Posts Tagged 'Especialistas'

Quanto custa a poluição?

Quanto custa a fumaça que sai do escapamento de seu automóvel? E os gases emitidos pelas fábricas? A fumaça é vista – e sentida – em lugares como Pequim e Cidade do México, quer dizer, é real. Mas é complicado medir e calcular em dinheiro os danos feitos ao planeta, à natureza, às pessoas.

poluicao

No entanto, cientistas, governos, instituições internacionais e organizações não-governamentais analisam fórmulas (algumas já existentes) para “cobrar por contaminar” ou “colocar um preço nas emissões”, quer dizer, aqueles que poluem devem compensar em termos econômicos o dano que fazem ao ambiente. A ideia é limitar e reduzir as emissões de gases de efeito estufa, responsáveis pelo aquecimento global e da mudança climática.

E é vital e necessário, já que novos dados mostram que em 2013, a concentração de gases que provocam o efeito estufa na atmosfera registrou um novo recorde. Enquanto continuarem as emissões no ritmo atual, a concentração de gases continuará crescendo. Isto provocará a elevação da temperatura do planeta e trará consequências graves para o meio-ambiente com fenômenos climáticos mais severos e mais frequentes, afetando atividades como a agricultura.

Mas para compensar estas emissões, é indispensável quantificá-las. O mais comum é calcular as emissões de dióxido de carbono (CO2) ou as emissões equivalentes a CO2 de todos os gases que provocam o efeito estufa, incluindo o próprio dióxido de carbono ou o metano, ainda mais contaminante.

Por isso, quando se fala de “comprar” e “vender” emissões que provocam o efeito estufa e a mudança climática, é uma descrição dos “mercados de carbono”.

Questão de preços

Embora o preço que se coloque na emissão de carbono (ou seus equivalentes) não seja igual ao custo real da contaminação, serve para desincentivar as emissões, segundo Neeraj Prasad, gerente de Alianças e Conhecimento sobre Mudança Climática do Banco Mundial. “Com os preços da emissão de carbono, podemos dizer, por exemplo, que a energia produzida com carvão é mais cara que a energia produzida por um painel solar”, explica Prasad.

“Se não somos capazes de estimar (em dinheiro) os danos causados pela mudança climática, há outros mecanismos que podemos usar para determinar os preços que deveríamos usar como indicadores”, declarou Alvaro Umaña, ex-ministro do Meio Ambiente e Energia da Costa Rica no recente Fórum Latino-Americano do Carbono em Bogotá.

Apesar de não ser a região que mais contamina, a América Latina é muito vulnerável às alterações do clima, com secas prolongadas, inundações e tormentas mais fortes e recorrentes. Por isso, alguns governos da região, como em outros lugares do mundo, já estabeleceram vários mecanismos e políticas para desincentivar as emissões.

Um exemplo são os impostos aplicados às emissões de CO2, e variam segundo cada país. No México, por exemplo, um novo imposto sobre combustíveis fósseis está ligado ao conteúdo de carbono no produto: por exemplo, é mais alto para o diesel (12.40 centavos por litro) que para a gasolina magna (10.38 centavos por litro).

De sua parte, na Costa Rica, o arrecadado pelo imposto de 3,5% sobre os combustíveis foi usado para cuidar das florestas. Também existem mercados nacionais de emissões, internacionais, como na União Europeia, e até um mercado global.

Se uma empresa certifica, por exemplo, que emitiu abaixo do limite fixado ou “cap” mediante a implementação de energia renovável, captura de metano, eficiência energética, etc., pode vender seu excedente em um mercado (comercializar ou “trade”) onde outra empresa ou, um governo pode comprar se precisar. Este tipo de mecanismos costuma ser chamados de esquemas de troca de emissões ou “cap and trade”. Este pagamento pode ser utilizado para financiar investimentos “verdes”.

Impacto visível

Ao redor de 40 países e mais de 20 estados e municípios de todo o mundo já implementaram impostos sobre o carbono ou esquemas de troca de emissões. Em 2014, mais de 100 empresas de diferentes países aderiram publicamente (IH1) à proposta de usar o preço do carbono como instrumento de gestão de risco.

Outra fórmula é o pagamento por serviços ambientais que recebem agricultores, comunidades indígenas ou empresas que cuidam do meio-ambiente. Para proteger a natureza, cuidar da biodiversidade ou reduzir as emissões de gases de efeito estufa, podem receber certa quantidade de dinheiro de seu governo.

Este mecanismo é usado na Costa Rica, México, Colômbia e Brasil, com modelos diferentes. Na Costa Rica, por exemplo, os proprietários da terra recebem dinheiro pelas árvores que plantam ou conservam. E dá para notar os resultados: a cobertura das florestas passou de 21% na década dos 80 para 52% em 2012. “Fixamos, com o apoio do Banco Mundial e outros, mais de 90 milhões de toneladas de carbono florestal na última década”, afirma Alvaro Umaña.

Olhando para o futuro

Dia 23 de setembro acontecerá a Cúpula sobre o Clima na sede das Nações Unidas em Nova York, onde serão discutidos temas relacionados à mudança climática e os benefícios das medidas que estão sendo tomadas no mundo para resistir e evitar estes fenômenos.

Mas o olhar estará voltado para as negociações jurídicas internacionais sobre o clima que serão realizadas em Lima em dezembro deste ano e que continuarão em 2015 em Paris, onde a intenção é chegar a um novo acordo e novos objetivos mundiais de desenvolvimento sustentável. Estes mecanismos de “compra” e “venda” de carbono serão parte fundamental das discussões.

O mais importante, apontam os especialistas, é que os países partam para um caminho de desenvolvimento com baixas emissões de carbono. Que o preço do carbono seja determinado através de um esquema de troca de emissões ou um imposto, ou que o meio-ambiente seja protegido de outra maneira, como o pagamento por serviços ambientais. Para que isto aconteça, no entanto, tanto o setor privado quanto o público devem estar de acordo.

Informações parciais. Confira o texto na íntegra, acessando o site: http://brasil.elpais.com

Visite nosso site: http://www.vivamelhoronline.com.br

Anúncios

Depressão já é a doença mais incapacitante, afirma a OMS

No mundo da depressão, o futuro já chegou. E as notícias não são boas.

depressao

De acordo com previsões da OMS (Organização Mundial da Saúde) feitas no século passado, em 2030 o mal seria responsável por 9,8% do total de anos de vida saudável perdidos para doenças. Pois esse índice foi atingido em 2010.

E as perspectivas de melhora não são nem um pouco otimistas, segundo Kofi Annan, ex-secretário geral das Nações Unidas, que abriu o seminário “The Global Crisis of Depression” (A crise global da depressão), promovido pela revista britânica “The Economist” e realizado em Londres em novembro.

“A depressão atinge hoje quase 7% da população mundial –cerca de 400 milhões de pessoas”, apontou ele. “Incapacita os atingidos pela doença, coloca enorme peso em suas famílias e rouba da economia a energia e o talento das pessoas.”

Segundo ele, em 2010 os custos diretos e indiretos da depressão eram estimados em US$ 800 bilhões (mais de R$ 2 trilhões) no mundo todo. “E, de acordo com as previsões, esse custo deve mais do que dobrar nos próximos 20 anos”, alertou ele.

Um estudo apresentado no evento pelo diretor do Instituto de Psicologia Clínica e Psicoterapia da Technische Universitaet de Dresden, Alemanha, Hans-Ulrich Wittchen, sustenta esse cálculo.

A pesquisa analisou dados de 30 países de 2001 a 2011 para medir o tamanho das doenças mentais no continente e seu custo.

“Os males da mente são os mais prejudiciais e limitantes entre todos os grupos de doenças”, disse ele. “E a depressão, individualmente, é a mais incapacitante das doenças”, afirmou, citando dados da OMS e os que sua pesquisa levantou.

Os resultados, para a economia, são também gigantescos: em média, pessoas com depressão perdem cerca de oito dias de trabalho por mês, contra apenas dois da população “saudável”.
doença familiar

O mal atinge principalmente as mulheres, especialmente em seu período fértil e mais produtivo.

“Há muitas implicações para as vidas das crianças e das famílias, pois há a transmissão de comportamentos depressivos para os filhos. Há dados que mostram que isso pode acontecer até mesmo na gravidez”, afirma Wittchen.

Os números, segundo ele, mostram que o risco de filhos de mães deprimidas terem depressão até os 25 anos é duas vezes mais alto do que entre filhos de mães que não sofreram de depressão.

Uma nova pesquisa Datafolha, encomendada pelo laboratório Eurofarma, também apontou que a depressão é uma condição familiar. Mais da metade (57%) dos entrevistados que têm a doença disse que tem outro membro na família com depressão.

O Datafolha ouviu 430 moradores de São Paulo–222 que receberam diagnóstico de depressão e fazem ou já fizeram tratamento e 208 familiares de pessoas com a doença.

A margem de erro é de sete pontos percentuais, taxa comum nesse tipo de estudo com amostra relativamente pequena, segundo Paulo Alves, gerente de pesquisa de mercado do Datafolha.

A principal causa da depressão citada tanto por doentes como por familiares são os problemas de saúde.

Já o segundo lugar da lista mostrou divergências curiosas. Questões familiares foram apontadas como causa da depressão por 28% dos doentes. Já os próprios familiares minimizaram sua parcela de culpa: só 21% citaram essa como causa da doença.

A pesquisa corrobora ainda o impacto que a depressão tem no trabalho: 37% dos doentes não fazem parte da população economicamente ativa, 11% deles por problemas decorrentes da doença.

Informações parciais. Confira o texto na íntegra, acessando o site: http://www.folha.uol.com.br/

Visite nosso site: http://www.vivamelhoronline.com.br

5 benefícios que tirar férias traz à saúde

EC3490-012

Todo mundo quer tirar férias, viajar e relaxar. Mas o que nem todos sabem é que estudos comprovam que tirar uns dias do trabalho faz muito bem à saúde. O site Health listou cinco razões para não deixar as férias de lado. Veja:

1. Menos estresse: apenas um dia jogando golfe ou um final de semana de folga ajuda a reduzir os hormônios do esteresse e diminuir a pressão arterial. Então, imagine o que uma semana ou mais poderia fazer por você? Desde aparentar ser mais jovem até espantar alguns resfriados e gripes durante o ano. Além disso, o estresse é um dos fatores que podem levar a quilos a mais, então, relaxar ainda pode ajudar você a eliminar os excessos na balança.

2. Coração mais saudável: um estudo da The Framingham mostrou que as mulheres que tiram pelo menos duas férias ao ano são oito vezes menos propensas a ter doenças do coração. Já outra pesquisa feita com homens que tinham altos riscos de desenvolver condições cardíacas mostrou que quem não tira férias nem uma vez por ano tem 32% mais chances de morrer de um ataque do coração.

3. Mais tempo com a família: uma pesquisa reportou o impacto positivo que as férias têm no âmbito familiar. Sair da rotina estressante do dia a dia ajuda a criar novos laços em família, que duram até mesmo após as férias terminarem.

4. Melhor no trabalho: as férias podem ser o tempo que você precisa para renovar as energias e até mesmo se tornar melhor no trabalho, principalmente se deixar a tecnologia um pouco de lado e colocar o sono em dia. A explicação é que o estresse pode impactar na hora de tomar decisões, segundo estudo da National Institutes of Health. Depois de alguns dias livre do estresse do dia a dia, você se sentirá capaz de tomar decisões mais fundamentadas no trabalho.

5. Você mais feliz: um estudo da Wisconsin mostrou níveis mais baixos de tensão e depressão em mulheres que tiraram férias com mais frequência (uma ou duas vezes ao ano), em comparação àquelas que esperam intervalos maiores para tirar uma nova folga. O fato é que o simples ato de antecipar as férias pode deixar você mais feliz.

Informações parciais. Confira o texto na íntegra, acessando o site: http://saude.terra.com.br/

Visite nosso site: http://www.vivamelhoronline.com.br

Óleo, sal e açúcar podem ser utilizados com moderação nas refeições

O óleo, o sal e o açúcar podem fazer parte de uma dieta saudável. De acordo com o Novo Guia Alimentar para a População Brasileira, do Ministério da Saúde, desde que utilizadas com moderação, esses produtos contribuem para uma alimentação mais diversificada e mais saborosa. É o que explica o coordenador geral de nutrição e alimentação do Ministério da Saúde, Eduardo Fernandes.

IMG_5056

 

“Nas recomendações da nova edição do Novo Guia Alimentar para a População Brasileira, existe inclusive a utilização de óleos, sal e açúcar nas preparações e no sentido das preparações culinárias que é incentivado no novo guia existe utilização dos óleos, sal e açúcar como ingredientes culinários. Então eles têm um papel na dieta que é assumido pelo novo guia, mas se sabe por outro lado que o excesso do consumo desses mesmos ingredientes está relacionado a maior risco de doenças crônicas, como tem por exemplo a vinculação do açúcar com a cárie dentária, a própria obesidade, o sal com hipertensão, as gorduras com problemas cardiovasculares”.

A professora de educação física de 26 anos, Clarissa Mara, sabe bem disso. Ela conta que na casa dela, toda a família consome pouco sal, óleo e açúcar para evitar problemas de saúde. “A minha mãe mesmo que faz a comida, ela coloca pouco sal, geralmente não fazemos muita fritura, porque a gente pode ter problema de saúde realmente, aumento da pressão, colesterol, tudo isso. Por exemplo, se for a salada, cada um coloca a sua quantidade e às vezes a gente come até sem mesmo. Evita mesmo”.

O coordenador geral de nutrição e alimentação do Ministério da Saúde, Eduardo Fernandes, ressalta que para ter uma refeição mais diversificada e saudável o ideal é diminuir a quantidade de sal, açúcar e óleo no preparo dos alimentos. “É muito mais a questão do hábito do paladar e esse paladar pode ser adaptado de uma forma mais saudável que trabalhe com quantidades menores e na própria questão das gorduras trabalhar o mínimo do uso das preparações culinárias para que tenha uma comida saborosa, diversificada, usando os ingredientes naturais mas sem o exagero.

Para ter alimentação saudável, o Ministério da Saúde recomenda que a pessoa coma bastante frutas, verduras e legumes, além de feijão, castanha, leite, queijo, carne e ovo, mas também é preciso evitar salgadinhos, doces e alimentos como lasanha de caixa.

Informações parciais. Confira o texto na íntegra, acessando o site: http://www.blog.saude.gov.br/

Visite nosso site: http://www.vivamelhoronline.com.br

Férias exigem cuidados especiais com alimentação e hidratação

Férias: período de descanso e para muitas pessoas de descaso tanto com a alimentação quanto com a hidratação. Seja na praia ou na casa de campo, geralmente nesta época o cardápio costuma ser mais diverso e cheio de frituras e guloseimas.

372735-principal_351

De acordo com a Coordenação-Geral de Alimentação e Nutrição (CGAN) do Ministério da Saúde, é imprescindível que uma alimentação saudável e equilibrada seja levada a séria durante todo o ano, como recomenda o Guia Alimentar para a População Brasileira. Prefira sempre alimentos in natura (obtidos diretamente de plantas ou animais e não sofrem qualquer alteração após deixar a natureza) ou minimamente processados e preparações culinárias a alimentos ultraprocessados.

As férias de fim de ano coincidem com o início do verão e por isso a hidratação tem que ser reforçada nessa época. Tendo em vista o aspecto das mudanças no metabolismo diante o aumento das temperaturas e as mudanças de hábitos alimentares nessa estação do ano, o consumo de frutas, verduras e legumes e água são ainda mais importantes, pois auxiliam na hidratação e reposição de sais minerais perdidos na sudorese. Alimentos como melancia, laranja e melão, bem como saladas cruas, são ótimas opções para esse período do ano, segundo a CGAN, pois têm alto teor de água e por isso aumentam a sensação de saciedade e reduzem a sede. Preparações muito gordurosas e produtos ultraprocessados devem ficar de lado, considerando que são nutricionalmente desbalanceados.

Para evitar a desidratação, comum quando se vai à praia ou locais com muito sol, a ingestão mais frequente de água e sucos naturais sem açúcar também é recomendada. A Coordenação fria que a água é um alimento indispensável ao funcionamento adequado do organismo humano e essencial à vida. Nenhum outro nutriente tem tantas funções no organismo como ela, sendo sua ingestão diária crucial para a saúde humana. A quantidade a ser ingerida pode variar de acordo com a atividade física e com a temperatura ambiente. É importante lembrar que alimentos in natura, minimamente processados e preparações culinárias têm alto conteúdo de água.

Outro problema que infelizmente é recorrente durante as férias são as complicações que podem surgir após o consumo de determinados alimentos. Alimentos não corretamente higienizados, utensílios, sujos, insetos e as próprias pessoas podem ser fontes de contaminação. Para assegurar a qualidade da alimentação e evitar riscos de infecções ou intoxicações, os alimentos devem ser escolhidos, conservados e manipulados adequadamente, lembra a CGAN. Por isso é importante ficar de olho nas condições de higiene dos estabelecimentos escolhidos para as refeições. Alimentos devem ser adquiridos em mercados, feiras, sacolões, açougues e peixarias limpos e organizados e que ofereçam opções de boa qualidade e em bom estado de conservação. É importante que alimentos que necessitam de refrigeração fiquem o menor tempo possível exposto à temperatura ambiente.

Informações parciais. Confira o texto na íntegra, acessando o site: http://www.blog.saude.gov.br/

Visite nosso site: http://www.vivamelhoronline.com.br

Exagerou no Fim de Ano? Veja dicas para desintoxicar

Depois de abusar na ceia natalina, é normal sentir inchaço, dores de cabeça e sintomas de má digestão. Para aliviar essa sensação de mal estar, a desintoxicação é uma aliada para limpar o organismo e deixá-lo “pronto” para a festa de Ano-Novo.

festa_da_empresa_festa_da_confraternizacao_final_de_ano_650x350

“Quando a pessoa segue uma alimentação desregrada, ela está exposta a muitas toxinas prejudiciais ao fígado, ao rim e ao intestino. A detox serve como uma faxina no organismo, pois ajuda a melhorar o funcionamento dos órgãos”, orienta Elaine Fontes, do Spa Loongevity by Sisley.

Veja dicas para se desintoxicar depois da comilança de fim de ano:
Não consuma alimentos industrializados
Um dos segredos para desintoxicar é simples: retirar todos os alimentos industrializados e com corante da dieta. “Tudo que é artificial sobrecarrega o fígado”, diz a nutricionista especializada em nutrição funcional, Luciana Harfenist. “O fígado é o órgão responsável por eliminar essas substâncias artificiais que o corpo não consegue metabolizar, então cuidado com ele”

 

Beba mais de 2 litros de água

Ainda que os sucos e os chás sejam as bebidas favoritas de quem quer desintoxicar, a água não deve ser deixada de lado. A recomendação da nutricionista Elaine Fontes, do Spa Loongevity by Sisley, é ingerir até 2,5 litros por dia. “A água purifica o organismo. Para melhorar o funcionamento do corpo, é preciso beber água e se alimentar direito”, diz

 

Aumente o consumo de fibras

Além de eliminar as toxinas do organismo, a desintoxicação também tem como objetivo melhorar o trânsito intestinal, a digestão e assimilação dos nutrientes. “A má digestão costuma ser resultado de intolerâncias a certos alimentos, ou por eles chegarem intactos ao intestino ou por produzirem bactérias que interferem na digestão”, diz a nutricionista funcional Luciana Harfenist

 

Corte o açúcar

O açúcar também é “persona non grata” para quem tem o intuito de desintoxicar o corpo depois do Natal e do Ano Novo. A dica é priorizar outros alimentos com propriedades detox, como pimentão vermelho, repolho, aspargos, tomate, cebola, pimenta vermelha, iogurte, uvas vermelhas, alho, limão, abacaxi, cenoura, gergelim, salsa e folhas verdes.

 

Aposte em sucos e chás

Chás e sucos são termogênicos importantes. “Os chás são diuréticos e ajudam a drenar; alguns ativam o metabolismo, como o verde, o de gengibre e de hibisco”, afirma a nutricionista Luciana Harfenist. Os sucos devem ser preparados em centrífugas, e não no liquidificador, para preservar as propriedades das frutas. Para potencializar o detox, a nutricionista indica o abacaxi, a melancia e a couve

 

Inclua orgânicos no cardápio

Para limpar o organismo, escolha preferencialmente alimentos orgânicos, pois são isentos de insumos artificiais e hormônios. “O indicado é comer carne de gado alimentado com produção orgânica”, diz a nutricionista Luciana Harfenist. Sempre que possível, prefira peixes menores. “Atum ou salmão são mais propícios à contaminação por metais pesados que podem estar na água e não fazem bem à saúde”, diz

 

Corte as bebidas alcóolicas

Como o objetivo de desintoxicar é fazer uma faxina no organismo, é preciso cortar todo tipo de bebida alcóolica para melhorar o funcionamento do fígado, órgão responsável por metabolizar a gordura e o álcool

 

Pratique algum exercício

Para potencializar os efeitos detox e acelerar o metabolismo, o diretor técnico da Bio Ritmo, Saturno de Souza, indica alguma atividade física prazerosa. E alerta: cuidado para não se exercitar demais, pois sempre há o risco de sofrer lesões. “Caso a pessoa seja sedentária, 20 minutos de caminhada já vão garantir ganhos cardiovasculares”, diz

 

Busque orientação profissional

Poucos sabem, mas para realizar uma dieta detox eficaz, é preciso ter orientação nutricional. “Todo mundo pode ingerir alimentos com propriedades desintoxicantes, mas para fazer uma desintoxicação apropriada é preciso passar por exames e avaliações bioquímicas, para detectar alergias e intolerâncias e fazer as suplementações necessárias”, afirma a nutricionista funcional Luciana Harfenist.

Informações parciais. Confira o texto na íntegra, acessando o site: http://noticias.uol.com.br/

Ano Novo, Saúde Nova

Começo de ano é sempre igual: expectativas e planos renovados. Independentemente das crenças, todos os rituais comemoram a entrada de uma nova etapa. Há quem pule ondas do mar, brinde, fique entre os amigos e a família. Em comum, estão a renovação da esperança de dias melhores e a realização de sonhos.

Simpatias-de-Ano-Novo-2014-1

Perder os quilinhos a mais, parar de fumar, começar a praticar atividades físicas, alimentar-se melhor, passar mais tempo com a família ou controlar o estresse são promessas de todos os anos – e que muitas vezes ficam para trás. É época também de fechar o balanço do ano que passou e preparar as metas, seja para a área profissional, pessoal ou até mesmo para a saúde, para os próximos 365 dias. A justificativa? Falta de tempo.

Mas, para os especialistas do Hospital Israelita Albert Einstein (HIAE), todos os dias têm 24 horas para todo mundo. É importante dar prioridade ao que realmente se considera importante. Para levar adiante tantos desejos, veja algumas dicas para garantir um ano de bem com a saúde.

Lição 1: Planeje-se!

Nossa vida é dividida em várias áreas: saúde, espiritualidade, família, amigos, trabalho, estudos, lazer e viagens, entre outras. O segredo é pensar em tudo o que é essencial e verificar como nos comportamos em cada uma dessas áreas. O resultado é positivo quando houve mudanças ou surpresas boas. Caso não haja nada de novo, quer dizer que não houve evolução.

Lição 2: Estabeleça suas metas

Escreva todos os objetivos para o ano. Vale montar um plano de ação – por exemplo, caso queira parar de fumar, será necessário procurar ajuda profissional, estipular uma data, contar com o apoio familiar.

Sempre agende os compromissos. Se o desejo for algo grande e exigir muito planejamento, comece a listar cada passo para que o sonho se realize. Por exemplo, se chegou a hora de fazer o intercâmbio, deve-se tirar o passaporte, entender melhor o idioma do país e organizar cada etapa da viagem.

Segundo a dra. Selma Bordin, psicóloga do Centro de Medicina Preventiva do HIAE, colocar o que se deseja alcançar no papel ajuda a organizar o pensamento, ter mais clareza e ser mais objetivo. Aliás, organização para alcançar os objetivos é a palavra-chave. É como se o nível de comprometimento aumentasse. “Você pensa a respeito disso, estabelece uma meta em prol do seu desenvolvimento. Essa atitude permite que você conduza a sua própria vida, claro que com base no que podemos ter controle”, explica.

Lição 3: Ao planejar, seja realista

Existem passos fundamentais para cumprir as tão sonhadas metas – o desejo deve ser realista, a motivação deve estar em alta, pois a pessoa mobilizará esforços para a concretização. “Ter atitudes positivas ajuda a concretizar objetivos. Isso acontece quando cada um consegue enxergar em sua vida aquilo que é positivo, de forma concreta. É preciso deixar de lado o hábito de ver sempre o lado ruim das coisas”, explica a psicóloga.

Lição 4: Fique de bem com a saúde

Uma das áreas da vida mais esquecidas – embora seja importante para manter o restante a todo o vapor – é a saúde. Afinal, é com ela que concretizamos todos os outros objetivos. Para entrar o ano com a saúde em alta, precisamos ter cuidados diários. Incorporar atitudes simples à rotina garante pontos na conta da qualidade de vida. Atividades físicas, boa alimentação, boas horas de sono, tempo destinado ao lazer e à família trazem equilíbrio.

“Temos que incorporar cuidados com a saúde à nossa rotina, assim como tomamos banho ou escovamos os dentes”, salienta a dra. Raquel Dilguerian de Oliveira Conceição, médica responsável pela Revisão Continuada de Saúde doHIAE.

Lição 5: Reserve um tempo para si

Ao adotar novo estilo de vida, é obrigatório reservar um tempo no dia para você. Pequenos hábitos – como correr por meia hora, de quatro a cinco vezes na semana, ingerir mais legumes, verduras e frutas – devem estar presentes na nova rotina para garantir a qualidade de vida. E se o desejo é dormir, ler um livro, assistir a um filme que quer ver há tempos ou simplesmente rever velhos amigos, faça isso! Nessa hora, não há regras. O único compromisso é o seu bem-estar.

“Em famílias mais unidas, há índice menor de problemas cardiovasculares. Muitas vezes ficamos doentes por conta de hábitos inadequados e por diagnósticos tardios, uma vez que a visita ao médico está sempre no fim da lista. Então a melhor opção é cuidar de si antes de aparecer qualquer doença”, explica o dr. Raul Santos, médico assessor do Centro de Medicina Preventiva do HIAE.

Ao adotar novo estilo de vida, é obrigatório reservar um tempo no dia para você

Lição 6: Previna em vez de remediar

Não se devem deixar de lado as visitas ao médico, ao menos anualmente. É ele quem vai indicar o checkup na medida certa para cada paciente. Isso porque cada um traz um histórico familiar, idade e ritmo de vida; portanto, os exames variam de uma pessoa para outra.

De acordo com o dr. Santos, para conferir se o coração está em forma, os cardiologistas normalmente pedem medida da pressão arterial, da cintura, dosagem de colesterol e glicose no sangue. Esse acompanhamento é essencial para avaliar a quantas anda a saúde. Firmado o compromisso com você mesmo, entre no ano-novo com o pé direito.

Informações parciais. Confira o texto na íntegra, acessando o site: http://www.einstein.br/

Visite nosso site: http://www.vivamelhoronline.com.br


Enter your email address to follow this blog and receive notifications of new posts by email.

Junte-se a 2.291 outros seguidores

Calendário

julho 2019
S T Q Q S S D
« out    
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031  

Arquivos

Estatísticas do Blog

  • 969.212 hits

Top 5

Anúncios

%d blogueiros gostam disto: