Familiar. O risco de câncer de mama é maior entre as mulheres com parentes em primeiro grau (mãe, irmã ou filha) que tiveram a doença. Nesses casos o risco da doença praticamente dobra. Ter dois parentes de primeiro grau aumenta o seu risco cerca de 3 vezes.
  • Histórico Pessoal. Uma mulher com câncer de mama tem um risco de desenvolver um novo câncer de mama. Diferente de uma recidiva. Este risco é maior para mulheres mais jovens.
  • Raça e Etnia. As mulheres brancas são ligeiramente mais propensas a desenvolver câncer de mama do que as negras. No entanto, em mulheres com menos de 45 anos, o câncer de mama é mais comum em mulheres negras.
  • Mamas Densas. Mulheres com mamas densas têm um risco 1,2 a 2 vezes maior de câncer de mama em relação as mulheres com densidade média de mama. Uma série de fatores pode afetar a densidade da mama, como idade, estado menopausal, uso de medicamentos, gravidez e genética.
  • Doenças Benignas da Mama. Mulheres diagnosticadas com determinadas condições benignas da mama podem ter um risco aumentado de câncer de mama. Essas doenças benignas são classificadas em 3 grupos gerais, de acordo com o risco.
  • Lesões Proliferativas com Atipia. Nestas condições, existe um crescimento excessivo das células dos ductos ou lobos, com algumas das células normais não aparecendo. Eles têm um forte efeito sobre o risco de câncer de mama, elevando-o de 3 a 5 vezes. Estes tipos de lesões incluem: hiperplasia ductal atípica e hiperplasia lobular atípica.
  • Carcinoma Lobular In Situ. As s células que se parecem com células cancerosas crescendo nos lobos das glândulas produtoras de leite. As mulheres com carcinoma lobular in situ têm um risco aumentado de desenvolver câncer em qualquer uma das mamas.
  • Menarca antes dos 12 anos. As mulheres que tiveram mais ciclos menstruais porque tiveram menarca precoce (antes dos 12 anos) têm um risco ligeiramente aumentado de câncer de mama. O aumento do risco pode ser devido a uma exposição mais longa a hormônios femininos.
  • Menopausa após os 55 anos. As mulheres que tiveram mais ciclos menstruais porque tiveram a menopausa mais tarde (após os 55 anos) têm um risco ligeiramente aumentado de câncer de mama. O aumento do risco pode ser devido a uma exposição prolongada aos hormônios femininos.
  • Exposição ao Dietilestilbestrol. Mulheres grávidas que receberam dietilestilbestrol (DES) têm um risco ligeiramente maior de desenvolver câncer de mama. Mulheres cujas mães tomaram DES durante a gravidez também podem ter um risco maior de câncer de mama.

Fatores de Risco para Câncer de Mama relacionados ao Estilo de Vida

  • Alcoolismo. O consumo de álcool está claramente associado a um aumento do risco de desenvolver câncer de mama. Esse risco aumenta com a quantidade de álcool consumida.
  • Obesidade. Estar acima do peso ou obesa após a menopausa aumenta o risco de câncer de mama. Mas a ligação entre o peso e o risco da doença é complexa. Por exemplo, o risco parece ser maior em mulheres que ganharam peso na idade adulta, e não para aquelas que sempre estiveram acima do peso desde a infância.
  • Atividade Física. Crescem as evidências de que a atividade física na forma de exercício reduz o risco de câncer de mama. A principal questão é a qual quantidade de exercício necessário!
  • Ter filhos. As mulheres que não tiveram filhos ou que tiveram o primeiro filho após os 30 anos têm um risco aumentado de câncer de mama. Ter muitas gestações e engravidar jovem reduz o risco de câncer de mama. Entretanto, o efeito da gravidez é diferente para diferentes tipos de câncer de mama. Para o câncer de mama triplo negativo, a gravidez parece aumentar o risco.
  • Controle da Natalidade com Anticoncepcionais. O uso de pílulas anticoncepcionais aumenta o risco de câncer de mama em relação as mulheres que nunca usaram. Esse risco volta ao normal após a interrupção do uso dos contraceptivos. Mulheres que pararam de usar os anticoncepcionais há mais de 10 anos não parecem ter qualquer aumento no risco.
  • Controle da Natalidade com Injeção Depo-Provera. É uma forma injetável de progesterona administrada trimestralmente para o controle da natalidade. Alguns estudos analisaram o efeito dessa medicação sobre o risco de câncer de mama. Atualmente, as mulheres usando esse anticoncepcional parecem ter um aumento no risco de câncer de mama, mas esse risco diminui após 5 anos que a mulher parou de usar.
  • Controle da Natalidade com DIU. Essa forma de controle de natalidade também usa hormônios que podem aumentar o risco de câncer de mama. Alguns estudos mostraram uma ligação entre o uso do DIU que libera hormônio e o risco de câncer de mama.
  • Reposição Hormonal após a Menopausa. A terapia hormonal com estrogênio, muitas vezes combinada com progesterona, tem sido usada por muitos anos para aliviar os sintomas da menopausa e prevenir a osteoporose. Existem dois tipos principais de terapia hormonal. Para mulheres que ainda têm útero, geralmente é prescrito estrogênio e progesterona (terapia hormonal combinada). A progesterona é necessária porque o estrogênio sozinho pode aumentar o risco do câncer de colo do útero. Para mulheres que já fizeram histerectomia pode ser usado apenas o estrogênio. Isso é conhecido como terapia de reposição de estrogênio ou apenas terapia de estrogênio.
  • Terapia Hormonal Combinada. O uso da terapia hormonal combinada após a menopausa aumenta o risco de câncer de mama. Esse aumento no risco pode ser observado apenas após 2 anos de uso. Também aumenta a probabilidade de que o câncer seja diagnosticado em estágio avançado.
  • Terapia de Estrogênio. O uso de estrogênio isolado após a menopausa não parece aumentar o risco de câncer de mama. Mas, quando utilizado a longo prazo (mais de 10 anos), alguns estudos mostraram um aumento no risco de câncer de ovário e câncer de mama. Atualmente, existem poucas razões para usar a terapia hormonal pós-menopausa, além de possivelmente o alívio a curto prazo dos sintomas da menopausa. A terapia de estrogênio não parece aumentar o risco de câncer de mama, mas aumenta o risco de acidente vascular cerebral.

 

Informações Parciais das Fontes:

http://www.oncoguia.org.br/conteudo/cancer-de-mama/1411/31/

https://www.cancer.org/cancer/breast-cancer/risk-and-prevention/lifestyle-related-breast-cancer-risk-factors.html

Fonte da imagem: Pixabay

Anúncios

Outubro Rosa 2016

Pixabay mulher rosa woman-1031508_1920.jpg

Há 8 anos realizamos a Campanha Outubro Rosa, falamos sobre novidades que surgem todo ano para dar continuidade ao principal objetivo deste movimento mundial: Conscientizar sobre o Câncer de Mama.

Os números continuam aumentando e, em 2016, são estimados 57.960 novos casos, segundo o Ministério da Saúde e o INCA (Instituto Nacional de Câncer).

Não existe uma razão única. Diversos fatores estão relacionados ao câncer de mama e a maioria das mulheres ainda pode redesenhar seu futuro, apenas melhorando seus hábitos.

Fatores de Risco

1 – Comportamentais / Ambientais: modificáveis

  • Obesidade e sobrepeso após a menopausa
  • Sedentarismo
  • Consumo de bebida alcoólica
  • Exposição frequente a radiações ionizastes (raio X, mamografia e tomografia)

2 – Histórico Hormonal:

  • Menarca antes de 12 anos
  • Não ter tido filhos
  • Primeira gravidez após os 30 anos
  • Não ter amamentado
  • Parar de menstruar após os 55 anos
  • Ter feito uso de contraceptivos orais por tempo prolongado
  • Ter feito reposição hormonal pós-menopausa, principalmente por mais de 5 anos

3 – Hereditários/genéticos – História familiar de:

  • Câncer de ovário
  • Câncer de mama em homens
  • Câncer de mama em mulheres, principalmente antes dos 50 anos.

Apenas 5 a 10 % dos casos da doença estão relacionados aos fatores hereditários.

Recentemente, a IARC (Agência Internacional de Pesquisa em Câncer) lançou a publicação IARC Handbook os Breast Cancer Screening que avalia diferentes métodos de rastreamento do câncer de mama. As evidências apresentadas no livro possuem vários pontos em comum com as Diretrizes do INCA / Ministério da Saúde para a Detecção Precoce do Câncer de Mama, publicado em 2015.

Nestas diretrizes, entende-se que:

  • a mamografia em mulheres com idade entre 50 e 69 anos reduz a mortalidade do câncer de mama
  • o rastreamento através do autoexame das mamas não garante a redução da mortalidade

Isto é, tenha sempre um médico de sua confiança e visite-o regularmente. Exames preventivos não devem ser substituídos pelo autoexame.

O Ministério da Saúde e o INCA lançaram uma Cartilha sobre o Câncer de Mama, com conteúdo de fácil entendimento e com informações atualizadas sobre a doença. Quem tiver interesse, vale a pena conferir.

Feliz Outubro Rosa!

Fontes:

http://www1.inca.gov.br/inca/Arquivos/livro_deteccao_precoce_final.pdf

http://www2.inca.gov.br/wps/wcm/connect/e03b508046404270b86dfa2d43a04cdb/Cartilha_câncer_de_mama_vamos_falar_sobre_isso2016_web.pdf?MOD=AJPERES&CACHEID=e03b508046404270b86dfa2d43a04cdb

Dia Mundial de Combate ao Câncer

Hoje, 8 de abril, é lembrado o Dia Mundial de Combate ao Câncer, data criada pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Trata-se de um momento muito importante no calendário médico oncológico, pois marca um dia que, na verdade, o oncologista clínico vivencia diuturnamente na sua luta pela melhoria de vida do paciente portador de tumor maligno. É uma doença debilitante, tanto do ponto de vista patológico, quanto do ponto de vista terapêutico, pois pode trazer muitas repercussões no cotidiano de quem as enfrenta e que certamente reverberam em todos com os quais convivem.
WCD2015_ePoster_Generic_BR_PT_FA
Os tratamentos médicos direcionados a tal doença têm evoluído bastante, especialmente com o advento de uma melhor compreensão da biologia tumoral, que permite o desenvolvimento de drogas mais dirigidas a alterações tumorais específicas, chamadas de terapia alvo, que reduzem a toxicidade agregada e otimizam a eficácia. A imunoterapia, que utiliza o sistema imunológico individual para atacar a doença, tem tido uma recente releitura por meio do surgimento de novas classes de medicamentos com um poder maior de manipulação deste aparato orgânico constitutivo, com um padrão bastante distinto de para-efeitos, mas com alguns resultados impressionantes em longo prazo.
Ainda assim, não podemos esquecer de regras básicas, como recém-divulgado pela mídia de que os tumores são mais derivados do “azar”. Tal termo se deve ao fato de que a maior parte dos tumores são aleatórios ou esporádicos, sendo que os hereditários constituem a menor parte nesta incidência epidemiológica. Esta informação não se trata de algo novo na prática geral, mas deixou transparecer a ideia de que não haveria o que ser feito e que seria apenas uma fatalidade a ocorrência dos tumores. Lógico que alguns deles são assim mesmo, mas não nos esqueçamos que os tabagistas têm muito mais “azar” que os não-fumantes, bem como os obesos, os imunodeprimidos e os sedentários em relação aos seus antagonistas salutares.
Este estudo somente reforça a relevância de uma prática médica muito comum: a do rastreamento. Se não sabemos que terá câncer, devemos investigar regularmente pessoas saudáveis a fim de detectar precocemente uma neoplasia quando ela ainda é mais curável, com tratamentos menos mórbidos e custosos. Portanto, devemos continuar rastreando adequadamente aqueles sob maior risco de desenvolvimento de tumores, “nichando” corretamente aqueles que merecem ser seguidos através de exames e fazendo acompanhamento clínico nos demais.
Não podemos também nos esquecer que a doença é grave e às vezes debilitante e as terapias em algumas circunstâncias não são menos agressivas, portanto, ter a assistência de um profissional oncologista desde o início do tratamento de forma multidisciplinar é de extrema importância para definição do grau de disseminação da doença (estadiamento), objetivos terapêuticos e claro, tratamento e cuidados suportivos. Nunca devemos subestimar a importância de tratamento de uma equipe multidisciplinar envolvendo enfermeiros, farmacêuticos, nutricionistas, terapeutas ocupacionais, psicólogos, clínicos de dor, radioterapeutas, cirurgiões, e toda uma gama de especialidades que contribuem fortemente para trazer uma melhor qualidade de vida peritratamento e ajudando o paciente a se adaptar a uma nova realidade de sobrevivente.
Portanto, neste sentido, a Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica luta incessantemente para obtenção de mais direitos, de mais suporte, informação, tecnologia (e seu consequente acesso à mesma) e inovação – seja no âmbito público quanto no suplementar da saúde -, tentando garantir a todos o melhor tratamento possível, com toda a qualidade de suporte que a ciência possa prover. Claro que não estamos alheios aos custos incrementais que tal questão agrega à prática clínica e, da mesma forma, lutamos para uma avaliação custo-efetiva, baseada em evidências científicas, mas sem nunca perder a perspectiva de uma medicina centrada no indivíduo, dado que nunca trataremos uma doença igual a outra, bem como entendendo que cada pessoa tenha uma demanda diferente em cada situação, não importa o quão grave ou indolente seja sua doença.
O oncologista clínico é o profissional adequado para responder aos questionamentos, esclarecendo as dúvidas e, com bom senso, avaliando a melhor relação custo/benefício terapêutica, oferecendo ao paciente a terapia mais individualizada para seu caso, bem como ajudando no rastreamento, seguimento, orientações a familiares e cuidadores. Neste ano, estaremos realizando o Congresso Brasileiro de Oncologia Clínica na cidade de Foz do Iguaçu, no Paraná, onde diversos profissionais renomados tanto nacional quanto internacionalmente estarão congregados, estudando, discutindo e compartilhando ciência no sentido de um aprimoramento da classe.
Dr. Evanius Garcia Wiermann é oncologista clínico, chefe do serviço de Oncologia do Hospital VITA Curitiba e presidente nacional da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica.
Informações parciais. Confira o texto na íntegra, acessando o site: http://www.segs.com.br/

Incidência de câncer cresce em 20% na última década

Hoje é o Dia Mundial do Câncer, doença que representa um problema de saúde pública mundial e cuja incidência registrou um crescimento de 20% na última década. A data é importante para alertar a população sobre os cuidados e a prevenção ao câncer, uma vez que de acordo com últimas informações do INCA, apenas para 2014, foram esperados 576 mil novos casos no Brasil.

Câncer-em-Crianças

De acordo com a hematologista sócia-diretora do IHOBA (Instituto de Hematologia e Oncologia da Bahia), Dra. Karla Mota, além dos tumores sólidos, que são os de maior incidência, como o de mama e de próstata, é importante dar atenção também aos popularmente conhecidos “cânceres de sangue”, como o linfoma e a leucemia que são doenças hematológicas.  “As pessoas em geral ainda não reconhecem os sintomas muito bem, porque são sutis, o que pode levar a busca do atendimento médico em outras áreas, retardando o diagnóstico, por isso é importante educarmos a população em relação a isso”, alerta a hematologista.

Outro fator que reforça a necessidade de dar atenção às doenças hematológicas é que, apenas para o ano de 2014 foram previstos para homens e mulheres, no total, 21.340 novos casos de doenças hematológicas o que provavelmente não deve ser muito diferente em 2015. No caso do linfoma especificamente, a cada ano, são registrados 10 mil casos cuja incidência  dobrou últimos anos.   O linfoma  pode se manifestar em qualquer lugar do corpo, pois são cânceres que atingem as células do sistema imunológico espalhadas em todo o organismo.  ”O linfoma pode começar em qualquer local onde existem os linfócitos(células do sistema linfático), principalmente nos gânglios linfáticos, em nódulos no pescoço, axilas e região da virilha, por isso é importante estar bem informado”, explica a médica do IHOBA.

Informações parciais. Confira o texto na íntegra, acessando o site: http://www.tribunadabahia.com.br/

 

Críticas ao SUS vão de lentidão do diagnóstico de câncer a demora nos exames

Além da demora na aprovação de medicamentos no Brasil, os pacientes com câncer enfrentam outras dificuldades para se tratarem no Brasil. Muitas vezes, há lentidão no diagnóstico do câncer e demora para realização de exames e acesso a medicamentos modernos.

images (1)

O oncologista Rafael Kaliks, diretor clínico da ONG Oncoguia, ONG voltada a dar assistência a pacientes com essa doença, entende que várias questões são ainda mais prioritárias do que a demora na questão dos medicamentos.

— Hoje o que se pratica no SUS (Sistema Único de Saúde) está 20 anos atrasado em relação aos avanços da medicina. O número de casos de câncer está aumentando e vai continuar.

Segundo o especialista, exames preventivos não são realizados pela maioria dos brasileiros, como mamografia e o papanicolau. E ele afirma que, na rede pública, a situação é ainda pior. E se refere à colonoscopia, exame relacionado ao câncer de intestino.

— Se este exame fosse feito em todo adulto (homens e mulheres) acima de 50 anos, a cada cinco anos, conseguiríamos diminuir em 90% a incidência da doença. O SUS tem esse exame, mas não o promove como estratégia de rastreamento, o faz apenas após o teste de sangue oculto nas fezes indicar a necessidade.

O médico garante que o ideal é fazer a colonoscopia também para o rastreamento da doença.

— Mas não existem colonoscópios [aparelhos] em número suficiente. Além disso, o Ministério da Saúde não faz nem campanha para a realização do exame de sangue oculto, muito menos pela colonoscopia.

Ele ressalta, porém, que o problema maior é o fato de o SUS não estar acompanhando a evolução da medicina.

— O buraco é bem mais embaixo, não é apenas restrito à demora de aprovação de medicamentos e pesquisas. É a estrutura de atendimento. 40% dos pacientes teriam de receber radioterapia e não recebem. A aprovação de drogas não vai substituir atrasos determinantes que existem no processo de diagnóstico, que permitem que um tumor evolua e prejudicam o tratamento.

A psicóloga Luciana Holtz, presidente da Oncoguia, teme que uma epidemia de câncer assole o Brasil em um prazo de 10 anos, sem que o País esteja preparado para encarar esta situação.

— Vários fatores, como envelhecimento da população, aumento da obesidade, dificuldades estruturais, problemas para acesso rápido a tratamento, demora no diagnóstico, além de burocracia de instituições vão fazer o câncer chegar pertinho de todos os brasileiros em pouco tempo.

Ministério e Anvisa rebatem

Por meio de sua assessoria de imprensa, o Ministério da Saúde informou ao R7 que o investimento da pasta na assistência oncológica cresceu quase 40% entre 2010 e 2013, totalizando R$ 2,8 bilhões em 2013.

Para a instituição, a expansão dos recursos resultou no maior acesso ao diagnóstico precoce e tratamento, bem como inclusão de medicamentos mais modernos.

O ministério também rebate as críticas de Kaliks, afirmando que houve um aumento de mais de 20% na realização de radioterapia e quimioterapia entre 2010 e 2013, chegando a 10 milhões de procedimentos radioterápicos e 2,7 milhões de quimioterapia.

Segundo o ministério, atualmente, o SUS oferece tratamento oncológico em 283 unidades hospitalares em todo País.

Em nota oficial ao R7, a Anvisa também declarou estar atenta aos perigos de uma epidemia no país. E deixa claro que, mesmo em nível mundial, as pesquisas correm contra o tempo.

“A Anvisa tem adotado medidas que priorizem o registro daquilo que é mais importante e que represente um inovação real para a saúde da população. O aumento do intercâmbio de informações com outras agências do mundo e a consolidação de regras seguras para o registro de medicamentos no país, são sinalizações importantes para que os laboratórios tragam mais novidades para o país. Há uma questão do tratamento do câncer que é o próprio limite da pesquisas atuais.

Informações parciais. Confira o texto na íntegra, acessando o site: http://noticias.r7.com/

Visite nosso site: http://www.vivamelhoronline.com.br

Dia Mundial do Câncer 2015: Ao nosso alcance

A campanha do INCA/MS para o Dia Mundial do Câncer 2015 segue o tema sugerido pela União Internacional para Controle do Câncer (UICC), Ao nosso alcance”: pessoas, comunidades e governos precisam se mobilizar em torno de soluções para a questão.

121827-970x600-1

A campanha de 2015 tem quatro eixos:

Escolhas saudáveis

Reduzir os fatores de risco sociais e ambientais para o câncer e capacitar as pessoas a fazer escolhas saudáveis são componentes essenciais para reduzir as mortes prematuras por doenças crônicas não transmissíveis e atingir as metas da Declaração Mundial do Câncer. O compromisso é que o número de mortes por essas doenças, entre as quais está o câncer, caia 25% até 2025.

O desafio

As pessoas e as comunidades precisam estar informadas de que cerca de um terço dos cânceres mais comuns podem ser evitados por meio de comportamentos saudáveis, como não fumar, reduzir o consumo de álcool, adotar alimentação rica em frutas, legumes, verduras e grãos e praticar atividades físicas regularmente.

O tabagismo responde sozinho por, pelo menos, 22% de todas as mortes por câncer, e o álcool está fortemente associado ao risco aumentado de câncer de boca, faringe, laringe, esôfago, intestino, fígado e mama. A obesidade já afeta entre 20 a 40% dos adolescentes em todo o mundo. O excesso de peso e a obesidade estão fortemente ligados ao aumento do risco de câncer do intestino, mama, útero, pâncreas, esôfago, rins e vesícula biliar na idade adulta.

A proteção contra a radiação ultravioleta (UV) também é fundamental para a prevenção do câncer de pele. Além disso, a exposição ocupacional e exposições ambientais contribuem substancialmente para o desenvolvimento de vários tipos de câncer. A poluição do ar é um importante fator de risco ambiental para o câncer de pulmão.

Para os países de renda baixa e média, os programas de prevenção de câncer devem ir além de abordar a mudança de comportamento. No mundo, infecções crônicas são a causa de cerca de 16% de todos os cânceres. Nos países de baixa e média rendas, esse índice chega a quase 23%. Os tumores malignos de fígado e do colo do útero são exemplos de câncer associados a infecções, respectivamente o HBV (vírus da hepatite B) e o HPV (papilomavirus humano).

Enfrentando o desafio

O direito à saúde é uma garantia da Constituição Federal brasileira. Esse direito inclui o acesso a serviços oportunos e de qualidade por toda a linha de cuidado, ou seja, acesso a estratégias eficazes de promoção da saúde e prevenção do câncer, exames para detecção precoce e, em caso de diagnóstico confirmado da doença, tratamento adequado.

Reduzir o nível de exposição das pessoas a fatores de risco modificáveis é a principal estratégia de prevenção primária para vários tipos de câncer. Essa abordagem deve ser feita desde a infância e a adolescência, e prosseguir por toda a vida. A adoção de comportamentos saudáveis reduz o risco de câncer e outras doenças crônicas não transmissíveis (DNT), como diabetes e doenças cardíacas na vida adulta.

É fundamental que os jovens sejam informados sobre a importância de escolhas saudáveis e incluídos nas estratégias de promoção da saúde e prevenção do câncer.

Detecção precoce

Garantir a oferta e o acesso a programas de detecção precoce de câncer pode reduzir significativamente a mortalidade pela doença. Na Declaração Mundial de Câncer está previsto que até 2025 deverão ser implementados universalmente programas de rastreamento e de detecção precoce. Para que esses programas atinjam seu objetivo, é fundamental aumentar a conscientização sobre sinais e sintomas de alerta da doença entre a população em geral e os profissionais de saúde.

O desafio

Nem todos os tipos de câncer apresentam sinais e sintomas no início, dificultando a detecção precoce. Mas, para muitos, incluindo os de mama, do colo do útero, colorretal, da pele, oral, e alguns tipos de câncer na infância, os benefícios de abordagens sistemáticas para a detecção precoces são conclusivos, reduzindo significativamente a mortalidade e as possíveis sequelas da doença.

Falta de informação é um obstáculo ao controle da doença e a cuidados eficazes em países de rendas baixa e média, especialmente para a detecção em fases mais precoces e mais facilmente tratáveis. Estratégias integradas para aumentar a conscientização sobre o câncer e sobre a importância de buscar atendimento quando os primeiros sintomas forem notados, juntamente com intervenções práticas e comprovadas para o diagnóstico precoce, aumentam as chances de melhorar os resultados.

Enfrentando o desafio

Programas abrangentes de detecção precoce devem incluir estratégias para melhorar o conhecimento sobre o câncer entre a população em geral comunidades, profissionais de saúde e gestores, e aumentar a conscientização em torno das opções para a detecção precoce de alguns tipos de câncer, independentemente da definição de recursos.
Compreender e responder às crenças e práticas culturais é essencial, particularmente em contextos onde há preconceitos associado ao câncer e desigualdades sociais e de gênero que podem levar os pacientes a atrasar o início do tratamento ou, até mesmo, impedir que procurem ajuda.

Igualmente importante é o desenvolvimento de estratégias para incentivar a procura por auxílio, incluindo a conscientização e educação para reconhecer os sinais e sintomas de alguns tipos de câncer, além da compreensão que a detecção precoce de sintomas irá aumentar as oportunidades para a cura e melhorar a qualidade de vida.

Para cânceres infantis, uma maior consciência dos sinais e sintomas da doença entre pais e profissionais de saúde pode ajudar a reduzir o atraso no diagnóstico e, consequentemente, do início do tratamento.

A sensibilização para a detecção precoce é possível em muitos contextos. O local de trabalho pode ser um canal eficaz para a divulgação de mensagens educativas, por meio de boletins informativos, vídeos e até da comunicação interpessoal. Os empregadores também podem ajudar, liberando os funcionários para realização de exames de rastreamento.

Tratamento para todos

É direito de todos terem acesso a tratamento de câncer eficaz e de qualidade, com serviços em condições de igualdade, independentemente do local de moradia e dificuldades econômicas. A Declaração Mundial do Câncer prevê que os sistemas de saúde serão reforçados para garantir tratamento a todas as pessoas que dele precisarem, em qualquer idade, incluindo o acesso ao diagnóstico preciso, o tratamento de qualidade (cirurgia, radioterapia, quimioterapia, incluindo medicamentos e tecnologia essenciais), reabilitação e cuidados paliativos (controle da dor e apoio psicológico).

O desafio

Apesar de os governos reconhecerem que seus cidadãos têm direito à saúde, em muitos países os sistemas de saúde não recebem recursos suficientes para prover serviços oncológicos adequados. A falta de investimento em ações de controle do câncer no nível de atenção primário (Atenção Básica) afeta negativamente o acesso ao diagnóstico e ao tratamento precoce, resultando em altos níveis de mortalidade por câncer, principalmente em países de baixa e média rendas. O resultado é que as taxas de sobrevivência caem a cerca de 10% em comparação com aproximadamente 80% em países de alta renda.

Para grande parte da população do mundo são negados atendimentos de radioterapia, devido à escassez estimada de 5 mil máquinas, bem como falta de mão de obra especializada.

Enfrentando o desafio

Planos nacionais de controle de câncer devem considerar a linha completa e multidisciplinar do cuidado oncológico. O tratamento de alta qualidade do câncer não é possível sem o investimento em cada um dos componentes essenciais da abordagem multidisciplinar. Isso deve incluir esforços específicos para prestar cuidados de apoio, entre eles o apoio psicossocial para pacientes, familiares e cuidadores.

Os planos de controle também têm papel vital no fortalecimento dos sistemas de saúde que abordarão os principais nós para a prestação de serviços oncológicos eficazes, o que envolve o fornecimento de mão de obra especializada em saúde, infraestrutura, financiamento adequado e concentração de esforços na investigação onde ela é mais necessária para que o conhecimento existente seja traduzido em resultados práticos para os pacientes.

O investimento em sistemas de saúde fortes também vai garantir o acesso e a disponibilidade de serviços para os tumores raros, que representam cerca de 20% da carga global total, incluindo todos os tipos de câncer que afetam crianças e adolescentes.

Na definição do Plano Nacional, devem ser levados em consideração a taxa de incidência de câncer no país em questão e as condições políticas e sociais, entre outros fatores. Em países de baixos recursos, pode-se lançar mão de alternativas eficazes que fornecem serviços sustentáveis e equitativos que abrangem toda linha de cuidado do câncer. Um exemplo é a Iniciativa Global de Saúde da Mama, que vem liderando esforços para desenvolver, implementar e estudar diretrizes economicamente viáveis baseadas em evidências e culturalmente apropriados para o cuidado, rastreamento, detecção e tratamento do câncer de mama em países em desenvolvimento.

Aumentar a qualidade de vida

Compreender e responder a todo o impacto da doença no bem estar emocional, mental e físico de modo a melhorar a qualidade de vida de pacientes, familiares e cuidadores. Um dos compromissos da Declaração Mundial do Câncer é reduzir o estigma associado ao câncer e dissipar mitos e preconceitos acerca da doença. Paralelamente, devem estar assegurados o acesso ao correto diagnóstico, ao tratamento multidisciplinar de qualidade, a reabilitação e serviços de apoio e cuidados paliativos. Dessa forma, pretende-se garantir uma melhor qualidade de vida às pessoas que vivem com câncer.

O desafio

Em muitas sociedades, o câncer continua sendo um assunto tabu, e pessoas vivendo com a doença estão sujeitas ao estigma e à discriminação que podem fazê-las deixar de buscar tratamento.
Até mesmo em comunidades altamente engajadas, a percepção negativa do câncer pode impedir o debate público, e a consciência do impacto total no bem-estar emocional, mental e físico provocados pela doença não serão totalmente compreendidos.

Uma forte reação emocional é vivida pela maioria das pessoas ao receber um diagnóstico de câncer. Medo, raiva, solidão e ansiedade são comuns, especialmente no momento do diagnóstico, durante o tratamento, ao se readaptar à vida após o tratamento e na transição para os cuidados paliativos. Sobreviventes de câncer estão em risco de diminuição da qualidade de vida até vários anos após o diagnóstico, e muitas vezes têm necessidades não satisfeitas relacionadas a questões de imagem corporal, saúde sexual, função cognitiva e medo de recorrência.

Os efeitos fisiológicos de alguns tratamentos de câncer, tais como perda da fertilidade, disfunção sexual, perda de cabelo e ganho de peso também pode resultar em estigma e discriminação e, em alguns casos, ser a causa da rejeição do parceiro. As consequências psicológicas de cuidar de uma pessoa que vive com câncer também podem ser enormes, com muitos cuidadores experimentando estresse e declínios em sua saúde física e mental.

A dor do câncer como resultado da falta de acesso a analgésicos adequados tem enormes implicações para a qualidade de vida de pacientes, e está relacionada a distúrbios psicológicos, como níveis elevados de depressão, ansiedade e medo. Embora a Organização Mundial da Saúde (OMS) considere a morfina um medicamento essencial, existem disparidades inaceitáveis no mundo no uso de opioides para o tratamento da dor, com os países de alta renda consumindo 93% da oferta de morfina do mundo, enquanto 65% das mortes por câncer ocorrem em países de baixa e média rendas.

Enfrentando o desafio

Manter redes de apoio social e falar sobre o câncer são estratégias potencialmente importantes para lidar com o impacto emocional da doença, tanto para o paciente como seu cuidador. O apoio pode vir de várias fontes – parceiros, amigos, familiares, profissionais de saúde e conselheiros. Algumas pessoas escolhem se juntar a grupos de apoio.

Esses grupos podem proporcionar um ambiente de carinho e aceitação nos quais o paciente expressa seus sentimentos e reduz a ansiedade e o medo. Mesmo entre pacientes, nem sempre é fácil discutir questões relacionadas à doença. E encontrar ambientes descontraídos e informais fora do espaço hospitalar para compartilhar histórias ajuda.

Para alguns pacientes, cuidar da aparência física pode ser uma maneira de recuperar o controle e preservar um grau de normalidade. O acesso a serviços de apoio podem melhorar a autoestima dos pacientes e construir a confiança para enfrentar o câncer.

O câncer pode também ter impacto sobre a saúde sexual de homens e mulheres. Isso inclui fatores adversos de algumas terapias, como falha prematura dos ovários resultante de quimioterapia contra o câncer de mama, ou dano no nervo que garante a ereção, que pode ocorrer durante a cirurgia ou radioterapia contra o câncer de próstata.

Além disso, efeitos colaterais do tratamento, como fadiga, dor e ganho de peso, podem contribuir para o estresse e respostas emocionais negativas, incluindo não se sentirem sexualmente atraentes. Buscar a ajuda de profissionais de saúde para se adaptarem às alterações na função sexual e melhorar a intimidade pode reduzir o estresse e aumentar a qualidade de vida dos pacientes e seus parceiros.

Pacientes com câncer e seus familiares devem ser encorajados a exercer o poder de decisão acerca das escolhas que influenciam sua saúde e bem-estar e a preservar sua dignidade em todos os estágios da doença.

Profissionais de saúde devem se comunicar de forma compreensível ao falar com os pacientes. Dessa forma, o paciente torna-se ativo na tomada de decisões ao longo da linha de cuidado do câncer. Por exemplo, a preservação da fertilidade é uma grande preocupação para mulheres jovens com câncer. Profissionais de saúde devem assegurar que estas mulheres estejam informadas de que preservar a fertilidade é possível em boa parte dos casos. E as diferentes abordagens devem ser discutidas antes do início do tratamento.

Para pacientes com câncer avançado, decisões sobre cuidados paliativos são primordiais. Por exemplo, permitir que o doente possa morrer com dignidade no local de sua escolha.

Pessoas vivendo com câncer devem também ser estimuladas a fazer escolhas individuais que vão melhorar sua qualidade de vida, como se alimentar bem todos os dias, repousar o suficiente, tentar manter um padrão de sono regular e vida social, e aceitar ofertas de ajuda.

Informações parciais. Confira o texto na íntegra, acessando o site:  http://www.inca.gov.br/

Visite nosso site: http://www.vivamelhoronline.com.br

Prevenir e combater o câncer está ao alcance de todos

O Dia Mundial Contra o Câncer, celebrado pela União Internacional de Controle do Câncer (UICC) em 4 de fevereiro, será lembrado ao longo de uma semana na rede social da Fundação do Câncer. Desde o dia 28 de janeiro, a Fundação divulga o tema da campanha em 2015 – “Está ao nosso alcance” – para levar a seus mais de 165 mil seguidores no Facebook uma abordagem positiva e proativa da luta contra a doença.

Sem-legenda-e-sem-crédito

“A proposta da campanha este ano é ressaltar que existem soluções para o controle do câncer, e que elas estão ao nosso alcance. Estamos compartilhando informações nos quatro eixos de abordagem sugeridos pela UICC, que visam à conscientização para a escolha de uma vida saudável, à detecção precoce e ao tratamento efetivos para todos, e à melhoria da qualidade de vida”, explica Claudia Gomes, gerente de Marketing e Captação da Fundação do Câncer.

Fundada em 1933 e com sede em Genebra, na Suíça, a UICC é a maior organização de luta contra o câncer, com mais de 760 organizações participantes em 155 países. A Fundação do Câncer é membro da UICC desde 2008. O objetivo dessa rede de cooperação internacional é promover ações que resultem na queda da incidência do câncer no mundo.

A Fundação do Câncer desenvolve no Brasil campanha mundial com alertas que podem ajudar a combater um terço dos casos da doença. O movimento, que vai ocorrer nas redes sociais, tem como tema Está ao Nosso Alcance. Ele precede o Dia Mundial de Combate ao Câncer, lembrado em 4 de fevereiro. De acordo com o Instituto Nacional de Câncer, 576 mil brasileiros descobriram estar com a doença em 2015.

Segundo Celso Rotstein, oncologista consultor da Fundação do Câncer, a doença é um fenômeno complexo causado pela junção de diversos fatores, inclusive genéticos, mas as pessoas podem fazer muito para evitá-la. Entre esses fatores estão o tabagismo, a obesidade e o sedentarismo, que podem ser contornados.

Criada pela União Internacional de Controle do Câncer, a campanha vai ressaltar que pelo menos um terço dos casos mais comuns da doença pode ser prevenido por meio da redução do consumo de álcool, da adoção de dietas mais saudáveis e do aumento da atividade física. O índice de cânceres que podem ser prevenidos ao parar de fumar chega a 50%.

Rotstein conta que estudos já relacionam o consumo de gordura, por exemplo, em carnes e frituras aos cânceres de próstata, do reto e do intestino. Também existe a relação entre o câncer de mama e a obesidade.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) alerta que, no mundo, 22 milhões de pessoas deverão descobrir que têm câncer em 2022 – quase o dobro dos 14,1 milhões diagnosticados em 2012. As mortes, que chegam a 8,2 milhões por ano, devem subir para 13 milhões. A OMS prevê ainda que as nações em desenvolvimento, incluindo o Brasil, serão as mais afetadas.

Informações parciais. Confira o texto na íntegra, acessando o site: http://www.cancer.org.br/

Visite nosso site: http://www.vivamelhoronline.com.br


Enter your email address to follow this blog and receive notifications of new posts by email.

Junte-se a 2.290 outros seguidores

Calendário

dezembro 2017
S T Q Q S S D
« out    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

Arquivos

Estatísticas do Blog

  • 838,115 hits

Top 5


%d blogueiros gostam disto: