Posts Tagged 'Rinite'

Alivie os sintomas da rinite alérgica

Rinite é a inflamação aguda ou crônica, infecciosa, alérgica ou irritativa da mucosa nasal. Os casos agudos são, em sua maioria, causado por vírus, ao passo que os casos crônicos ou recorrente são geralmente determinados pela rinite alérgica, induzida pela exposição a alérgenos, substâncias que induzem reação alérgica com resposta inflamatória, entre eles os ácaros da poeira domiciliar, barata, os fungos, epitélio, urina e saliva de animais (cão e gato).

tipos-de-rinite

Os principais irritantes são a fumaça do cigarro e compostos voláteis utilizados em produtos de limpeza e construção, desencadeando os sintomas por mecanismos não imunológicos.

A arquiteta Luciana Jobim, 28 anos, enfrenta diariamente as possibilidades de crise de rinite alérgica. “Por ser arquiteta e visitar muitas obras com poeira e cheiros fortes de tinta e outros materiais, tenho que lutar contra isso diariamente”, conta. Como toda afecção alérgica, a rinite pode apresentar duas fases: a primeira, chamada imediata, ocorre minutos após o estímulo; e a segunda, denominada fase tardia ou inflamatória, ocorre quatro a oito horas após o estímulo.

Os sintomas mais comuns são corrimento nasal, obstrução ou prurido nasal e espirros sequenciais. Muitas vezes acompanham sintomas oculares como coceira, vermelhidão e lacrimejamento. Esses sintomas podem melhorar espontaneamente. Nos casos crônicos, pode ocorrer perda do paladar e do olfato. Luciana Jobim explica que procura manter a casa sempre limpa e arejada para ajudar no controle da doença. “Eu já acordo como se meu nariz estivesse entupido e qualquer alérgeno desencadeia minhas crises, por isso eu não tenho tapete e nem cortinas de tecido no meu quarto e é tudo muito limpo para não acumular poeira. Também evito ficar em locais empoeirados”, afirma.

 

O diagnóstico de rinite alérgica é clínico, com base nos dados de história e exame físico. Classificada atualmente com base na intensidade dos sintomas e seu impacto sobre a qualidade de vida do paciente, a doença pode ser intermitente leve; intermitente moderada ou grave; persistente leve; persistente moderada ou grave. Essa classificação é importante porque implica diretamente na conduta terapêutica.

É importante procurar um médico que irá pesquisar as causas de alergia e recomendar o tratamento mais adequado para controlar a doença, promover a prevenção e o alívio dos sintomas de forma segura e eficaz.
Medidas para evitar as crises de rinite:

• Parar de fumar
• Perda de peso (quando indicado) e prevenção do sobrepeso e obesidade.
• Realizar atividades físicas.
• Reduzir a exposição a fatores desencadeantes, como exposição a ácaros ou alérgenos relacionados a mofo, tabagismo passivo, animais domésticos se comprovada sensibilização , odores fortes e locais de poluição atmosférica.

Informações parciais. Confira o texto na íntegra, acessando o site: http://www.blog.saude.gov.br/

Visite nosso site: http://www.vivamelhoronline.com.br

Anúncios

Conheça os principais tipos de alergia e seus sintomas

Em épocas frias, como o inverno, os casos alérgicos se tornam comuns, pois as pessoas ficam mais tempo em locais fechados e utilizam mantas, casacos e roupas que por muito tempo ficaram guardados, desencadeando alergias de pele e respiratórias. Segundo a OMS, 35% da população brasileira sofre desse mal.

alergia

Normalmente, o sistema imunológico defende o corpo de substâncias possivelmente nocivas, como as bactérias, por exemplo. Porém, em algumas pessoas, o organismo apresenta uma sensibilidade anormal desencadeada por alguma substância que costuma ser inofensiva, como um alimento ou mesmo a poeira da casa, ocasionando a alergia.

— A pessoa alérgica é aquela que reage a um determinado estímulo que é considerado normal para os outros. Existem outros diversos tipos de reações alérgicas que não estão atreladas à nenhuma estação e também requerem cuidados— afirma Ana Paula Castro, alergista e imunologista.

A médica esclarece os principais tipos de alergias e seus sintomas mais comuns:

Alimentos

Alguns dos principais sintomas são inchaço ou coceira nos lábios, diarreia, vômitos e até mesmo rouquidão. A alergia alimentar geralmente começa na infância, mas pode ocorrer em qualquer idade. Felizmente, muitas crianças se livram delas mais velhas. Entretanto, alergias a amendoim, frutas secas e frutos do mar tendem a durar a vida toda, em função das substâncias encontradas nesses alimentos. O ideal é procurar um médico e evitar a ingestão dos itens.

Pele

As pessoas alérgicas têm a pele normalmente mais seca do que o restante, e com a temperatura baixa do ambiente e banhos quentes prolongados, a cútis tende a ficar mais sensível, áspera e irritadiça. Isso piora com o contato de certos tecidos (principalmente no inverno, quando normalmente se usam texturas mais grossas como lãs, felpos etc). Além de procurar um médico para avaliar a reação, também é válido evitar o uso de muito sabonete nos locais atingidos, para não ressecar ainda mais a pele. A adequada hidratação ajuda bastante na melhora do ressecamento.

Respiratórias

São causadas por alérgenos presentes no ar que contaminam o ambiente: poeira, mofo, ácaros, pólen de plantas, entre outros. Geralmente causam espirros, coriza, coceira nos olhos, falta de ar, tosse, dores de cabeça e podem contribuir para doenças como a rinite, asma e a sinusite. Roupas, cobertores e edredons, guardados por muito tempo, também podem conter uma concentração maior de ácaros e mofo e desencadear crises respiratórias, portanto, devem ser lavados e arejados com frequência.

Medicamentos

Reações adversas a medicamentos são comuns e variam de efeitos mais moderados, como náusea e vômitos, à anafilaxia (dificuldades respiratórias). Normalmente, os principais sintomas das alergias medicamentosas são coceira na pele ou olhos, erupções cutâneas, inchaço dos lábios, língua ou rosto e urticária. Se a pessoa perceber qualquer sintoma após o uso de um medicamento, deve procurar seu médico, que avaliará se é um efeito colateral do medicamento, ou então, uma reação alérgica.

Insetos

A alergia a picada de insetos, também conhecida como estrófulo, ocorre com mais frequência em crianças até 10 anos. Os sintomas são lesões da pele, onde comumente aparecem pápulas (bolinhas) sobre uma área da pele avermelhada. Algumas vezes, dependendo da sensibilidade da pessoa, toda região do corpo pode ficar inchada e vermelha. O número de lesões é variável e a coceira é sempre muito intensa. Os insetos que normalmente mais causam alergias são pernilongos, borrachudos, formigas, carrapatos e pulgas. Deve-se evitar coçar o local, pois isso pode gerar manchas, cicatrizes e até mesmo uma infecção por bactérias (trazidas pelas unhas).

Pelos de animais

Quando se fala em alergia a animais, muitos associam a causa do problema aos pelos. Mas aí está um dos principais mitos, pois na realidade o problema é o grande aumento de ácaros no ambiente, causado pela presença dos bichos. Isso ocorre porque, além de pelos, os animais soltam muita pele – e o ácaro, que se alimenta disso, procria rapidamente e contamina o ambiente. É recomendável evitar que ambientes com animais tenham muitos tapetes e móveis estofados e que os animais durmam no mesmo ambiente que a pessoa alérgica.

Informações parciais. Confira o texto na íntegra, acessando o site: http://zh.clicrbs.com.br/

Visite nosso site: http://www.vivamelhoronline.com.br

Como prevenir doenças dos olhos durante o inverno

No inverno, a saúde ocular fica em risco. Além de o tempo seco deixar a vista vulnerável a problemas como conjuntivite, o uso excessivo de medicamentos para gripes e doenças respiratórias — comuns nesta época — pode provocar males como glaucoma, catarata e olho seco.

olhos-ressecados-inverno

Oftalmologista do Instituto Penido Burnier, Leôncio Queiroz Neto, alerta que anti-inflamatórios e antialérgicos, por exemplo, interferem na produção de lágrimas, que mantêm os olhos lubrificados e protegidos da entrada de vírus e bactérias que causam a conjuntivite.

E o problema pode piorar se a pessoa insistir no uso de medicamentos sem orientação. O ressecamento permanente do olho pode fazer com que a visão fique opaca. “Isso pode antecipar a degradação natural da capacidade visual, que vem com a idade, deixando a visão cronicamente embaçada”, alerta.

Usado para controlar casos de asma, bronquite e alergias severas, o corticoide, de forma indiscriminada, é um dos mais arriscados. O remédio pode aumentar a pressão dentro do olho e gerar o glaucoma, doença que causa lesão no nervo ótico e que pode levar à cegueira. “O remédio interfere nas células do cristalino a e facilita o surgimento da catarata”.

Esse foi o caso de Thaís Mandetta, 26 anos. Há seis anos, ela descobriu que tinha glaucoma em estágio inicial. O motivo? Uso de corticoide para controlar crises de bronquite. “O oftalmologista pediu para tirar todos os bichos de pelúcia do quarto e isso me salvou. Nunca mais tive crises”, afirma aliviada Thaís.

Mudanças evitam problemas

Os efeitos da dosagem dos medicamentos variam de acordo com o organismo do paciente, mas algumas ações podem evitar problemas futuros. Segundo Leôncio Neto, após cinco dias, o descongestionante nasal pode ser substituído por soro fisiológico. Já quem usa loratadina (antialérgico), antitérmicos ou analgésicos com frequência pode incrementar a dieta com alimentos ricos em ômega 3, como castanhas, salmão e sardinha para reduzir a dependência dos remédios.

“Para quem usa corticoides por mais de seis meses, é importante se consultar com um oftalmologista”, disse.

FIQUE ATENTO

REMÉDIO PARA NARIZ
Risco: glaucoma. Após cinco dias de uso, trocar por soro.

REMÉDIO PARA RINITE
Risco: glaucoma. Em caso de uso por mais de três meses, é recomendado acompanhamento oftalmológico.

CORTICOIDE
Risco: glaucoma e catarata. Oftalmo após 6 meses de uso.

ANTITÉRMICOS E ANALGÉSICOS
Risco: visão embaçada e olho seco. Investir em alimentos ricos em ômega 3.

Informações parciais. Confira o texto na íntegra, acessando o site: http://odia.ig.com.br/

Visite nosso site: http://www.vivamelhoronline.com.br

Campanha gratuita contra alergias respiratórias de inverno

Só no Brasil, cerca de 20 milhões de pessoas sofrem de asma, enquanto a rinite afeta 26% das crianças

como_saber_se_estou_com_asma

Idealizado e coordenado pelo médico Marcello Bossois, o projeto social Brasil Sem Alergia é um centro de atendimentos gratuitos para os mais variados tipos de processos alérgicos e doenças ligadas ao sistema imunológico, que atualmente conta com três postos na Baixada Fluminense. Nascido em 2007, a ação social já ofereceu mais de 120 mil consultas gratuitas – equivalente à população de Resende (Rio de Janeiro) – com a realização de diversos procedimentos de prevenção, controle e combate dessas doenças. Com a proximidade do inverno, o Brasil Sem Alergia assume um papel muito importante, desenvolvendo uma grande campanha de tratamento das alergias respiratórias, doença que aumenta significativamente na nova estação.

Em maio, foi inaugurada a terceira unidade do projeto, em Xerém, na Baixada Fluminense, no Centro Médico Estrela de David, na Praça da Mantiqueira 18. A sede da iniciativa está localizada na Rua Conde de Porto Alegre, nº167, no bairro 25 de Agosto, Duque de Caxias. O outro posto de atendimentos localiza-se na Cruz Vermelha de Nova Iguaçu, na Rua Coronel Bernardino de Melo 2085. As consultas são oferecidas de segunda à sexta, das 9hs às 18hs. Os interessados já podem agendar seus horários pelos telefones (21) 3939-0239 ou (21) 2652-2175.

O inverno e as alergias respiratórias

A nova estação vai chegar no final deste mês, no dia 21, trazendo temperaturas mais baixas, com noites mais frias, repentinas alterações climáticas e a presença de um ar mais seco e poluído. É, portanto, a hora de tirar do armário aqueles casacos guardados desde o último inverno, provavelmente impregnados de ácaros e poeira – maiores inimigos de quem sofre de alergia. Para piorar a vida dos alérgicos, o período ainda apresenta uma diminuição na quantidade de chuvas e ventos, dificultando a dispersão de poluentes e tornando mais frequentes as chamadas inversões térmicas.

A junção destes fatores, somados a maior presença das pessoas em locais fechados – com pouca ventilação, são responsáveis pelo desencadeamento de inúmeros processos de alergias respiratórias. “O inverno é a estação que os alérgicos mais sofrem, sobretudo pelas bruscas mudanças climáticas e pela a alta exposição a alergenos, como os ácaros e poeira, a qual são expostos”, analisa o Coordenador Técnico do Brasil Sem Alergia, Dr. Marcello Bossois. “Estima-se que as alergias respiratórias aumentem 40% durante a estação”, alerta o alergista.

As incômodas alergias respiratórias, que podem ir de uma simples rinite alérgica até uma asma de fundo alérgico (que pode se transformar em um quadro complicado de pneumonia), podem afetar pessoas de qualquer idade. As mães, entretanto, devem estar muito atentas aos primeiros sinais dessas alergias nos pequenos, pois as crianças que apresentam asma têm muito mais chance de desenvolver pneumonia. Segundo a OMS, mais de 300 milhões de pessoas sofrem de asma em todo o mundo, sendo as crianças mais da metade dos casos.

Uma simples alergia pode se tornar algo bastante preocupante, já que a doença aumenta muito as chances de uma infecção secundária. De acordo com o médico, uma alergia de fundo respiratório mal cuidada pode provocar, por exemplo, uma grave pneumonia crônica, caso a inflamação da mucosa respiratória e o acúmulo de secreção nas vias respiratórias se mantenham por um longo período. “Aproximadamente 35% da população mundial sofre de algum tipo de alergia, então é muito importante que todos estejam atentos aos primeiros sinais de uma alergia respiratória, que poderá se manifestar através de espirros constantes, tosses e/ou falta de ar”, adverte o especialista.

Só no Brasil, cerca de 20 milhões de pessoas convivem de forma persistente com a asma, enquanto a rinite afeta aproximadamente 26% das crianças e 30% dos adolescentes, segundo a Associação Brasileira de Alergia e Imunopatologia (ASBAI). A asma é a quarta maior causa de hospitalização no Brasil, resultando em cerca de 400 mil internações por ano em todo o país (Datasus, 2001). Por ano, mais de 250 mil pessoas morrem em decorrência da doença ao redor do mundo, com base em dados da Organização Mundial de Saúde.

O que é a asma?

A asma é uma inflamação do pulmão e das vias aéreas que provoca inchaço e encurtamento dos brônquios, comprometendo diretamente a qualidade de respiração dos pacientes. Ela é uma doença de fundo alérgico, com diversos fatores causadores, como substâncias ou produtos que irritam as vias aéreas, mudanças bruscas de temperatura ou até fatores emocionais. É conhecida por ser uma doença comum em crianças, até porque elas são 60% dos casos da doença, mas também pode surgir em adultos, inclusive a partir de infecções por vírus e bactérias.

A genética também apresenta um papel importante no desenvolvimento da asma, aponta Dr Marcello. Segundo o médico, que também integra o Consórcio Internacional de Terapia Gênica, o risco de surgimento da doença na infância está relacionada à presença do problema nos pais. “Se um dos pais sofre de asma, o risco de a criança apresentar a doença é de 25%, percentual que aumenta para 50% caso ambos pais apresentem o problema”, afirma.

Os sintomas mais comuns em uma crise de asma são a tosse, o chiado na expiração, a falta de ar e a sensação de aperto ou opressão no peito, podendo variar de intensidade em cada caso. É comum um quadro de asma ter início com crises leves, de pouca duração, que cedem facilmente. A cada inverno, no entanto, os ataques podem ser mais intensos e demorados, até se tornarem contínuos.

O que é a rinite alérgica?

A rinite alérgica, por sua vez, se parece muito a um resfriado, sendo causada por alergia, em especial à poeira e aos ácaros, alergenos muito presentes nessa época do ano. Embora não seja uma doença grave, pode se tornar muito incômoda, causando espirros repetidos, coriza líquida e abundante, com coceiras no nariz, olhos, ouvidos e garganta. Com o passar do tempo, pode acometer outros locais próximos, surgindo outros problemas como sinusites, otites, amigdalites e asma.

Informações parciais. Confira o texto na íntegra, acessando o site:  http://www.maxpressnet.com.br/

Visite nosso site: http://www.vivamelhoronline.com.br

Alergia a Animais

Quando se fala em alergia a animais, muitos associam a causa do problema aos pelos ou às penas. Mas isso não é 100% verdade. Na realidade, o maior vilão desse problema é o grande aumento de ácaros no ambiente causado pela presença dos bichos de estimação. Isso ocorre porque, além de pelos, os bichinhos soltam muita pele – e o ácaro, que se alimenta desses fragmentos, procria aceleradamente.

slideshow-animaisdomesticos-12

De acordo com o dr. Hélio Schainberg, médico do corpo clínico do Hospital Israelita Albert Einstein (HIAE) e especialista no assunto, 95% dos casos, na cidade de São Paulo são causados por ácaros, e não por pelos ou penas.

Os outros 5% têm como uma das causas o pelo dos animais. “Já com os gatos, a causa pode estar também na saliva do animal. O bichano se lambe muito e as partículas (proteínas) alergênicas presentes na saliva ficam impregnadas na pele e no pelo, provocando reações alérgicas nas pessoas sensíveis”, explica o dr. Schainberg.

Primeiros sinais

Para que os sintomas se manifestem, não é preciso contato direto com o bicho. Um encontro com seu dono ou com pessoas que brincam com ele pode ser suficiente para disparar os primeiros sinais de irritação. “Quem tem predisposição à alergia, com o tempo de contato pode se sensibilizar e então passar a ter sintomas”, afirma a dra. Cristina Kokron, alergista do HIAE. Além disso, no caso dos gatos, o dono pode levar o alérgeno na roupa e desencadear ou acentuar a crise em quem sofre do problema.

De modo geral, esse tipo de mal tem componente genético. Os médicos afirmam que, se um membro da família é alérgico, os descendentes têm 50% de probabilidade de ter o problema. “Se forem dois familiares, o risco dos demais parentes diretos sobe para 75%”, afirma o dr. Schainberg.

Quanto aos sintomas, podem ocorrer alergia na pele, congestão nasal, coceira, espirros, coriza, rinite, asma e conjuntivite. Há também a possibilidade, embora rara, de desencadear anafilaxia – reação alérgica rápida e grave, com sintomas cutâneos, respiratórios, digestivos ou circulatórios – e até choque anafilático, decorrente de queda da pressão arterial, taquicardia e distúrbio de circulação sanguínea, podendo ser acompanhado do fechamento das vias respiratórias.

“Quem tem alergia crônica e intensa deve ter sempre o contato de um especialista de confiança ou um clínico geral, pois caso ocorra uma crise aguda grave poderá ser necessário tomar atitudes rápidas e até encaminhar o paciente ao pronto-socorro”, afirma o dr. Schainberg.

A importância do controle

É possível a convivência entre bichos de estimação e pessoas alérgicas. Basta, é claro, verificar a gravidade do problema e tomar algumas medidas preventivas. “O animal é importante para o desenvolvimento da criança e faz as vezes de companheiro para adultos e idosos. Simplesmente tirá-lo da vida da pessoa nem sempre é a melhor saída”, alerta o dr. Schainberg. Para começar, é preciso dar banho no bichinho pelo menos uma vez por semana. Assim você diminui a quantidade de pele e de pelos que caem no ambiente e de saliva (no caso dos gatos).

Outro ponto essencial é deixar o bicho de estimação dormindo no quintal ou na área de serviço. Ele deve ficar por pouco tempo nas áreas comuns. Vale, nesse caso, aderir aos passeios pela vizinhança, para que o animal tenha espaço e faça exercícios. E, o mais importante, varrer ou aspirar o pó diariamente e higienizar a casa, uma ou duas vezes por mês, com aspirador de pó – os melhores são equipados com filtro de água – para eliminar ácaros.

Para fazer o diagnóstico de alergia, é preciso ter em mente o histórico familiar. É fundamental também realizar teste cutâneo e exame de sangue para identificar o agente causador. E, como parte do tratamento, são recomendados pelos médicos apenas métodos tradicionais, como corticoide nasal, descongestionante oral e antialérgico. “Em alguns casos, pode ser indicada a imunoterapia específica, ou seja, vacina contra o fator desencadeante”, afirma a dra. Cristina.

Informações parciais. Confira o texto na íntegra, acessando o site: http://www.einstein.br

Asma – Prevenção e Tratamento

O que sente uma pessoa com crise de asma?

As crises de asma são geralmente recorrentes e caracterizadas por chieira, falta de ar, tosse seca e desconforto torácico (“aperto no peito”), podendo causar grande sofrimento. Elas predominam à noite e no início da manhã.

Considera-se que 80% dos asmáticos tenham rinite e 50% dos pacientes com rinite tenham asma. Uma associação da asma com eczema (doença alérgica da pele) confere maior gravidade à asma.

Quais os agentes ambientais intradomiciliares relacionados ao desenvolvimento da asma?

  • Ácaros, pêlos de cães e gatos, alérgenos de baratas e os fungos (mofo). Estes alérgenos se acumulam no travesseiro, na cama (uma cama pode conter cerca de dois milhões de ácaros), no cobertor, na cortina, no carpete, em bichinhos de pelúcia e em qualquer lugar que acumule poeira;
  • Aquecedores e fogões a gás;
  • Fumaça de cigarro;
  • Queima de madeira para aquecimento de lareiras;
  • Odores fortes (perfumes, produtos de limpeza, frituras, tinturas).

Quais os fatores que desencadeiam uma crise de asma?

  • Alérgenos e irritantes;
  • Infecções de vias aéreas;
  • Exercício físico (asma desencadeada por exercício);
  • Refluxo gastro-esofágico;
  • Certas medicações e alimentos;
  • Causas emocionais: os fatores emocionais isolados não provocam a asma, entretanto, a ansiedade e o estresse podem causar a fadiga, que pode também aumentar os sintomas da asma e agravar uma crise.

Quais os cuidados a serem tomados para prevenção?

  • Encapar colchões e travesseiros;
  • Lavar semanalmente as roupas de cama;
  • Retirar cortinas, tapetes, carpetes;
  • Evitar animais domésticos;
  • Promever a ventilação do ambiente.

Qual o papel da imunoterapia no tratamento de manutenção da asma? 
A imunoterapia consiste em administrar repetidamente (geralmente por via subcutânea) extratos dealérgenos específicos com o objetivo de induzir proteção no paciente contra os sintomas alérgicos desencadeados por tais alérgenos. O seu maior benefício tem sido demonstrado no tratamento da rinitealérgica.

Em relação à asma, revisão recente da literatura realizada pelo grupo Cochrane demonstrou benefício da imunoterapia no seu tratamento. No entanto, importantes questionamentos ainda permanecem, principalmente a respeito de qual paciente se beneficiaria de tal estratégia e qual seria a sua eficácia a longo prazo. Além disso, os seus benefícios são modestos quando comparados com o corticóide inalatório. Assim, a postura mais aceita atualmente é de considerar a imunoterapia para aqueles pacientes em que o controle ambiental e o uso de medicamentos (incluído o corticóide inalatório) falharam em controlar a doença.

Informações parciais. Confira o texto na íntegra, acessando o site: http://www.news.med.br/

Doenças Respiratórias

viva-06

Todo ano é assim, chega o inverno e com ele aumenta o número de pessoas queixando-se do agravamento de sua bronquite, sinusite, resfriado, rinite, amigdalite e outras doenças respiratórias que não escolhem suas vítimas. Elas atacam crianças e adultos sem distinção de sexo. Além das mudanças bruscas na temperatura, aumentam também, os níveis de poluição e a propagação de bactérias e vírus em ambientes fechados.

Principais Doenças Respiratórias

Gripes ou Resfriados: apesar de ainda não existir tratamento específico contra essas viroses, assim denominadas por serem causadas por vírus, sabe-se que você poderá amenizar os sintomas com uma boa alimentação e repouso.Esses distúrbios do aparelho respiratório se apresentam de diversas formas, podendo afetar apenas nariz e garganta, acompanhados de sintomas característicos como espirros, congestão nasal e coriza.

Sinusite: é uma infecção causada por germes que se alojam nas cavidades dos ossos da face, provoca congestão nasal, coriza e dor de cabeça intensa, geralmente agravando a situação com mudanças bruscas de temperatura.

Alergias Respiratórias: poeira doméstica, fungos, pêlos de animais, fumaça, odores fortes como cola de sapateiro e perfumes são apenas alguns entre tantos outros diferentes agentes externos, denominados alérgenos, que provocam reações alérgicas do nosso organismo.

Rinite: a rinite é um processo irritativo das vias nasais, caracteriza-se por espirro, produção excessiva de muco, coceira no céu da boca e congestão nasal.

Asma ou Bronquite: esta reação aos alérgenos causa obstrução e dificulta a passagem do ar pelas vias respiratórias, manifestando-se em forma de chiados no peito e falta de ar. Além da alergia respiratória, mudanças repentinas de temperatura, umidade, desgaste emocional e processos inflamatórios como gripes ou resfriados também contribuem para desencadear uma crise.

Amigdalite: é a infecção das amígdalas palatinas localizadas na parte de trás da garganta, na entrada das vias respiratórias. Elas agem como filtros, ajudando a prevenir que infecções da garganta, boca e seios da face se espalhem para o resto do corpo.

Pneumonia: é um processo inflamatório dos pulmões, causado por vários tipos de microorganismos, havendo tratamento específico para cada um deles. Falta de ar, fraqueza, febre alta, dificuldade de engolir líquidos e diminuição da capacidade para realizar atividades físicas são sintomas característicos da doença. O melhor a fazer é procurar um médico o quanto antes.

Tuberculose Pulmonar: causada por microorganismo denominado Bacilo de Koch, a tuberculose pulmonar atinge principalmente pessoas debilitadas, com deficiência no sistema de defesa orgânica, ou seja, pessoas de vida e alimentação irregular, que fazem uso diário de bebidas alcoólicas, portadores do vírus da Aids (HIV) e pessoas com dietas mal orientadas surgem como um novo e considerável grupo no aumento da incidência de casos.

Recomendações:

– Consuma frutas ricas em vitamina C, tais como laranja, limão, melão, abacaxi, entre outras, além de verduras como couve, alface e agrião.

– Beba sempre bastante líquido.

– Evite bebidas muito geladas.

– Vacine seu filho. A vacinação completa até o primeiro ano de vida previne a criança contra a coqueluche, a tuberculose e outras infecções respiratórias graves.

– Pratique esporte ao ar livre. Correr, nadar ou mesmo caminhar aumentam a capacidade respiratória.

– Não fume. Os efeitos do cigarro são os mesmos para as pessoas que convivem com os fumantes e pioram a situação em ambientes fechados.

– Mantenha a sua casa sempre bem ventilada, principalmente os quartos de dormir.

Foto: Reprodução.


Twitter @vivamelhor

Enter your email address to follow this blog and receive notifications of new posts by email.

Junte-se a 2.199 outros seguidores

Calendário

setembro 2019
S T Q Q S S D
« ago    
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30  

Arquivos

Estatísticas do Blog

  • 973.374 hits
Anúncios

%d blogueiros gostam disto: