Posts Tagged 'automedicação'

Automedicação e Consumo Excessivo de Medicamentos

freepik-medicamentos-na-colher

Sabia que o Brasil é o maior consumidor de remédios no mundo? Sim, nós temos o costume de fazer nossa farmácia particular em casa e sempre que viajamos. Temos a idéia de que devemos seguir a vida sem dor, em estado de felicidade plena, segundo o professor de história cultural, Leandro Karnal. Esta cultura incentivada pelo investimento pesado em publicidade e lobby setorial, tem estimulado a automedicação e o consumo excessivo de medicamentos. Ao longo dos últimos 4 anos, as vendas nas farmácias aumentaram 42%.
Infelizmente, há dois extremos: de um lado estão aqueles que consomem em excesso e, do outro, estão aqueles que tem muita dificuldade de acesso, segundo a Datafolha e a Associação da Indústria Farmacêutica de Pesquisa (Interfarma). Metade dos brasileiros não consegue comprar todos os medicamentos que precisa, no tempo necessário do tratamento. Esse número pode piorar com o aumento do número de idosos.
O cenário ideal seria que todos nós tivéssemos acesso aos medicamentos prescritos por nossos médicos, desfrutando de um sistema de saúde eficiente, garantindo nossa qualidade de vida. Mas, enquanto isso não acontece, devemos estar atentos ao excesso do consumo de medicamentos e à automedicação, pois podem:
  • mascarar sintomas
  • dificultar o diagnóstico
  • agravar seu problema
  • causar riscos de interações medicamentosas negativas
  • resultar em intoxicações
Portanto, cuidado ao medicar-se através do Google ou da experiência de outras pessoas que não tenham formação médica.
Os medicamentos representam avanços importantes na cura de doença graves ou crônicas. Mas somente o médico poderá prescrevê-los na quantidade e tempo de uso corretos.
Informações parciais das fontes:
Anúncios

Interação medicamentosa: entenda os riscos de se medicar sem orientação

Na próxima vez em que você estiver num consultório médico, ou em outro estabelecimento de saúde, e um profissional lhe perguntar se está fazendo uso de algum medicamento, procure responder o mais detalhadamente que puder. Não se esqueça de relatar o uso de chás, pomadas ou até mesmo aquele comprimido habitual para dor de cabeça.

exagero_remedios_horizontal

 

Essa é uma chance de tentar prever e prevenir um evento ao qual geralmente não se dá muita atenção, até que ocorra: a interação medicamentosa. Ela acontece quando os efeitos de um remédio são alterados pela presença de outro, bem como pela mistura com fitoterápicos (os chamados remédios naturais), alimentos, bebidas ou algum agente químico ambiental — como o calor emanado pelo chuveiro de casa.

O Sistema Nacional de Informações Toxico Farmacológicas (Sinitox/Fiocruz) registrou, só em 2011, cerca de 30 mil casos de intoxicação por uso de medicamentos. Embora não seja possível afirmar quais deles ocorreram por interação medicamentosa, em três circunstâncias específicas a possibilidade é muito extensa: pelo uso terapêutico errado, pela prescrição médica incorreta e por automedicação. “Às vezes a pessoa está fazendo uso de determinado medicamento e não informa isso ao médico, durante a consulta. Em outras, o próprio médico desconhece o potencial de interação dos remédios. E há ainda os casos em que o paciente usa medicamentos que tem em casa, seguindo palpites de amigos ou parentes, sem ter noção se eles podem realmente ser misturados”, descreve a coordenadora do Sinitox, Rosany Bochner.

Embora nem toda interação medicamentosa seja ruim, é preciso estar atento aos riscos de reunir, sem intenção prévia, dois ou mais efeitos terapêuticos. As consequências variam de dores pelo corpo, sangramentos e até problemas cardíacos, podendo, no extremo, ser fatal. No artigo Interações medicamentosas: uma contribuição para o uso racional de imunossupressores sintéticos e biológicos, disponível na base Scielo, os autores apontam duas questões que reforçam a necessidade de atenção ao assunto. A primeira delas é que a incidência de reações adversas causadas por interações medicamentosas não é totalmente conhecida, especialmente devido à dificuldade de sistematizar, num amplo banco de dados, os números e os tipos de pacientes aos quais foram e são prescritas as combinações com potencial para problemas. E a segunda é que “não é possível distinguir claramente quem irá ou não experimentar uma interação medicamentosa adversa”. Alguns cuidados, contudo, reduzem sensivelmente as surpresas indesejáveis. O primeiro deles é optar pela informação.

Ler a bula – Seja pelo tamanho ou pela linguagem, ninguém nega: ler a bula é uma tarefa difícil. Mas é ela que contém todas as informações úteis a respeito do medicamento a ser administrado, inclusive se ele pode, ou não, ser consumido junto a outros remédios, com água ou outros líquidos, em jejum ou alimentado etc. Um fato que preocupa é que, dependendo do canal através do qual se dá o acesso ao medicamento, o cidadão nem chega a ter a bula em mãos. Mas ela é um direito. Desde 2009 a Anvisa determinou que devem existir três tipos de bula: a do profissional de saúde, a do usuário (de linguagem mais simples e no formato de perguntas e respostas) e a bula em formato especial (destinada aos portadores de deficiência visual, e que deve ser solicitada no estabelecimento, caso a caso). Quando a dispensação se dá em farmácias comerciais, a bula que vem dentro da caixa do medicamento já é a do paciente. E, quando o medicamento é disponibilizado na rede pública de saúde, podendo vir fracionado, o cidadão pode solicitar a bula impressa. É obrigação do serviço de saúde fornecê-la.

No site da Anvisa existe o Bulário Eletrônico, onde uma busca simples — até pelo nome comercial do medicamento — já aponta as bulas disponíveis. Uma impressora que funcione e um profissional consciente podem estimular a maior busca por informação. É o que defende o farmacêutico do Instituto de Tecnologia em Fármacos (Farmanguinhos/Fiocruz) José Liporage: “Em muitas unidades assistenciais os profissionais não entregam as bulas. Em alguns casos, porque acreditam que, assim, estão evitando que o cidadão comercialize o medicamento que recebeu no Sistema Único de Saúde. Em outros, porque fazem questão de controlar a informação sobre o remédio, de manter o seu poder como profissional.”

Além de informar, a bula é importante porque pode ser um mecanismo de proteção do cidadão. “Ela é extensa justamente porque precisa orientar sobre todas as possibilidades de ocorrência daquele medicamento, além das interações. Ela precisa dizer o que pode acontecer ao paciente. Se alguém ingere um remédio que causa determinado efeito que não foi previsto nem na bula, o paciente pode recorrer judicialmente, exigindo reparação”, diz Liporage. Mas nem sempre vai estar escrito neste documento a expressão interação medicamentosa. Na maioria das vezes a informação será algo do tipo “este medicamento não pode ser usado em tais situações”, lembra o farmacêutico.

Automedicação – Profissionais de diferentes unidades da Fiocruz têm um relato em comum: um dos maiores geradores de interação medicamentosa é a prática da automedicação. O Instituto de Pesquisa e Pós-Graduação para Farmacêuticos (ICTQ) realizou uma pesquisa que revela este cenário: 76,4% da população brasileira faz uso de medicamentos a partir da indicação de familiares, amigos, colegas e vizinhos. São pessoas que consomem qualquer tipo de remédio quando necessitam e dispõem, inclusive aumentando suas dosagens afim de obter um efeito mais acelerado. O estudo foi realizado em 12 capitais brasileiras e a cidade do Rio de Janeiro ficou acima da média nacional, com 91% de sua população se automedicando.

“Sempre alertamos para a necessidade do uso racional de medicamentos. As pessoas não fazem ideia dos riscos que estão correndo ao tomar esses fármacos aleatoriamente, por conta própria. Em nossa cultura um medicamento se tornou tão usual quando uma blusa, uma calça ou qualquer coisa já naturalizada no cotidiano. As famílias estocam medicamentos, não têm muito cuidado com o prazo de validade, fazem combinações baseadas em efeitos ocorridos com terceiros, enfim, agem de forma muito arriscada. E sequer têm noção desse risco”, alerta Rosany.

Para discutir a prática da automedicação é preciso, contudo, discutir também o acesso aos medicamentos e aos serviços de saúde, lembra Liporage. “Mesmo com todo o avanço do SUS, ainda temos uma grande dificuldade de garantir o direito à saúde. Temos uma parcela muito significativa da população que se automedica especialmente porque a farmácia comercial é sua porta de entrada ao acesso. E esse processo não vem com o suporte de informação necessário para garantir a segurança do uso do medicamento.”

Na farmácia comercial o profissional que pode assegurar todas as informações com relação à interação medicamentosa é o farmacêutico. No SUS, a luta é para que esse profissional seja parte de uma equipe multiprofissional, trabalhando desde a Atenção Básica, onde a orientação farmacêutica será parte fundamental do atendimento ao paciente. “Evitar a interação medicamentosa começa no atendimento, que deveria ser multiprofissional em todos os serviços. No primeiro contato do paciente com o medicamento, ele deveria receber uma atenção especial sobre como administrá-lo. Quando a pessoa é adulta e a consulta é para si, já há essa necessidade. Mas, quando é uma cuidadora, sua responsabilidade duplica. Quando se trata de um medicamento que deve ser manipulado, o processo se torna ainda mais complexo”, aponta Liporage.

Informações parciais. Confira o texto na íntegra, acessando o site: http://www.blog.saude.gov.br/

Visite nosso site: http://www.vivamelhoronline.com.br

5 benefícios que tirar férias traz à saúde

EC3490-012

Todo mundo quer tirar férias, viajar e relaxar. Mas o que nem todos sabem é que estudos comprovam que tirar uns dias do trabalho faz muito bem à saúde. O site Health listou cinco razões para não deixar as férias de lado. Veja:

1. Menos estresse: apenas um dia jogando golfe ou um final de semana de folga ajuda a reduzir os hormônios do esteresse e diminuir a pressão arterial. Então, imagine o que uma semana ou mais poderia fazer por você? Desde aparentar ser mais jovem até espantar alguns resfriados e gripes durante o ano. Além disso, o estresse é um dos fatores que podem levar a quilos a mais, então, relaxar ainda pode ajudar você a eliminar os excessos na balança.

2. Coração mais saudável: um estudo da The Framingham mostrou que as mulheres que tiram pelo menos duas férias ao ano são oito vezes menos propensas a ter doenças do coração. Já outra pesquisa feita com homens que tinham altos riscos de desenvolver condições cardíacas mostrou que quem não tira férias nem uma vez por ano tem 32% mais chances de morrer de um ataque do coração.

3. Mais tempo com a família: uma pesquisa reportou o impacto positivo que as férias têm no âmbito familiar. Sair da rotina estressante do dia a dia ajuda a criar novos laços em família, que duram até mesmo após as férias terminarem.

4. Melhor no trabalho: as férias podem ser o tempo que você precisa para renovar as energias e até mesmo se tornar melhor no trabalho, principalmente se deixar a tecnologia um pouco de lado e colocar o sono em dia. A explicação é que o estresse pode impactar na hora de tomar decisões, segundo estudo da National Institutes of Health. Depois de alguns dias livre do estresse do dia a dia, você se sentirá capaz de tomar decisões mais fundamentadas no trabalho.

5. Você mais feliz: um estudo da Wisconsin mostrou níveis mais baixos de tensão e depressão em mulheres que tiraram férias com mais frequência (uma ou duas vezes ao ano), em comparação àquelas que esperam intervalos maiores para tirar uma nova folga. O fato é que o simples ato de antecipar as férias pode deixar você mais feliz.

Informações parciais. Confira o texto na íntegra, acessando o site: http://saude.terra.com.br/

Visite nosso site: http://www.vivamelhoronline.com.br

Óleo, sal e açúcar podem ser utilizados com moderação nas refeições

O óleo, o sal e o açúcar podem fazer parte de uma dieta saudável. De acordo com o Novo Guia Alimentar para a População Brasileira, do Ministério da Saúde, desde que utilizadas com moderação, esses produtos contribuem para uma alimentação mais diversificada e mais saborosa. É o que explica o coordenador geral de nutrição e alimentação do Ministério da Saúde, Eduardo Fernandes.

IMG_5056

 

“Nas recomendações da nova edição do Novo Guia Alimentar para a População Brasileira, existe inclusive a utilização de óleos, sal e açúcar nas preparações e no sentido das preparações culinárias que é incentivado no novo guia existe utilização dos óleos, sal e açúcar como ingredientes culinários. Então eles têm um papel na dieta que é assumido pelo novo guia, mas se sabe por outro lado que o excesso do consumo desses mesmos ingredientes está relacionado a maior risco de doenças crônicas, como tem por exemplo a vinculação do açúcar com a cárie dentária, a própria obesidade, o sal com hipertensão, as gorduras com problemas cardiovasculares”.

A professora de educação física de 26 anos, Clarissa Mara, sabe bem disso. Ela conta que na casa dela, toda a família consome pouco sal, óleo e açúcar para evitar problemas de saúde. “A minha mãe mesmo que faz a comida, ela coloca pouco sal, geralmente não fazemos muita fritura, porque a gente pode ter problema de saúde realmente, aumento da pressão, colesterol, tudo isso. Por exemplo, se for a salada, cada um coloca a sua quantidade e às vezes a gente come até sem mesmo. Evita mesmo”.

O coordenador geral de nutrição e alimentação do Ministério da Saúde, Eduardo Fernandes, ressalta que para ter uma refeição mais diversificada e saudável o ideal é diminuir a quantidade de sal, açúcar e óleo no preparo dos alimentos. “É muito mais a questão do hábito do paladar e esse paladar pode ser adaptado de uma forma mais saudável que trabalhe com quantidades menores e na própria questão das gorduras trabalhar o mínimo do uso das preparações culinárias para que tenha uma comida saborosa, diversificada, usando os ingredientes naturais mas sem o exagero.

Para ter alimentação saudável, o Ministério da Saúde recomenda que a pessoa coma bastante frutas, verduras e legumes, além de feijão, castanha, leite, queijo, carne e ovo, mas também é preciso evitar salgadinhos, doces e alimentos como lasanha de caixa.

Informações parciais. Confira o texto na íntegra, acessando o site: http://www.blog.saude.gov.br/

Visite nosso site: http://www.vivamelhoronline.com.br

Férias exigem cuidados especiais com alimentação e hidratação

Férias: período de descanso e para muitas pessoas de descaso tanto com a alimentação quanto com a hidratação. Seja na praia ou na casa de campo, geralmente nesta época o cardápio costuma ser mais diverso e cheio de frituras e guloseimas.

372735-principal_351

De acordo com a Coordenação-Geral de Alimentação e Nutrição (CGAN) do Ministério da Saúde, é imprescindível que uma alimentação saudável e equilibrada seja levada a séria durante todo o ano, como recomenda o Guia Alimentar para a População Brasileira. Prefira sempre alimentos in natura (obtidos diretamente de plantas ou animais e não sofrem qualquer alteração após deixar a natureza) ou minimamente processados e preparações culinárias a alimentos ultraprocessados.

As férias de fim de ano coincidem com o início do verão e por isso a hidratação tem que ser reforçada nessa época. Tendo em vista o aspecto das mudanças no metabolismo diante o aumento das temperaturas e as mudanças de hábitos alimentares nessa estação do ano, o consumo de frutas, verduras e legumes e água são ainda mais importantes, pois auxiliam na hidratação e reposição de sais minerais perdidos na sudorese. Alimentos como melancia, laranja e melão, bem como saladas cruas, são ótimas opções para esse período do ano, segundo a CGAN, pois têm alto teor de água e por isso aumentam a sensação de saciedade e reduzem a sede. Preparações muito gordurosas e produtos ultraprocessados devem ficar de lado, considerando que são nutricionalmente desbalanceados.

Para evitar a desidratação, comum quando se vai à praia ou locais com muito sol, a ingestão mais frequente de água e sucos naturais sem açúcar também é recomendada. A Coordenação fria que a água é um alimento indispensável ao funcionamento adequado do organismo humano e essencial à vida. Nenhum outro nutriente tem tantas funções no organismo como ela, sendo sua ingestão diária crucial para a saúde humana. A quantidade a ser ingerida pode variar de acordo com a atividade física e com a temperatura ambiente. É importante lembrar que alimentos in natura, minimamente processados e preparações culinárias têm alto conteúdo de água.

Outro problema que infelizmente é recorrente durante as férias são as complicações que podem surgir após o consumo de determinados alimentos. Alimentos não corretamente higienizados, utensílios, sujos, insetos e as próprias pessoas podem ser fontes de contaminação. Para assegurar a qualidade da alimentação e evitar riscos de infecções ou intoxicações, os alimentos devem ser escolhidos, conservados e manipulados adequadamente, lembra a CGAN. Por isso é importante ficar de olho nas condições de higiene dos estabelecimentos escolhidos para as refeições. Alimentos devem ser adquiridos em mercados, feiras, sacolões, açougues e peixarias limpos e organizados e que ofereçam opções de boa qualidade e em bom estado de conservação. É importante que alimentos que necessitam de refrigeração fiquem o menor tempo possível exposto à temperatura ambiente.

Informações parciais. Confira o texto na íntegra, acessando o site: http://www.blog.saude.gov.br/

Visite nosso site: http://www.vivamelhoronline.com.br

Exagerou no Fim de Ano? Veja dicas para desintoxicar

Depois de abusar na ceia natalina, é normal sentir inchaço, dores de cabeça e sintomas de má digestão. Para aliviar essa sensação de mal estar, a desintoxicação é uma aliada para limpar o organismo e deixá-lo “pronto” para a festa de Ano-Novo.

festa_da_empresa_festa_da_confraternizacao_final_de_ano_650x350

“Quando a pessoa segue uma alimentação desregrada, ela está exposta a muitas toxinas prejudiciais ao fígado, ao rim e ao intestino. A detox serve como uma faxina no organismo, pois ajuda a melhorar o funcionamento dos órgãos”, orienta Elaine Fontes, do Spa Loongevity by Sisley.

Veja dicas para se desintoxicar depois da comilança de fim de ano:
Não consuma alimentos industrializados
Um dos segredos para desintoxicar é simples: retirar todos os alimentos industrializados e com corante da dieta. “Tudo que é artificial sobrecarrega o fígado”, diz a nutricionista especializada em nutrição funcional, Luciana Harfenist. “O fígado é o órgão responsável por eliminar essas substâncias artificiais que o corpo não consegue metabolizar, então cuidado com ele”

 

Beba mais de 2 litros de água

Ainda que os sucos e os chás sejam as bebidas favoritas de quem quer desintoxicar, a água não deve ser deixada de lado. A recomendação da nutricionista Elaine Fontes, do Spa Loongevity by Sisley, é ingerir até 2,5 litros por dia. “A água purifica o organismo. Para melhorar o funcionamento do corpo, é preciso beber água e se alimentar direito”, diz

 

Aumente o consumo de fibras

Além de eliminar as toxinas do organismo, a desintoxicação também tem como objetivo melhorar o trânsito intestinal, a digestão e assimilação dos nutrientes. “A má digestão costuma ser resultado de intolerâncias a certos alimentos, ou por eles chegarem intactos ao intestino ou por produzirem bactérias que interferem na digestão”, diz a nutricionista funcional Luciana Harfenist

 

Corte o açúcar

O açúcar também é “persona non grata” para quem tem o intuito de desintoxicar o corpo depois do Natal e do Ano Novo. A dica é priorizar outros alimentos com propriedades detox, como pimentão vermelho, repolho, aspargos, tomate, cebola, pimenta vermelha, iogurte, uvas vermelhas, alho, limão, abacaxi, cenoura, gergelim, salsa e folhas verdes.

 

Aposte em sucos e chás

Chás e sucos são termogênicos importantes. “Os chás são diuréticos e ajudam a drenar; alguns ativam o metabolismo, como o verde, o de gengibre e de hibisco”, afirma a nutricionista Luciana Harfenist. Os sucos devem ser preparados em centrífugas, e não no liquidificador, para preservar as propriedades das frutas. Para potencializar o detox, a nutricionista indica o abacaxi, a melancia e a couve

 

Inclua orgânicos no cardápio

Para limpar o organismo, escolha preferencialmente alimentos orgânicos, pois são isentos de insumos artificiais e hormônios. “O indicado é comer carne de gado alimentado com produção orgânica”, diz a nutricionista Luciana Harfenist. Sempre que possível, prefira peixes menores. “Atum ou salmão são mais propícios à contaminação por metais pesados que podem estar na água e não fazem bem à saúde”, diz

 

Corte as bebidas alcóolicas

Como o objetivo de desintoxicar é fazer uma faxina no organismo, é preciso cortar todo tipo de bebida alcóolica para melhorar o funcionamento do fígado, órgão responsável por metabolizar a gordura e o álcool

 

Pratique algum exercício

Para potencializar os efeitos detox e acelerar o metabolismo, o diretor técnico da Bio Ritmo, Saturno de Souza, indica alguma atividade física prazerosa. E alerta: cuidado para não se exercitar demais, pois sempre há o risco de sofrer lesões. “Caso a pessoa seja sedentária, 20 minutos de caminhada já vão garantir ganhos cardiovasculares”, diz

 

Busque orientação profissional

Poucos sabem, mas para realizar uma dieta detox eficaz, é preciso ter orientação nutricional. “Todo mundo pode ingerir alimentos com propriedades desintoxicantes, mas para fazer uma desintoxicação apropriada é preciso passar por exames e avaliações bioquímicas, para detectar alergias e intolerâncias e fazer as suplementações necessárias”, afirma a nutricionista funcional Luciana Harfenist.

Informações parciais. Confira o texto na íntegra, acessando o site: http://noticias.uol.com.br/

Ano Novo, Saúde Nova

Começo de ano é sempre igual: expectativas e planos renovados. Independentemente das crenças, todos os rituais comemoram a entrada de uma nova etapa. Há quem pule ondas do mar, brinde, fique entre os amigos e a família. Em comum, estão a renovação da esperança de dias melhores e a realização de sonhos.

Simpatias-de-Ano-Novo-2014-1

Perder os quilinhos a mais, parar de fumar, começar a praticar atividades físicas, alimentar-se melhor, passar mais tempo com a família ou controlar o estresse são promessas de todos os anos – e que muitas vezes ficam para trás. É época também de fechar o balanço do ano que passou e preparar as metas, seja para a área profissional, pessoal ou até mesmo para a saúde, para os próximos 365 dias. A justificativa? Falta de tempo.

Mas, para os especialistas do Hospital Israelita Albert Einstein (HIAE), todos os dias têm 24 horas para todo mundo. É importante dar prioridade ao que realmente se considera importante. Para levar adiante tantos desejos, veja algumas dicas para garantir um ano de bem com a saúde.

Lição 1: Planeje-se!

Nossa vida é dividida em várias áreas: saúde, espiritualidade, família, amigos, trabalho, estudos, lazer e viagens, entre outras. O segredo é pensar em tudo o que é essencial e verificar como nos comportamos em cada uma dessas áreas. O resultado é positivo quando houve mudanças ou surpresas boas. Caso não haja nada de novo, quer dizer que não houve evolução.

Lição 2: Estabeleça suas metas

Escreva todos os objetivos para o ano. Vale montar um plano de ação – por exemplo, caso queira parar de fumar, será necessário procurar ajuda profissional, estipular uma data, contar com o apoio familiar.

Sempre agende os compromissos. Se o desejo for algo grande e exigir muito planejamento, comece a listar cada passo para que o sonho se realize. Por exemplo, se chegou a hora de fazer o intercâmbio, deve-se tirar o passaporte, entender melhor o idioma do país e organizar cada etapa da viagem.

Segundo a dra. Selma Bordin, psicóloga do Centro de Medicina Preventiva do HIAE, colocar o que se deseja alcançar no papel ajuda a organizar o pensamento, ter mais clareza e ser mais objetivo. Aliás, organização para alcançar os objetivos é a palavra-chave. É como se o nível de comprometimento aumentasse. “Você pensa a respeito disso, estabelece uma meta em prol do seu desenvolvimento. Essa atitude permite que você conduza a sua própria vida, claro que com base no que podemos ter controle”, explica.

Lição 3: Ao planejar, seja realista

Existem passos fundamentais para cumprir as tão sonhadas metas – o desejo deve ser realista, a motivação deve estar em alta, pois a pessoa mobilizará esforços para a concretização. “Ter atitudes positivas ajuda a concretizar objetivos. Isso acontece quando cada um consegue enxergar em sua vida aquilo que é positivo, de forma concreta. É preciso deixar de lado o hábito de ver sempre o lado ruim das coisas”, explica a psicóloga.

Lição 4: Fique de bem com a saúde

Uma das áreas da vida mais esquecidas – embora seja importante para manter o restante a todo o vapor – é a saúde. Afinal, é com ela que concretizamos todos os outros objetivos. Para entrar o ano com a saúde em alta, precisamos ter cuidados diários. Incorporar atitudes simples à rotina garante pontos na conta da qualidade de vida. Atividades físicas, boa alimentação, boas horas de sono, tempo destinado ao lazer e à família trazem equilíbrio.

“Temos que incorporar cuidados com a saúde à nossa rotina, assim como tomamos banho ou escovamos os dentes”, salienta a dra. Raquel Dilguerian de Oliveira Conceição, médica responsável pela Revisão Continuada de Saúde doHIAE.

Lição 5: Reserve um tempo para si

Ao adotar novo estilo de vida, é obrigatório reservar um tempo no dia para você. Pequenos hábitos – como correr por meia hora, de quatro a cinco vezes na semana, ingerir mais legumes, verduras e frutas – devem estar presentes na nova rotina para garantir a qualidade de vida. E se o desejo é dormir, ler um livro, assistir a um filme que quer ver há tempos ou simplesmente rever velhos amigos, faça isso! Nessa hora, não há regras. O único compromisso é o seu bem-estar.

“Em famílias mais unidas, há índice menor de problemas cardiovasculares. Muitas vezes ficamos doentes por conta de hábitos inadequados e por diagnósticos tardios, uma vez que a visita ao médico está sempre no fim da lista. Então a melhor opção é cuidar de si antes de aparecer qualquer doença”, explica o dr. Raul Santos, médico assessor do Centro de Medicina Preventiva do HIAE.

Ao adotar novo estilo de vida, é obrigatório reservar um tempo no dia para você

Lição 6: Previna em vez de remediar

Não se devem deixar de lado as visitas ao médico, ao menos anualmente. É ele quem vai indicar o checkup na medida certa para cada paciente. Isso porque cada um traz um histórico familiar, idade e ritmo de vida; portanto, os exames variam de uma pessoa para outra.

De acordo com o dr. Santos, para conferir se o coração está em forma, os cardiologistas normalmente pedem medida da pressão arterial, da cintura, dosagem de colesterol e glicose no sangue. Esse acompanhamento é essencial para avaliar a quantas anda a saúde. Firmado o compromisso com você mesmo, entre no ano-novo com o pé direito.

Informações parciais. Confira o texto na íntegra, acessando o site: http://www.einstein.br/

Visite nosso site: http://www.vivamelhoronline.com.br


Enter your email address to follow this blog and receive notifications of new posts by email.

Junte-se a 2.291 outros seguidores

Calendário

novembro 2018
S T Q Q S S D
« out    
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930  

Arquivos

Estatísticas do Blog

  • 938.995 hits

Top 5

Anúncios

%d blogueiros gostam disto: