Posts Tagged 'Comportamento'

Saúde Financeira x Qualidade de Vida

A Saúde Financeira é uma pilar fundamental da Qualidade de Vida. Já falamos sobre este tema algumas vezes. Muitos relacionam problemas financeiros aos baixos salários e, para piorar, a crise continua nos assombrando.

Mas a vida continua e queremos que seja boa, certo? Nesse caso, é um alívio saber que a Saúde Financeira depende mais de fatores comportamentais do que do quanto se ganha. Para driblar a crise, precisamos ser rápidos nos ajustes de contas para que ela não comprometa nossas finanças. Este é o momento de cortar os supérfluos, reavaliar suas reais necessidades e repensar seus padrões de consumo. Mas isto não quer dizer que vamos deixar de ser felizes.

pixabay-adult-pensando-18792_1920

A DSOP, organização dedicada à educação financeira, acredita que a saúde financeira é conquistada através da mudança de hábitos e realização de sonhos. 

Veja as dicas práticas citadas pela DSOP, para que nosso 2017 seja um ano de realizações:

1º – Resgate seus sonhos. Não se restrinja somente em bens materiais.

2º – Organize seus sonhos em 3 grupos:
  1. Curto Prazo: a ser realizado em 1 ano
  2. Médio Prazo: a ser realizado dentro de 10 anos
  3. Longo Prazo: a ser realizado após 10 anos
*Pense em sua Independência Financeira
**Considere ter uma poupança para:
  • estudos dos filhos 
  • reforma na casa
  • investimento na sua carreira
  • imprevistos
3º – Faça orçamento dos custos e estipule um prazo. Com essas informações, será possível saber o quanto precisará poupar por mês.
Custo ÷ Número de meses para realizar = Valor a ser poupado por mês
Priorizar a conquista de seus sonhos é a mudança comportamental que fará a diferença em sua vida.
Para conseguir poupar, deve ser feito um diagnóstico financeiro de sua situação atual.
Como?
  • Anote todas as despesas que tiver, durante 30 dias, separando por categorias (alimentação, transporte, vestuário, educação, etc)
  • Após os 30 dias, veja de que forma pode reduzir ou eliminar gastos.
Reavalie:
  • Pacote de TV a cabo
  • Pacote de Internet
  • Pacote de Celular
  • Custos fixos em geral
Avalie seu comportamento frente aos gastos esporádicos. Pergunte-se antes de realizar uma compra:
  • Preciso mesmo daquilo?
  • Tenho condições de pagar à vista?
  • Precisarei me endividar e comprometer o orçamento dos próximos meses?
E lembre-se, a Saúde Financeira depende mais da sua relação com o dinheiro do que com o valor do seu salário.
Informações parciais da fonte: http://www.dsop.com.br/blog/renove-seu-comportamento-financeiro-em-2017

DEPRESSÃO: Não Julgue

Campanha-Depressão-Não-2014

Vida Boa na Terceira Idade

Mensagem-TERCEIRA-IDADE-2013-Out

CPH Ajuda a Entender o Comportamento do Internauta

Campanha-CPH-2013

Dificuldades Alimentares na infância podem levar a Problemas Psicológicos

Mais da metade das mães brasileiras acredita que o filho não come bem. Em um levantamento feito com 947 mães brasileiras de crianças entre 3 e 10 anos, descobriu-se que 51% delas diziam ter filhos com dificuldades alimentares. Essa dificuldade da criança para se alimentar pode estar relacionada a alguma condição médica ou a problemas comportamentais. Em ambos os casos, há riscos de déficit nutricional que, em casos severos, podem prejudicar o desenvolvimento na infância. Quando o problema é comportamental, no entanto, os riscos podem ser ainda mais amplos. Pesquisas internacionais demonstram que crianças que são forçadas a comer, que são extremamente seletivas ou que desenvolvem um sentimento de medo em relação à alimentação, têm mais chances de apresentar problemas psicológicos, como depressão e delinquência, quando chegam à adolescência.

alimentacao-crianca-saude-boa-nutricao-Not1

A situação é agravada por um problema estrutural na medicina: nenhum pediatra sai da faculdade com o treinamento necessário para reconhecer essas dificuldades, muito menos para orientar os pais. Das mães ouvidas no levantamento brasileiro, 70% procuraram um pediatra para resolver o problema, mas apenas 11% disseram ter obtido uma orientação satisfatória. “O pediatra não recebeu, dentro da faculdade e da residência, um treinamento adequado para diagnosticar e tratar esse tipo de problema”, diz Mauro Fisberg,  pediatra da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e um dos responsáveis pelo levantamento. Os números brasileiros não são uma exclusividade. Segundo os especialistas, os resultados encontrados aqui refletem uma tendência mundial.

Por isso é importante saber o que fazer com filhos que relutam em comer. As dificuldades alimentares da infância costumam ter início na fase em que a criança tem contato com alimentos pastosos — por volta dos seis meses, quando as papinhas são introduzidas na dieta. Entre dois e três anos, a criança enfrenta também uma oscilação natural de apetite. A reação dos pais a esse comportamento de rejeição ao alimento pode ser fundamental na maneira como ela passará a enxergar o ato de se alimentar. “Não adianta colocar uma pressão enorme nas costas da mãe dizendo que a criança precisa comer mais. Isso pode ter resultados piores do que uma deficiência nutricional”, diz Benny Kerzner, gastroenterologista pediátrico do Children’s National Medical Center, em Washington, nos Estados Unidos. Responsável pela implementação da Divisão de Gastroenterologia e Nutrição do Centro, Kerzner viaja pelo mundo dando treinamento em nutrição infantil, e falou ao site de VEJA durante sua passagem pelo Brasil.

De acordo com Kerzner, nos casos mais conhecidos (e dominados) pela medicina, o problema alimentar da criança pode ter raízes orgânicas, como a disfagia (problemas de deglutição) ou mesmo uma deficiência cardíaca. Quando causas fisiológicas são descartadas, é preciso investigar a sério as questões comportamentais. “Quando a mãe diz que há um problema, o pediatra tem que encarar que há, de fato, um problema”, diz Kerzner.

Dificuldades cognitivas — Crianças com dificuldades alimentares são divididas, normalmente, em quatro grupos: apetite reduzido, alta seletividade, interferência na alimentação pelo choro e sensação de medo durante a alimentação. “Em alguns casos, no entanto, a dificuldade alimentar nada mais é do que uma percepção errônea dos pais”, diz Mauro Fisberg. Como o caso, por exemplo, de crianças de compleição pequena que comem pouco: com frequência elas comem pouco justamente por serem pequenas, não o contrário.

Há também o outro lado. Na classificação desenvolvida por Kerzner, e seguida por muitos pediatras atentos ao problema, há quatro perfis de pais. O primeiro, chamado responsável, é aquele que consegue entender corretamente a mensagem da criança e responder de acordo. Na sequência, vêm o indulgente, o negligente e o coercivo. Cada um desses três últimos perfis pode levar a diferentes problemas de nutrição. “Quando se é coercivo, por exemplo, reforça-se o medo, e a criança pode parar de comer de uma vez”, diz. Para o médico, para que os pais consigam ser bem orientados, é preciso que os pediatras tenham formação adequada para conseguir identificar as dificuldades da criança, o perfil dos pais e, assim, decidir a melhor abordagem terapêutica.

As dificuldades alimentares da criança podem estar associadas a problemas no desenvolvimento infantil, como alterações no crescimento, dificuldades cognitivas e alterações imunológicas. Além dos problemas orgânicos, há ainda o risco de que a criança se torne um adulto com maior propensão a desenvolver problemas psicológicos, como a depressão. Em um estudo publicado no Pediatrics, periódico da Academia Americana de Pediatria, a psiquiatra infantil Irene Chatoor descobriu que crianças com uma condição chamada de anorexia infantil — termo usado para crianças extremamente elétricas, magras, que “não têm tempo para comer” — tinham taxas menores de desenvolvimento mental.

Os resultados do estudo demonstraram que crianças do grupo controle, consideradas saudáveis quanto à alimentação, tinham o maior Índice de Desenvolvimento Mental: 110. Já aquelas com anorexia infantil tinham índice 99, e as altamente seletivas tinham 96. Em outra pesquisa, as crianças altamente seletivas foram também mais propensas a desenvolver depressão e até casos de delinquência na juventude — quando comparadas ao grupo controle. “Esse comportamento não está associado ao que é ingerido ou não pela criança, mas à maneira como a alimentação foi feita, se ela foi coerciva ou não”, diz Kerzner.

Não se sabe se crianças que são forçadas a comer podem vir a desenvolver algum tipo de distúrbio alimentar quando adultas. Segundo os especialistas, a percepção clínica que se tem é que sim, mas não há ainda pesquisas científicas que comprovem isso — os dados prolongados sobre o assunto estão apenas começando a aparecer. “Estamos acompanhando crianças com anorexia infantil e demonstramos que a maioria evolui bem afinal, mas há um pequeno grupo no qual é muito difícil reverter o quadro”, diz Benny Kerzner. Com base nos dados ainda preliminares do levantamento, os especialistas acreditam que as crianças que conseguem ter uma vida alimentar saudável são aquelas cujos pais foram capazes de mudar a maneira como a alimentação acontece.

De acordo com o especialista, algumas evidências científicas apontam para diferenças em respostas neurológicas no comportamento das crianças que são alimentadas de maneira coerciva. “Elas são intrinsecamente mais alertas, o organismo delas está muito mais no modo fuga e alerta do que no modo de relaxamento”, diz Kerzner. Uma maneira simples de driblar as dificuldades alimentares é os pais darem o exemplo. Em outras palavras, o que os pais comem ou deixam de comer, e sua atitude à mesa, acabam tendo reflexo direto nas escolhas da criança. “Nessa idade, os filhos copiam os pais”, diz Fisberg.

Informações parciais. Confira o texto na íntegra, acessando o site: http://veja.abril.com.br

Dia da Saúde e Nutrição faz refletir sobre Comportamento Alimentar

No próximo domingo, dia 31 de março, é o Dia Nacional da Saúde e Nutrição. A data vale para lembrar que a alimentação, essencial a qualquer ser vivo, é muito mais do que o simples ato de comer. Os hábitos alimentares adequados contribuem para o combate a enfermidades não transmissíveis. Por isso, a Secretaria de Estado de Saúde e Defesa Civil (Sesdec), por meio das Diretrizes sobre Alimentação Saudável, da Coordenação de Vigilância de Doenças e Agravos Não Transmissíveis, faz recomendações sobre alimentação e estilo de vida saudável.

29032010193556

Como conseqüência da industrialização e da urbanização das cidades nos últimos anos, o perfil de saúde da população brasileira mudou. As condições de vida melhoraram e as pessoas estão vivendo mais. Mas ajustes na alimentação são necessários, para a manutenção da saúde de uma população que faz mais coisas ao mesmo tempo, envelhece mais e está sujeita a diversas situações de pressão e estresse no cotidiano.

Se, de um lado, a falta de nutrientes causa osteoporose, baixo rendimento físico e intelectual, de outro, aumenta a prevalência da obesidade entre adultos, principalmente os que pertencem a famílias de baixo poder aquisitivo. Em vez de um prato moderado, com o equilíbrio entre carboidratos, proteínas e vitaminas, esses adultos têm optado por lanches rápidos e gordurosos.

Uma das principais recomendações de profissionais de nutrição é de que devem ser consumida= s de três a cinco refeições diariamente, em uma dieta com pouco consumo de gordura saturada, doces e açúcares. Tudo isso alia= do à prática de atividades físicas. Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE), 80% das pes= soas vivem em regiões urbanas. Dessas, 70% têm hábitos de vida sedentários.

Para a nutricionista do grupo de obesidade do Instituto Estadual de Diabetes e Endocrinologia Luiz Capriglione (Iede), Wilma Amorim, as pessoas tendem a se prender muito em conceitos populares de alimentação e esquecem de alguns detalhes que podem ser muito significantes para a saúde.

Todos falam do açúcar e das gorduras, mas acabam esquecendo do sal. Se ingerido em alta quantidade diariamente, ele pode causar hipertensão. E o sal em grande quantidade está no petisco, no churrasco, no biscoitinho que se come= ao lado do computador, nos salgadinhos das festas, diz a nutricionista.

O ideal, então, é analisar o comportamento alimentar, para descobrir os erros e os acertos na dieta. Pular refeições importantes, como café da manhã, almoço e jantar, é um grande erro, assim como comer em tempo rápido ou sob condições estressantes, as duas atitudes podem acarretar problemas gastro-intestinais.

Algumas curiosidades também passam despercebidas pelo conhecimento popular. Um prato feito, por exemplo, conhecido como PF, pode = ser menos calórico do que um pacote de biscoito.

É importante saber que a mesma caloria consumida em intervalos bem divididos engorda menos do que consumida de uma só vez. O consumo em excesso de carboidratos e reduzido de fibras altera o metabolismo e pode causar doenças crônicas, diz Wilma.

Grupos de alimentos

São quatro os grupos alimentares básicos: leite, carne, vegetal e frutas. Uma dieta balanceada considera determinado número de porções de cada grupo. O guia alimentar desenvolvido, em 1992, pelo United State Departament of Agriculture (USDA), sob a forma de pirâmide, dá a direção de uma alimentação saudável.

A representação gráfica da pirâmide, dividida em quatro níveis que representam os nutrientes predominantes nos alimentos, segue os princípios de equilíbrio, variedade e moderação. No primeiro nível estão os carboidratos, que são fontes de energia necessária para o organismo, como arroz, pães e massas. No segundo nível estão os legumes, verduras e frutas, que fornecem vitaminas, sais minerais, fibras e água.

No terceiro nível, a pirâmide traz o leite e lacticínios, que são fonte de cálcio, além das carnes, ovos, feijão e soja, fontes de proteínas. No topo da pirâmide, o quarto nível, estão os óleos e as gorduras, margarina, manteiga, óleos vegetais e azeite, e os açúcares e doces.

Apesar de os carboidratos estarem na base da pirâmide e as gorduras estarem no topo, a ingestão excessiva tanto de um quanto de outro pode influenciar diretamente no desenvolvimento de obesidade.

Crianças também devem comer bem

Educação alimentar começa já na infância. Para evitar doenças como o diabetes e a obesidade, as crianças devem saber a importância de se comer bem, para escolherem seus alimentos de maneira adequada, sem perder o prazer na refeição.

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), a obesidade infantil cresceu de 10% a 40% nos últimos dez anos. No Brasil , os números triplicaram. Atualmente, cerca de 15% das crianças brasileiras têm excesso de peso e 5% são obesas. Wilma Amorim aconselha aos pais pensarem no que desperta o interesse dos filhos e unir o saboroso ao nutritivo.

– Os alimentos industrializados estão invadindo as prateleiras dos supermercados e a alimentação dos pequenos está muito pobre em vitaminas. Argumentos, muitas vezes, valem menos do que a aparência do prato, já que o alimento, além de nutritivo, deve ser atraente.

O ideal é evitar alimentos repetitivos. A criança pode ficar enjoada e a falta ou o excesso de nutrientes pode acarretar problemas futuros. Os pais devem sempre incentivar o hábito de alimentação saudável: sanduíches naturais, barrinhas de cereal, suco de frutas, bebidas e salgadinhos à base de soja são uma boa pedida.

Comer de forma saudável significa unir todos os grupos de alimentos nas quantidades corretas. No caso da garotada, investir na criatividade é fundamental.

– É importante distribuir os alimentos em quatro ou cinco refeições. O café da manhã é muito importante. Os açúcares não devem ultrapassar a quantidade de uma colher de sopa de açúcar, uma de achocolatado e um doce pequeno por dia – diz a nutricionista.

Informações parciais. Confira o texto na íntegra, acessando o site: http://www.saude.rj.gov.br

Formas de tratar o Alcoolismo

alcool02

O tratamento dos alcoólicos é complicado e controverso. Alguns especialistas acreditam que a maior parte dos casos é mais bem resolvida em casa, com remédios e terapia. Outros defendem a internação para bebedores de longa data e com problemas de abstinência. Mas todos concordam que o ideal é a conjunção de diversas formas de abordagem ao mesmo tempo.

Como o álcool influencia o seu comportamento? (Responda ao questionário e descubra)

Alguns métodos são os principais para a recuperação dos doentes:

Programas de auto-ajuda dos doze passos
Como o Alcoólicos Anôminos, são grupos de pessoas que lidam ou lidaram com o vício divindo suas experiências. Eles têm de atingir doze passos para se recuperar (como assumir o vício, procurar ajuda, etc). Normalmente os grupos são usados como parte do tratamento profissional. Os grupos costumam ser procurados antes da ajuda médica.

Terapia psicossocial
O alcoolismo normalmente está relacionado a outros problemas. “A maioria das pessoas ignora que a existência de um problema psíquico anterior ao vício”, diz Dartiu Xavier da Silveira, psiquiatra do Programa de Atendimento e Orientação a Dependentes (Proad) da Unifesp.

Depressão, ansiedade, fobia social (medo de se apresentar em público, timidez excessiva) são alguns dos trampolins para a bebida. Os tratamentos com psicólogos tentam resolver esse problema original, enquanto ajudam o paciente a racionalizar os males e abandonar o consumo da bebida. Normalmente, a terapia é indicada inclusive para os familiares.

Medicação 
O tratamento muitas vezes é combinado com remédios. Existem três tipos principais de medicamentos utilizados: os que diminuem a vontade de beber, que tiram o prazer da bebida e os que provocam reações aversivas ao álcool – a pessoas bebe e vomita, por exemplo.

Além disso, o número assustador de 75% dos casos têm recaídas ao longo da vida. Por isso, diz-se que alcoolismo não tem cura, e que o alcoólico está em tratamento e combate permanente com o vício.

Internação 
Defendida por alguns médicos, a internação costuma demorar por resistência da família. O paciente costuma ficar internado por um período médio de 3 a 4 meses. Participa de todos os outros tratamentos e é obrigado a ficar longe da bebida.

“Eu sou a favor da internação para troca de ambiente, dependendo do grau de comprometimento da pessoa com o álcool. Porque nesses casos, a pessoa terá crises de abstinência e tem mais problemas para lidar com a compulsão, que passa por cima da vontade”, diz Nestor Benedito Santos, psicólogo da Clínica Órion para dependentes químicos.

Informações parciais. Confira o texto na íntegra, acessando os sites: http://saude.terra.com.br e http://super.abril.com.br


Twitter @vivamelhor

Enter your email address to follow this blog and receive notifications of new posts by email.

Junte-se aos outros seguidores de 2.164

Calendário

setembro 2020
S T Q Q S S D
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930  

Arquivos

Estatísticas do Blog

  • 999.327 hits

%d blogueiros gostam disto: