Posts Tagged 'doenças cardiovasculares'

Coração X Tabagismo

Coração Margaridas daisy-712892_1280

As doenças cardiovasculares são a principal causa de morte no mundo. 17,5 milhões de pessoas morrem todos os anos de doenças cardiovasculares.

Todo ano falamos sobre o tema, principalmente, durante este mês que comemoramos o Dia Mundial do Coração.

Sintomas clássicos de infarto

  • Dor ou desconforto no centro do peito;
  • Dor ou desconforto nos braços, ombro esquerdo, cotovelos, mandíbula ou costas.

Em cerca de 15% dos casos, o sintoma pode ser atípico com dor no lado direito do peito, suor, enjôo, vômitos, dor no estômago, falta de ar, tontura ou palpitações.

Mulheres tem maior chance de apresentar falta de ar, náusea, vômito e dor nas costas ou na mandíbula.

Somente um médico poderá realizar o diagnóstico e o tratamento corretos. Busque orientação profissional ao apresentar os sintomas acima.

O Tabagismo foi considerado a principal causa evitável de doenças cardíacas.

O colesterol alterado também pode ocasionar infarto além de AVC, complicações renais, síndrome coronariana aguda, angina e trombose.

O que fazer para prevenir ataques cardíacos?

  • Parar de fumar
  • Reduzir o sal
  • Consumir frutas e vegetais
  • Atividas físicas regulares
  • Reduzir o consumo de álcool

Pobreza, estresse e fatores hereditários são fatores determinantes também para aumento do risco cardiovascular.

Fontes:

http://hospitaldocoracao.com.br/colesterol-x-saude-coracao-o-que-diz-sociedade-brasileira-de-cardiologia/

http://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=5253:doencas-cardiovasculares&Itemid=839

Fonte da imagem: Pixabay

Anúncios

Hipertensão: perigo silencioso

Hipertensão arterial sistêmica, popularmente conhecida como pressão alta, é uma doença silenciosa. Caso não seja controlada, pode levar ao infarto agudo do miocárdio, acidentes vasculares cerebrais, edema agudo de pulmão, dissecção de aorta, com consequências fatais.

Hipertensão Google Labeled To Reuse

Sintomas da hipertensão arterial

Os sintomas da hipertensão são raros, mas podem incluir:

  • Tonturas;
  • Dor de cabeça, especialmente na nuca;
  • Alterações na visão;
  • Sangramentos do nariz;
  • Dificuldade para respirar;
  • Dor no peito.

Estes sintomas são mais frequentes durante uma crise hipertensiva, quando o paciente não está fazendo o tratamento de forma adequada ou não sabe que tem a doença. Nesses casos, é necessário buscar ajuda médica.

Normalmente, a hipertensão arterial é caracterizada quando o paciente apresenta pelo menos, duas medições com valores iguais ou superiores a 140 x 90 mmHg.

A hipertensão arterial não tem cura, mas pode ser controlada com o uso regular de remédios para pressão alta receitados pelo cardiologista, alimentação pobre em sal e exercício físico regular.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), deve-se ingerir entre 4 a 6 gramas de sal por dia, que corresponde a 4 ou 6 pacotinhos de sal do tipo que se encontra nos restaurantes, ou 1 colher de chá de sal, por dia, que deve ser distribuído em todas as refeições.

Conheça os diferentes tipos de sal

Existem diferentes tipos de sal, com diferentes quantidades de sódio:

  • Sal refinado ou sal fino: O mais utilizado no Brasil. Possui 400 mg de sódio por  grama.
  • Sal light: Contém cerca de 50% a menos de sódio, comparado ao sal fino. Cada grama de sal light possui 197 mg de sódio.
  • Flor de sal: Geralmente utilizado em restaurantes sofisticados, contém 450 mg de sódio por grama de sal.
  • Sal grosso ou sal marinho: Este sal penetra menos no alimento. Cada grama de sal grosso possui 420 g de sódio.
  • Sal líquido: É mais suave por ser diluído em água mineral. Ótimo para temperar saladas. Cada 0,1ml de sal líquido em spray contém 11 mg de sódio.

Como temperar os alimentos com pouco sal

Uma boa dica para temperar os alimentos com pouco sal é adicionar especiarias e ervas aromáticas no preparo dos alimentos, como louro, salsinha, coentro e orégano. Uma boa estratégia é colocar todos estes temperos primeiro e deixar o sal por último, quando a refeição estiver quase pronta.

Informações parciais da fonte: http://www.tuasaude.com/hipertensao-arterial/

Os Benefícios do Cacau

A Páscoa está logo aí e bate aquela preocupação quanto ao consumo do chocolate, a quebra da dieta, as acnes e etc.

Encontrei um artigo muito bacana na GNT que, no mínimo, pode aliviar a consciência daqueles que não resistem a um bom cacau. Confiram abaixo:

chocolates amargo e ao leite

Os Benefícios do Chocolate

1 – Faz Bem Para Sua Pele

Por ser antioxidante e estimular a renovação celular, ele é indicado nos processos de rejuvenescimento e também na redução de celulite, já que possui substâncias como cafeína e teobromina, usadas em tratamentos estéticos no combate aos indesejáveis furinhos. Ele também protege a pele dos efeitos nocivos da exposição solar, por ser rico em flavonóides, que reduzem os efeitos negativos da radiação UV.

E a acne?

Não há comprovação científica sobre os malefícios que o chocolate pode causar à pele, excluindo casos especiais, como pessoas que apresentam alergias ou intolerância à lactose e glúten. A acne pode ser provocada por uma dieta rica em carboidratos de alto índice glicêmico (ex.: doces, pães, biscoitos, etc).

2 – Faz Bem Para Os Cabelos

Rico em nutrientes, o chocolate ajuda a restaurar, nutrir e hidratar as fibras capilares.

3 – Reduz o Risco de Doenças Cardiovasculares

O chocolate possui flavonóides que reduzem o risco de doenças cardiovasculares, propiciam melhora do fluxo sanguíneo, reduzem a pressão arterial e melhoram os níveis de colesterol ruim.

4 – Ajuda a Perder Peso

Os ácidos fenólicos presentes no cacau podem ajudar no processo de emagrecimento. Estas substâncias interferem na produção da leptina, o hormônio da saciedade, e ainda queimam mais calorias. Outra pesquisa sugere que o cacau pode inibir o organismo a estocar gordura.

Consumo ideal diário:

Cerca de 30g de chocolate do tipo amargo, com concentração de 50 a 70% de cacau.

chocolates diversos

 

 

Chocolate Amargo x Chocolate Branco:

O chocolate branco é produzido através de uma mistura de manteiga de cacau com outros ingredientes, como leite e açúcar. Como não possui massa de cacau, ele não contém as propriedades encontradas no chocolate preto amargo ou meio amargo. Ainda é mais calórico e rico em gordura saturada.

 

 

5 – Alimento Para o Cérebro

O chocolate pode melhorar a memória e as funções motoras.

Em pesquisa publicada na revista Neurology, um grupo de voluntários consumiu chocolate quente duas vezes ao dia, durante um mês. O outro grupo não teve tanta sorte e passou longe do chocolate durante 30 dias. Após este período, os participantes dos grupos foram submetidos a testes cognitivos que sugerem uma melhoria de 30% nas funções daqueles que consumiram o chocolate quente, quando comparados àqueles que não consumiram a bebida. De acordo com os pesquisadores, o fluxo sanguíneo para o cérebro também melhorou cerca de 8% nestes mesmos voluntários.

Atenção: o conteúdo deste post não substitui o parecer do seu médico, ok? Cuide sempre da sua alimentação, evite o sedentarismo mas, sobretudo, siga as instruções médicas.

Informações Parciais da Fonte: http://gnt.globo.com/bem-estar/materias/confira-os-beneficios-do-chocolate-para-saude-e-para-beleza.htm

Os riscos de trocar as principais refeições por lanches rápidos

Comer bem todos os dias é uma tarefa difícil para muitos brasileiros. Para se ter uma ideia, segundo uma pesquisa realizada pelo Ministério da Saúde, cerca de 16 por cento das pessoas que vivem no Brasil trocam as principais refeições do dia por sanduíches, salgados, pizzas ou outros tipos de lanches sete vezes por semana ou mais.

c700x420

Era o caso da servidora pública, Milene Aguiar. “Eu acordava seis horas da manhã, eu ia almoçar no horário que eu tinha tempo. Porque, não tinha tempo de eu preparar um suco, fazer um achocolatado. Eu me sentia mal, mas eu achava que era normal, correria e tudo mais. Aí a minha amiga me disse assim: olha, eu acho que a sua alimentação está errada”, conta.

Os lanches rápidos geralmente são ricos em gordura, açúcar e sódio e podem provocar doenças como a obesidade e até o câncer. “Em geral essas refeições elas são de alto teor calórico, de alta densidade de gordura, de calorias e rapidamente a pessoa se vê na compulsão de comer outros alimentos, porque elas trazem uma saciedade rápida. Então, isso é um risco iminente para o excesso de peso, para a obesidade e doenças cardiovasculares, o câncer, o diabetes e outras doenças”, explica a diretora do Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos Não Transmissíveis do Ministério da Saúde, Deborah Malta.

“Na medida do possível, as pessoas devem se planejar para preparar as refeições, usando de alimentos in natura, alimentos regionais, fazendo seu próprio alimento. Evidentemente, a vida é corrida e nem sempre se tem a oportunidade de separa e deixar tempo para o preparo dos alimentos. Mas, isso deve ser planejado e buscado e inserido isso na rotina para buscar uma alimentação mais saudável” esclarece a dra. Deborah Malta.

O novo Guia Alimentar para a População Brasileira e o livro Alimentos Regionais Brasileiros são publicações desenvolvidas pelo Ministério da Saúde que mostram várias dicas de como adotar uma alimentação saudável . Para acessar essas informações, basta entrar na página do ministério.

Informações parciais. Confira o texto na íntegra, acessando o site: http://www.blog.saude.gov.br/

Visite nosso site: http://www.vivamelhoronline.com.br

Benefícios da alimentação regional brasileira

Os interessados em resgatar a educação alimentar e nutricional, com informações sobre uma alimentação adequada e saudável e com algumas opções que foram esquecidas pelos brasileiros, ganharam importante ajuda com o lançamento da nova edição do livro “Alimentos Regionais Brasileiros”.

dest_1425484731

A iniciativa foi publicada pelo Ministério da Saúde, em parceria com outros órgãos da área, e representa uma importante ferramenta para despertar o interesse sobre a grande quantidade de alimentos regionais, alguns de consumo ainda limitado.

A edição divide as espécies por região e exibe em suas 500 páginas as frutas, hortaliças, leguminosas, tubérculos, raízes e cereais, farinhas e preparações, ervas, condimentos e temperos do Norte, Nordeste, Sudeste, Sul e Centro-Oeste.

Para Maria Emília Pacheco, presidente do Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (Consea), a publicação permite a apreciação dos sabores e saberes das tradições regionais, com  receitas que expressam o legado de diferentes grupos e etnias, ao mesmo tempo que mostra ser possível cozinhar com saúde, com menos gordura, menos açúcar e menos sal. “O  livro é um importante instrumento para o desenvolvimento de ações de educação alimentar e nutricional e de promoção da alimentação adequada e saudável. O Consea tem defendido a concepção  do alimento como patrimônio de um povo e não como mercadoria. Essa concepção incorpora o respeito às culturas alimentares, que é tema dessa publicação do Ministério da Saúde”, destaca.

Para o pesquisador Nuno Madeira, da Embrapa Hortaliças, que contribuiu para a construção do livro, a iniciativa vem somar com as necessidades atuais da população brasileira. “O consumidor, que busca cada vez mais uma alimentação saudável, e o produtor, que procura novas oportunidades de mercado, ambas aliadas à valorização das tradições culinárias e de paladar especial e diferenciado”, disse.

A iniciativa

O material traz – além dos alimentos por região – receitas culinárias, dicas de como cozinhar com mais saúde e uma lista de possíveis substituições para as preparações desenvolvidas, ressaltando nossa diversidade cultural.

O resgate, o reconhecimento e a incorporação desses alimentos no cotidiano das práticas alimentares representam importante iniciativa de melhoria do padrão alimentar e nutricional, contribuindo para a garantia do direito humano à alimentação adequada e saudável e da segurança alimentar e nutricional da população brasileira.

Nuno Madeira detalha algumas hortaliças que ele incluiu na publicação por considerar essenciais na alimentação brasileira. “Temos a araruta, fonte de carboidrato reconhecidamente leve. Os mais antigos sempre falavam que as crianças que tinham cólica eram nutridas com mingau de araruta. Outro produto que quase não vemos mais é o jacatupé, de paladar único procurado com chefes gastronômicos e com pessoas do interior que quem comeu nunca esqueça. Hoje quase entraram em extinção”, destaca.

Mudanças na cultura produtiva

Para Nuno, o processo que o País passou de urbanização fez a população abandonar alguns costumes, como os quintais produtivos. “Antigamente, mesmo nas cidades, as pessoas tinham uma horta, mas hoje é difícil imaginar isso. Hoje vão ao mercado comprar o que tem uma cadeia estabelecida. Cai numa concentração de alimentos em muito menor número e caiu em desuso”, analisa, ainda destacando que é preciso, muitas vezes, aliar qualidade nutricional com o gosto.

Como solução, o profissional sugere uma maior interação entre o processo de produção e o consumo necessário. “As pessoas estão se dando conta de como a nossa alimentação está inadequada. Hoje, alguns alimentos têm espaço, mas precisam de produção para atender. Mais diálogo entre produção e consumo. Ainda não temos, mas podemos ter. Os inhames, por exemplo, não tem onde comprar semente, não tem rede de informação muito forte”, disse.

Confira a publicação na íntegra.

Informações parciais. Confira o texto na íntegra, acessando o site: http://www.brasil.gov.br/

Visite nosso site: http://www.vivamelhoronline.com.br

Tenha uma Alimentação Nutricionalmente Balanceada!

Campanha-Saúde-e-Nutrição-2015

Guia Alimentar para a População Brasileira

O Departamento de Nutrição disponibiliza o Guia Alimentar sobre Alimentação saudável para a população Brasileira do Ministério da Saúde (MS), após discussão do seu conteúdo com Universidades, Sociedades Científicas e população realizada em ampla consulta pública, compartilhado aqui também pelo Viva Melhor Online.

15718976505_b605e29cbf_o

 

O guia foi elaborado pela Coordenação geral de Alimentação e Nutrição do MS e tem como propósito oferecer a população brasileira informação sobre alimentação saudável para promoção da saúde e prevenção das doenças crônicas cuja associação com sobrepeso/obesidade, consumo excessivo de alimentos processados e ultra processados têm sido verificada pela literatura científica.

O Guia apresenta princípios  básicos  que servem de norteadores para todos os capítulos. Incentiva o consumo harmonioso e variado dos alimentos, desmitificando  o uso abusivo e midiático do consumo isolado de alguns nutrientes, enfatizando que “alimentação é muito mais do que o consumo de nutrientes”,  já que outros fatores como a combinação entre os alimentos, forma de preparo, aspectos culturais e sociais são essenciais para que de fato o ato de se alimentar promova saúde em toda sua plenitude.

Além disso, ressalta o perigo da substituição dos alimentos in natura (arroz, feijão, legumes e verduras) pelos  alimentos industrializados prontos para o consumo (processados e ultra processados), em geral ricos em sódio e calorias. Outra questão importante abordada é a sustentabilidade do sistema alimentar e as formas de impacto associadas à produção e sua  distribuição justa e integrada ao ambiente.  Na elaboração do Guia há a preocupação de se considerar todos os saberes, incluindo o meio acadêmico por meio dos resultados de pesquisas experimentais, clínicas e epidemiológicas as quais poderão dar suporte e fundamentar a orientação para alimentação saudável, incluindo o resgate das tradições populares tão importantes para ampliação dos nossos conhecimentos e auxiliar o indivíduo na autonomia das escolhas alimentares.

Para a pessoa com diabetes, o Guia se encaixa muito bem porque além de incentivar o consumo de alimentos in natura preparados em casa preferencialmente, recomenda o consumo de alimentos com regularidade, em ambiente apropriado e em companhia, justamente para que a pessoa possa comer devagar desfrutando os alimentos e o ambiente, de tal maneira que os alimentos não sejam o único foco desse momento agradável. Ao apresentar um Guia qualitativo sem especificar quantidades, o mesmo vem de encontro às recomendações do Departamento de Nutrição que preconiza a individualização do plano alimentar de acordo com as necessidades de cada indivíduo. Ademais, a preocupação com a informação técnica e segura para o “empoderamento” e a autonomia do indivíduo nos anima ainda mais a ser parceiros no desafio da melhoria da qualidade da alimentação do brasileiro, com vistas a promoção da saúde e o cuidado nas Doenças crônicas.

Leia o Guia Alimentar para a população Brasileira clicando aqui.

Informações parciais. Confira o texto na íntegra, acessando o site: http://www.diabetes.org.br/

Visite nosso site: http://www.vivamelhoronline.com.br


Enter your email address to follow this blog and receive notifications of new posts by email.

Junte-se a 2.287 outros seguidores

Calendário

outubro 2017
S T Q Q S S D
« set    
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  

Arquivos

Estatísticas do Blog

  • 822,257 hits

Top 5


%d blogueiros gostam disto: