Posts Tagged 'Longevidade'

Expectativa de vida aumenta em todo o mundo

As pessoas estão vivendo mais em todo o mundo quando comparado há duas décadas. Isso se deve, em parte, à queda do número de mortes provocadas por doenças cardiovasculares em países de alta renda e à redução da mortalidade infantil em países de baixa renda.

expectativa-de-vida

Estudo publicado nesta quinta-feira (18) pelo periódico The Lancet, feito em 188 países – inclusive no Brasil – mostra que a expectativa de vida global para ambos os sexos passou de 65,3 anos em 1990 para 71,5 anos em 2013. As mulheres alcançaram resultados ligeiramente melhores que os homens – a expectativa de vida entre elas aumentou 6,6 anos e, entre eles, 5,8 anos.  A previsão do documento é que, se as tendências registradas nos últimos 23 anos se mantiverem, até 2030 a expectativa de vida das mulheres será 85,3 anos e a dos homens, 78,1 anos.

O estudo revela ainda que as principais causas de morte variam de país para país mas, em nível global, transtornos relacionados ao uso de drogas e doenças crônicas dos rins respondem por parte considerável do aumento de óbitos prematuros registrado desde 1990. As mortes provocadas por alguns tipos de câncer, como pâncreas e rins, também aumentaram.

Ao mesmo tempo, segundo o relatório, foram identificados grandes avanços na redução da mortalidade decorrente de doenças como sarampo e diarreia, com quedas de 83% e 51%, respectivamente, entre 1990 e 2013. Ainda de acordo com o levantamento, três condições respondem por quase 32% do total de mortes registradas no ano passado em todo o mundo: doença isquêmica do coração, derrame e doença pulmonar obstrutiva crônica.

A pesquisa identificou também que, mesmo diante de melhorias na longevidade de países de baixa renda, os desafios na saúde enfrentados por nações como a Bolívia, o Nepal e a Nigéria são bem diferentes dos registrados no Japão, na Espanha e nos Estados Unidos.

 

Os desafios de diversos países de renda média, como a China e o Brasil, se aproximam mais dos de países ricos. A idade média com que as pessoas morrem aumentou de 46,7 em 1990 para 59,3 em 2013. O estudo indica que, devido ao crescimento da população global, entre outros fatores, o número de mortes em ambos os sexos e em todas as faixas etárias combinadas aumentou de 47,5 milhões para 54,9 milhões no mesmo período.

O número de pessoas que morreram em razão de condições como doença do coração aumentou conforme a população foi crescendo, mas caiu entre faixas etárias específicas propensas a essas condições, um sinal, segundo o relatório, de progresso. Os índices de morte por câncer, incluindo câncer de mama, cervical e de cólon, caíram, enquanto o câncer de pâncreas, o de rim e o linfoma de não-Hodgkin registraram aumento de óbitos.

O documento destaca como “tendência encorajadora” o fato de as pessoas viverem mais atualmente, mas ressalta que é preciso garantir políticas públicas capazes de preparar para os desafios da saúde e os custos associados que estão por vir.

Confira as principais causas de morte em todo o mundo (acompanhadas do número de óbitos):

2013
1. Doença isquêmica do coração (8.139.900)
2. Derrame (6.446.900)
3. Doença pulmonar obstrutiva crônica (2.931.200)
4. Pneumonia (2.652.600)
5. Mal de Alzheimer (1.655.100)
6. Câncer de pulmão (1.639.600)
7. Ferimentos em acidentes de trânsito (1.395.800)
8. HIV/aids (1.341.000)
9. Diabetes (1.299.400)
10. Tuberculose (1.290.300)

1990
1. Doença isquêmica do coração (5.737.500)
2. Derrame (4.584.800)
3. Pneumonia (3.420.700)
4. Doenças diarreicas (2.578.700)
5. Doença pulmonar obstrutiva crônica (2.421.300)
6. Tuberculose (1.786.100)
7. Complicações neonatais decorrentes de parto prematuro (1.570.500)
8. Ferimentos em acidentes de trânsito (1.058.400)
9. Câncer de pulmão (1.050.000)
10. Malária (888.100)

Informações parciais. Confira o texto na íntegra, acessando o site: http://www.blog.saude.gov.br/

Visite nosso site: http://www.vivamelhoronline.com.br

Dia Nacional do Idoso pede atenção e respeito

Instituído em 1991 pela Organização das Nações Unidas (ONU), o Dia Internacional do Idoso – comemorado em 1° de outubro – tem como objetivo sensibilizar a sociedade para as questões do envelhecimento e da necessidade de proteger e cuidar da população mais idosa. Atualmente, o idoso tem um papel importante em todas as sociedades. Eles são líderes, trabalhadores, aposentados, detentores de sabedoria, avós, cuidadores e voluntários.

??????????????????????????????????????????????????????????????????

Na nossa sociedade, o papel do idoso vem ganhando cada vez mais espaço, pois a taxa de natalidade vem diminuindo nos últimos anos, e a expectativa de vida só tem aumentado( Hoje, está em torno de 72 anos). Nossa população está envelhecendo e é necessário dar mais atenção às pessoas desta faixa etária. Segundo dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), o número de idosos que era de pouco mais de 14 mil em 2000, já alcançou quase 23 mil em 2014 e deve dobrar até 2030. De acordo com a estimativa do Instituto, em 2060, a população com idade acima de 60 anos deve ultrapassar a casa dos 70 mil – número que representará aproximadamente 33,7% da população do País.

Atualmente, a população idosa no Brasil representa pouco mais de 11% da nossa sociedade. Destes, quase 13 mil são mulheres e pouco mais de 10 mil são homens. Em contrapartida, enquanto o número aumenta ano a ano, existem apenas 1000 geriatras no Brasil, uma média de apenas um geriatra para cada 20 mil idosos, conforme dados do Conselho Federal de Medicina (CFM).

Para Renata Freitas Nogueira Salles, presidente da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia da seccional de São Paulo, o fato de viver mais foi uma conquista, mas acredita que é necessário dar qualidade de vida ao idoso que alcança idade avançada. “Existe uma carência enorme de profissionais especializados para atender as demandas dos idosos”, relata.

Renata explica que a atenção ao idoso não pode ser fragmentada. “É necessário fazer um atendimento por completo, abordando aspectos sociais, de família, condições financeiras, além de tratar o problema de saúde”, explica. Para ela, todos os aspectos, desde a promoção da saúde (campanhas de conscientização), prevenção (alimentação, atividade física, vacinação), e o diagnóstico eficiente e precoce são essenciais para atender bem o público desta faixa etária. Para a doutora, ainda falta muito para o Páis respeitar e conseguir fazer o que está colocado na lei de atendimento ao idoso.

Delma Pucci, aposentada de 76 anos, diz ter muita sorte com pessoas que não conhece que a ajudam em suas atividades na rua. “No meu bairro sempre tive a sorte das pessoas pararem para me ajudar a atravessar uma rua, a passar por algum buraco etc”, conta.

Um dos problemas citados pela idosa de São Bernardo foi o comportamento dos ônibus. “Às vezes os motoristas não param para o idoso. É complicado ficar no ponto muito tempo”, reclama Delma. Para ela, o pior problema para os idosos são as calçadas. “São todas péssimas, estão totalmente destruídas. Já cai várias vezes porque não enxerguei buraco”, relata. A solução para este problema, infelizmente, foi andar na rua. “Prefiro andar na rua do que cair, mas tenho medo, é perigoso”, opina.

Quanto à saúde, a queixa da aposentada está relacionada ao tempo de espera. “Sei que tem muita gente para atender, mas três meses para agendar um exame é muita coisa”, exclama.

Marlene Giaconi, 78, também adotou métodos para fugir dos problemas de mobilidade do idoso. Para ela, a pessoa de idade necessita do apoio da família para conseguir fazer as coisas. “O idoso é muito dependente, não consegue fazer as coisas sozinho”, opina.

Marlene também reclama da qualidade das calçadas. “Tenho problema de visão e não tenho coragem de andar na calçada, prefiro me arriscar na rua do que cair e me ralar inteira”, afirma.

Para ela, um fator positivo é a atenção ao idoso nos postos de saúde. “Sou muito bem atendida e, como tenho cadastro lá, um agente de saúde vem à minha casa de três em três meses para fazer acompanhamento. Isso funciona bem”, aponta.

Marlene frequenta a faculdade da terceira idade, oferecida no espaço da Faculdade de Direito de São Bernardo. Conta que os alunos escolhem as matérias a serem lecionadas no semestre. “Isso é muito bom para os idosos. Distrai e nos tira de casa um pouco”, diz. As aulas acontecem duas vezes por semana, no período da tarde.

Informações parciais. Confira o texto na íntegra, acessando o site: http://www.reporterdiario.com.br/

Visite nosso site: http://www.vivamelhoronline.com.br

Amigos fazem probabilidade de sobrevivência aumentar em 50%, diz estudo

Uma pesquisa da Universidade Brigham Young, nos Estados Unidos, sugere que ter uma boa rede de amigos e vizinhos pode aumentar as chances de sobrevivência de uma pessoa em 50%.

maturidade

A pesquisa, publicada na revista especializada PLoS Medicine, chegou a esta conclusão ao analisar dados de cerca de 150 estudos que analisavam as chances de sobrevivência em relação a redes sociais.

Para os pesquisadores americanos, ter poucos amigos pode ser tão prejudicial à sobrevivência de uma pessoa como fumar 15 cigarros por dia ou ser alcoólatra.

Os cientistas acreditam que tomar conta de outras pessoas nos leva a cuidar melhor de nós mesmos.

Para Julianne Holt-Lunstad, que liderou o estudo, há muitas formas pelas quais amigos, colegas e família podem aumentar a saúde e bem-estar de uma pessoa.

“Quando alguém está conectado a um grupo e se sente responsável por outras pessoas, aquele senso de propósito e significado se traduz com a pessoa tomando conta dela mesma e assumindo menos riscos”, afirmou.

Para os pesquisadores, perder o apoio social pode diminuir ainda mais as chances de sobrevivência do que obesidade ou sedentarismo.

Sete anos

Os cientistas analisaram 300 mil pessoas em quatro continentes em um período de sete anos. Segundo esta análise, aqueles com redes sociais mais fortes se saíram melhor em resultados de saúde e expectativa de vida.

A probabilidade de estas pessoas estarem vivas em qualquer idade era quase duas vezes maior do que daqueles considerados solitários.

O estudo incluiu pessoas de todas as idades, sem levar em conta o estado de saúde inicial dos pesquisados.

“O efeito não é isolado em adultos mais velhos. Relacionamentos fornecem um nível de proteção a todas as idades”, afirmou Timothy Smith, outro pesquisador que participou do estudo.

Smith, no entanto, alerta que os aparatos modernos e a tecnologia podem levar algumas pessoas a pensar que redes sociais face a face não são mais necessárias.

“Como humanos, nós encaramos relacionamentos como algo garantido, somos como peixes que não notam a água. A interação constante não é apenas um benefício psicológico, mas influencia diretamente nossa saúde física”, acrescentou.

Informações parciais. Confira o texto na íntegra, acessando o site: http://www.bbc.co.uk

 

Visite nosso site: http://www.vivamelhoronline.com.br

Pratique Essa Ideia A Qualquer Momento

Campanha-ATIVIDADE-FISICA-2013

Cuidado com o seu Coração

Os problemas cardíacos são separados em quatro grupos: defeitos congênitos, doença coronariana, insuficiência cardíaca e miocardiopatia. Eles ocorrem quando o coração ou os vasos sangüíneos têm sua formação comprometida antes do nascimento, podendo obstruir o fluxo do sangue e causar insuficiência cardíaca. Males como varíola, rubéola e toxoplasmose, contraídos pela mãe durante a gestação, e fatores hereditários constituem seus maiores vilões. Corrige-se boa parte deles com operação, porém alguns somem sozinhos.

Doença coronariana
Nesse caso, os vasos sangüíneos que levam o oxigênio para o coração diminuem até se fecharem por completo. O problema é ocasionado pela aterosclerose (placa de gordura na parede do vaso) ou pelo acúmulo de plaquetas sobre uma dessas placas. Em situações graves, a doença coronariana pode levar à angina (dor no peito) e ao enfarte. É mais comum em homens e encontra no fumo, na obesidade, na diabetes, na hipertensão, nos níveis elevados de colesterol, no sedentarismo e na genética seus elementos desencadeantes. Há várias opções de tratamentos, que vão desde a ingestão de ácido acetilsalicílico até o transplante, passando ainda por cirurgia (angioplastia) e colocação de ponte de safena.

Você sabe cuidar do seu Coração?

Insuficiência cardíaca
Trata-se da incapacidade do coração de bombear o sangue em quantidade suficiente para “alimentar” o organismo, reduzindo seu fluxo em órgãos como cérebro e rins, nos tecidos e nele próprio. Como resultado, há retenção de água e sal e o volume sangüíneo sobe, provocando inchaços (edemas). Se a insuficiência atingir o ventrículo esquerdo do coração, o líqüido se acumula nos pulmões e dificulta a respiração. Caso afete o direito, o acúmulo ocorre nos membros inferiores, tornozelos e fígado.

Hipertensão arterial, angina, enfarte, doença cardíaca valvular e doença do músculo cardíaco (miocardiopatia) agem como estopins do distúrbio. Os especialistas costumam prescrever dietas pobres em sal e restrição de líqüidos, diuréticos e vasodilatadores, mas na maioria das vezes não há tratamento.

Cartilha do Incor/HC: Como cuidar do seu Coração

Miocardiopata

Aqui, o músculo está danificado ou defeituoso. Divide-se em três tipos: dilatada, hipertrófrica e restritiva.

Dilatada: pode ter origem genética, adquirida (alto consumo de álcool), em infecções ou uso de certos medicamentos. A parede do ventrículo esquerdo se dilata e o bombeamento do sangue cai, deixando os tecidos quase sem oxigênio. Assim, há chances de formação de coágulos dentro do coração, facilitando a incidência de embolia pulmonar ou cardíaca, enfarte e obstrução vascular (trombose). Para tratá-la, os médicos apostam em remédios e na mudança do cardápio.

Hipertrófica: com as paredes do coração mais rígidas e espessas, o fluxo sangüíneo do ventrículo esquerdo é prejudicado, e faz-se necessária uma pressão alta para enchê-lo entre as contrações. Pode ter origem hereditária ou adquirida (hipertensão e estreitamento da aorta) e o tratamento baseia-se em drogas para manter a freqüência cardíaca e relaxar a musculatura local.

Restritiva: o músculo do coração endurece, ele perde a capacidade de se expandir e a pressão diastólica aumenta. Vem de enfermidades como amiloidose (acúmulo de proteína ao redor dos vasos sangüíneos), sarcoidose (inflamações no corpo) e doença de Gaucher (defeito no metabolismo de lipídios capaz de levar ao aumento de alguns órgãos). As terapias existentes combatem a raiz do problema, mas dificilmente o dano causado é revertido.

Informações parciais. Confira o texto na íntegra, acessando o site: http://gambare.uol.com.br

Atividade Física, ainda que Tardia, Ajuda a Proteger o Coração

O trabalho, publicado na revista científica Circulation, constatou que pessoas que faziam as duas horas e meia de exercícios recomendadas apresentavam índices menores de marcadores inflamatórios em seu sangue.

Os marcadores inflamatórios são importantes porque, segundo os especialistas, sua presença em grandes quantidades foi associada a um aumento nos riscos de problemas cardiológicos.

A pesquisa contou com a participação de mais de 4 mil pessoas e foi conduzida por cientistas da University College London, em Londres.

A descoberta não é inédita, uma vez que outros estudos já comprovaram os imensos benefícios para a saúde dos exercícios físicos, porém pesquisadores puderam verificar a redução dos problemas cardíacos mesmo para aquelas pessoas que começam a praticá-los na meia-idade.

A boa notícia é de que não é preciso fazer exercícios pesados na academia – caminhadas vigorosas e até jardinagem já contam para preencher a cota de duas horas e meia de atividade moderada por semana, acrescentaram os especialistas.

A equipe explicou, no entanto, que o estudo se focou em indicadores de problemas cardíacos de maneira geral e não sobre doenças do coração específicas, e que são necessárias mais pesquisas sobre o assunto.

Além disso, o estudo se baseou em relatos dos próprios participantes sobre a quantidade de exercícios que fizeram. É sabido que as pessoas tendem a superestimar a quantidade de exercícios que fazem.

Mexa-se!

Os participantes que disseram ter praticado a quantidade recomendada de exercícios durante os dez anos de duração do estudo apresentaram os índices mais baixos de marcadores inflamatórios.

Até aqueles que disseram ter começado a fazer os exercícios bem depois dos 40 apresentaram melhorias. Eles tinham menores índices de marcadores inflamatórios do que os participantes que relataram nunca ter feito exercícios suficientes.

Os resultados se mantiveram mesmo quando os pesquisadores levaram em consideração outros fatores, como obesidade e o hábito de fumar.

“Deveríamos estar encorajando mais pessoas a ficar ativas”, disse Mark Hamer, chefe do estudo. “Por exemplo, a andar em vez de pegar o ônibus. Você pode beneficiar sua saúde com atividades moderadas em qualquer momento da sua vida”.

Quantidade Recomendada de Exercícios

Menores de 5 anos (assim que aprendem a andar sozinhos): 3 horas diárias

Dos 5 aos 18 anos: Pelos menos 1 hora de exercícios por dia (envolvendo exercícios moderados e atividade física intensa) e exercícios para fortalecer os músculos 3 vezes por semana

Adultos (incluindo pessoas acima dos 65): 2 horas e meia de atividade física (envolvendo exercícios moderados e atividade física intensa) e exercícios para fortalecer os músculos 2 vezes por semana

Fonte: Autoridades de Saúde Britânicas

Informações parciais. Confira o texto na íntegra, acessando o site: http://www.bbc.co.uk/portuguese

Campanha: Segredos da Longevidade


Twitter @vivamelhor

Enter your email address to follow this blog and receive notifications of new posts by email.

Junte-se a 2.199 outros seguidores

Calendário

fevereiro 2020
S T Q Q S S D
« out    
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
242526272829  

Arquivos

Estatísticas do Blog

  • 981.815 hits

%d blogueiros gostam disto: