Arquivo para 26 de setembro de 2012

Curiosidades do Coração

Os nervos cardíacos, que comandam os batimentos pelos impulsos elétricos fornecidos pelo nodo sinoatrial, formam um corpo neural próprio com cerca de 40 mil neurônios. Eles funcionam para dar o ritmo certo da batida e podem ser influenciados pelos neurônios do cérebro: se uma pessoa está estressada, o batimento cardíaco aumenta. O inverso também é verdadeiro em muitos casos.

Em uma pessoa saudável, o coração bate em média 70 a 80 vezes por minuto. Mas, esse número pode ser elevado para até 150 em situações de pânico ou susto. O coração bombeia em média 74 mil litros de sangue por dia – o suficiente para, ao longo de uma vida inteira, encher 100 piscinas. A pressão exercida pelo órgão também é tão forte que o sangue poderia ser jorrado a 10 metros de altura.

Nem todos os animais possuem corações divididos em câmaras, como o homem, configurando o que chamamos de circulação dupla e completa. Nos peixes, o sangue passa apenas uma vez pelo coração, e sangue oxigenado e desoxigenado se misturam.

Anfíbios têm três câmaras: dois átrios e um ventrículo. Dois átrios e um ventrículo parcialmente separados formam o coração dos répteis – exceto os crocodilianos, que têm uma membrana vertical que divide o órgão em quatro partes–, havendo mistura de sangue venoso e arterial. Mamíferos e aves apresentam dois átrios e dois ventrículos, mas é a direção da aorta que muda.

Os casos mais interessantes ficam por conta dos invertebrados. As minhocas apresentam entre dois a 15 pares de vasos no esôfago que exercem a função do nosso coração, enviando o sangue para um vaso central que distribui o oxigênio e os nutrientes para a parte dianteira e traseira. Os três corações do polvo permitem que a pressão sanguínea permaneça constantemente alta, favorecendo a circulação de um sangue muito pobre em oxigênio.

Informações parciais. Confira o texto na íntegra, acessando o site: http://saude.ig.com.br/

Anúncios

Cuidado com o seu Coração

Os problemas cardíacos são separados em quatro grupos: defeitos congênitos, doença coronariana, insuficiência cardíaca e miocardiopatia. Eles ocorrem quando o coração ou os vasos sangüíneos têm sua formação comprometida antes do nascimento, podendo obstruir o fluxo do sangue e causar insuficiência cardíaca. Males como varíola, rubéola e toxoplasmose, contraídos pela mãe durante a gestação, e fatores hereditários constituem seus maiores vilões. Corrige-se boa parte deles com operação, porém alguns somem sozinhos.

Doença coronariana
Nesse caso, os vasos sangüíneos que levam o oxigênio para o coração diminuem até se fecharem por completo. O problema é ocasionado pela aterosclerose (placa de gordura na parede do vaso) ou pelo acúmulo de plaquetas sobre uma dessas placas. Em situações graves, a doença coronariana pode levar à angina (dor no peito) e ao enfarte. É mais comum em homens e encontra no fumo, na obesidade, na diabetes, na hipertensão, nos níveis elevados de colesterol, no sedentarismo e na genética seus elementos desencadeantes. Há várias opções de tratamentos, que vão desde a ingestão de ácido acetilsalicílico até o transplante, passando ainda por cirurgia (angioplastia) e colocação de ponte de safena.

Você sabe cuidar do seu Coração?

Insuficiência cardíaca
Trata-se da incapacidade do coração de bombear o sangue em quantidade suficiente para “alimentar” o organismo, reduzindo seu fluxo em órgãos como cérebro e rins, nos tecidos e nele próprio. Como resultado, há retenção de água e sal e o volume sangüíneo sobe, provocando inchaços (edemas). Se a insuficiência atingir o ventrículo esquerdo do coração, o líqüido se acumula nos pulmões e dificulta a respiração. Caso afete o direito, o acúmulo ocorre nos membros inferiores, tornozelos e fígado.

Hipertensão arterial, angina, enfarte, doença cardíaca valvular e doença do músculo cardíaco (miocardiopatia) agem como estopins do distúrbio. Os especialistas costumam prescrever dietas pobres em sal e restrição de líqüidos, diuréticos e vasodilatadores, mas na maioria das vezes não há tratamento.

Cartilha do Incor/HC: Como cuidar do seu Coração

Miocardiopata

Aqui, o músculo está danificado ou defeituoso. Divide-se em três tipos: dilatada, hipertrófrica e restritiva.

Dilatada: pode ter origem genética, adquirida (alto consumo de álcool), em infecções ou uso de certos medicamentos. A parede do ventrículo esquerdo se dilata e o bombeamento do sangue cai, deixando os tecidos quase sem oxigênio. Assim, há chances de formação de coágulos dentro do coração, facilitando a incidência de embolia pulmonar ou cardíaca, enfarte e obstrução vascular (trombose). Para tratá-la, os médicos apostam em remédios e na mudança do cardápio.

Hipertrófica: com as paredes do coração mais rígidas e espessas, o fluxo sangüíneo do ventrículo esquerdo é prejudicado, e faz-se necessária uma pressão alta para enchê-lo entre as contrações. Pode ter origem hereditária ou adquirida (hipertensão e estreitamento da aorta) e o tratamento baseia-se em drogas para manter a freqüência cardíaca e relaxar a musculatura local.

Restritiva: o músculo do coração endurece, ele perde a capacidade de se expandir e a pressão diastólica aumenta. Vem de enfermidades como amiloidose (acúmulo de proteína ao redor dos vasos sangüíneos), sarcoidose (inflamações no corpo) e doença de Gaucher (defeito no metabolismo de lipídios capaz de levar ao aumento de alguns órgãos). As terapias existentes combatem a raiz do problema, mas dificilmente o dano causado é revertido.

Informações parciais. Confira o texto na íntegra, acessando o site: http://gambare.uol.com.br


Enter your email address to follow this blog and receive notifications of new posts by email.

Junte-se a 2.291 outros seguidores

Calendário

setembro 2012
S T Q Q S S D
« ago   out »
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930

Arquivos

Estatísticas do Blog

  • 969.211 hits

Top 5

Anúncios

%d blogueiros gostam disto: