Posts Tagged 'falta de ar'

ASMA

PIxabay Mulher Doente young-woman-2239269_1920

Asma é o estreitamento dos bronquíolos (pequenos canais de ar dos pulmões), dificultando a passagem do ar e provocando contrações ou broncoespasmos. As crises comprometem a respiração, tornando-a difícil. Quando os bronquíolos inflamam, segregam mais muco o que aumenta o problema respiratório.

Trata-se de uma doença crônica bastante comum que afeta tanto crianças quanto adultos, sendo um problema mundial de saúde, acometendo cerca de 300 milhões de pessoas e uma das principais responsáveis pelas faltas escolares e no trabalho.

Estima-se que no Brasil existam aproximadamente 20 milhões de asmáticos. 

Sintomas da Asma:

– falta de ar ou dificuldade para respirar

– sensação de aperto no peito ou peito pesado

– chio ou chiado no peito

– tosse

Esses sintomas variam durante o dia, podendo piorar à noite ou de madrugada e com as atividades físicas. Os sintomas também variam ao longo do tempo e podem desaparecer sozinhos, mas a asma não se extingue, uma vez que não tem cura.

Alguns fatores podem provocar ou piorar a asma, levando à inflamação dos brônquios. Confira os principais gatilhos da asma: 

– ÁCAROS: organismos microscópicos que se alimentam de descamação da pele humana, de pelos de animais e também do mofo. Os ácaros habitam locais onde há acúmulo de poeira como: colchões e travesseiros, carpetes, bichos de pelúcia, estantes, papéis e até pelo de animais. Os ácaros e seus excrementos pioram a asma por aumentar a inflamação dos brônquios.

– FUNGOS: micro-organismos que crescem a uma temperatura  acima  de 37ºC e umidade acima de 50%. Estes são encontrados  no fim do verão e no outono, estações em que predominam ventos quentes. Casas escuras, úmidas e mal ventiladas são ideais para o crescimento dos fungos. Dentro das casas os fungos podem crescer no sistema de ar condicionado, paredes de banheiros, fendas de superfícies. Misturam-se com a poeira dos carpetes, colchas, livros e refrigeradores. Também pioram a asma por aumentar a inflamação dos brônquios.

– PÓLENS: são gatilhos comuns (flores, gramas, árvores) que predominam fora de casa sendo carregados pelo vento. A polinização se dá  após uma chuva prolongada, seguida de um clima seco sendo comum na primavera. Os pólens também pioram a asma por aumentar a inflamação dos brônquios.

– ANIMAIS DE ESTIMAÇÃO: os pelos de animais podem piorar a asma, mas o grau e a frequência da exposição determinarão os sintomas. Além dos pelos, a descamação da pele do animal, a saliva, a urina e outros tipos de excreções podem ser gatilhos da asma e essas podem ficar no ambiente por até seis meses após a retirada do animal. Alguns animais são considerados capazes de provocar alergias mais do que outros, tais como gatos e cavalos.

– FEZES DE BARATA: exposição a fezes pode provocar sintomas de asma. Piora por aumento da inflamação dos brônquios.

– INFECÇÕES VIRAIS: algumas infecções virais são capazes de causar sintomas de asma ou de piorá-la e entre eles o vírus da gripe e do resfriado comum. Alguns asmáticos são mais sensíveis do que outros.

– FUMAÇA DE CIGARRO: a fumaça do cigarro é prejudicial aos asmáticos, mesmo se o doente não fumar. Asmáticos filhos de pais fumantes estão sujeitos a piora dos sintomas e da própria gravidade da asma. A fumaça do cigarro, além de aumentar os sintomas também pode aumentar a inflamação dos brônquios.

– POLUIÇÃO AMBIENTAL: a exposição à poluição do ambiente em geral e poluição do ambiente de trabalho também pode piorar a asma.

– EXPOSIÇÃO AO AR FRIO: ar muito frio e seco pode desencadear sintomas de asma por irritar os brônquios do asmático. Contudo, esse ar tem que ser muito frio, como o que ocorre nos invernos.

Informações parciais das fontes:

https://sbpt.org.br/espaco-saude-respiratoria-asma/

https://drauziovarella.com.br/doencas-e-sintomas/asma/

A asma que atinge cerca de seis milhões de pessoas no Brasil

A asma é uma doença crônica que inflama as vias aéreas e dificulta a passagem do ar para os pulmões. Com isso, a pessoa que sofre do problema passa a ter dificuldades para respirar . As crises podem ser provocadas pela fumaça de cigarro, ácaros, pelos de cães e gatos, mofo, aquecedores e fogões a gás e odores fortes de perfumes, produtos de limpeza e tinturas.

asma_consulta

Os sintomas mais frequentes são a falta de ar, tosse seca, chiado e aperto no peito. A diretora do Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos Não Transmissíveis do Ministério da Saúde, Deborah Malta, explica o que as pessoas precisam fazer para evitar as crises de asma.“Então, é muito importante que a família verifique tapetes, cortinas, colchas que ficam sobre a cama durante muitos meses e anos, então isso sempre tem que ser higienizado, sempre lavado para que possa ter a menor proporção de alérgenos possível.

Em crianças é muito comum também o uso de roupas de lã e isso deve ser evitado. As vezes tem também animais de estimação, como cachorros e gatos que soltam pelos e são partículas pequenas que podem desencadear muito esse tipo de crise.”

As pessoas que vivem com asma têm acesso gratuito ao medicamento oferecido pelo programa Farmácia Popular. Para retirar os remédios, basta apresentar um documento de identidade com foto, CPF e receita médica dentro do prazo de validade, que são 120 dias. A receita pode ser emitida tanto por um profissional do SUS quanto por um médico que atende em hospitais ou clínicas privadas.

Informações parciais. Confira o texto na íntegra, acessando o site: http://www.blog.saude.gov.br/

Visite nosso site: http://www.vivamelhoronline.com.br

Campanha gratuita contra alergias respiratórias de inverno

Só no Brasil, cerca de 20 milhões de pessoas sofrem de asma, enquanto a rinite afeta 26% das crianças

como_saber_se_estou_com_asma

Idealizado e coordenado pelo médico Marcello Bossois, o projeto social Brasil Sem Alergia é um centro de atendimentos gratuitos para os mais variados tipos de processos alérgicos e doenças ligadas ao sistema imunológico, que atualmente conta com três postos na Baixada Fluminense. Nascido em 2007, a ação social já ofereceu mais de 120 mil consultas gratuitas – equivalente à população de Resende (Rio de Janeiro) – com a realização de diversos procedimentos de prevenção, controle e combate dessas doenças. Com a proximidade do inverno, o Brasil Sem Alergia assume um papel muito importante, desenvolvendo uma grande campanha de tratamento das alergias respiratórias, doença que aumenta significativamente na nova estação.

Em maio, foi inaugurada a terceira unidade do projeto, em Xerém, na Baixada Fluminense, no Centro Médico Estrela de David, na Praça da Mantiqueira 18. A sede da iniciativa está localizada na Rua Conde de Porto Alegre, nº167, no bairro 25 de Agosto, Duque de Caxias. O outro posto de atendimentos localiza-se na Cruz Vermelha de Nova Iguaçu, na Rua Coronel Bernardino de Melo 2085. As consultas são oferecidas de segunda à sexta, das 9hs às 18hs. Os interessados já podem agendar seus horários pelos telefones (21) 3939-0239 ou (21) 2652-2175.

O inverno e as alergias respiratórias

A nova estação vai chegar no final deste mês, no dia 21, trazendo temperaturas mais baixas, com noites mais frias, repentinas alterações climáticas e a presença de um ar mais seco e poluído. É, portanto, a hora de tirar do armário aqueles casacos guardados desde o último inverno, provavelmente impregnados de ácaros e poeira – maiores inimigos de quem sofre de alergia. Para piorar a vida dos alérgicos, o período ainda apresenta uma diminuição na quantidade de chuvas e ventos, dificultando a dispersão de poluentes e tornando mais frequentes as chamadas inversões térmicas.

A junção destes fatores, somados a maior presença das pessoas em locais fechados – com pouca ventilação, são responsáveis pelo desencadeamento de inúmeros processos de alergias respiratórias. “O inverno é a estação que os alérgicos mais sofrem, sobretudo pelas bruscas mudanças climáticas e pela a alta exposição a alergenos, como os ácaros e poeira, a qual são expostos”, analisa o Coordenador Técnico do Brasil Sem Alergia, Dr. Marcello Bossois. “Estima-se que as alergias respiratórias aumentem 40% durante a estação”, alerta o alergista.

As incômodas alergias respiratórias, que podem ir de uma simples rinite alérgica até uma asma de fundo alérgico (que pode se transformar em um quadro complicado de pneumonia), podem afetar pessoas de qualquer idade. As mães, entretanto, devem estar muito atentas aos primeiros sinais dessas alergias nos pequenos, pois as crianças que apresentam asma têm muito mais chance de desenvolver pneumonia. Segundo a OMS, mais de 300 milhões de pessoas sofrem de asma em todo o mundo, sendo as crianças mais da metade dos casos.

Uma simples alergia pode se tornar algo bastante preocupante, já que a doença aumenta muito as chances de uma infecção secundária. De acordo com o médico, uma alergia de fundo respiratório mal cuidada pode provocar, por exemplo, uma grave pneumonia crônica, caso a inflamação da mucosa respiratória e o acúmulo de secreção nas vias respiratórias se mantenham por um longo período. “Aproximadamente 35% da população mundial sofre de algum tipo de alergia, então é muito importante que todos estejam atentos aos primeiros sinais de uma alergia respiratória, que poderá se manifestar através de espirros constantes, tosses e/ou falta de ar”, adverte o especialista.

Só no Brasil, cerca de 20 milhões de pessoas convivem de forma persistente com a asma, enquanto a rinite afeta aproximadamente 26% das crianças e 30% dos adolescentes, segundo a Associação Brasileira de Alergia e Imunopatologia (ASBAI). A asma é a quarta maior causa de hospitalização no Brasil, resultando em cerca de 400 mil internações por ano em todo o país (Datasus, 2001). Por ano, mais de 250 mil pessoas morrem em decorrência da doença ao redor do mundo, com base em dados da Organização Mundial de Saúde.

O que é a asma?

A asma é uma inflamação do pulmão e das vias aéreas que provoca inchaço e encurtamento dos brônquios, comprometendo diretamente a qualidade de respiração dos pacientes. Ela é uma doença de fundo alérgico, com diversos fatores causadores, como substâncias ou produtos que irritam as vias aéreas, mudanças bruscas de temperatura ou até fatores emocionais. É conhecida por ser uma doença comum em crianças, até porque elas são 60% dos casos da doença, mas também pode surgir em adultos, inclusive a partir de infecções por vírus e bactérias.

A genética também apresenta um papel importante no desenvolvimento da asma, aponta Dr Marcello. Segundo o médico, que também integra o Consórcio Internacional de Terapia Gênica, o risco de surgimento da doença na infância está relacionada à presença do problema nos pais. “Se um dos pais sofre de asma, o risco de a criança apresentar a doença é de 25%, percentual que aumenta para 50% caso ambos pais apresentem o problema”, afirma.

Os sintomas mais comuns em uma crise de asma são a tosse, o chiado na expiração, a falta de ar e a sensação de aperto ou opressão no peito, podendo variar de intensidade em cada caso. É comum um quadro de asma ter início com crises leves, de pouca duração, que cedem facilmente. A cada inverno, no entanto, os ataques podem ser mais intensos e demorados, até se tornarem contínuos.

O que é a rinite alérgica?

A rinite alérgica, por sua vez, se parece muito a um resfriado, sendo causada por alergia, em especial à poeira e aos ácaros, alergenos muito presentes nessa época do ano. Embora não seja uma doença grave, pode se tornar muito incômoda, causando espirros repetidos, coriza líquida e abundante, com coceiras no nariz, olhos, ouvidos e garganta. Com o passar do tempo, pode acometer outros locais próximos, surgindo outros problemas como sinusites, otites, amigdalites e asma.

Informações parciais. Confira o texto na íntegra, acessando o site:  http://www.maxpressnet.com.br/

Visite nosso site: http://www.vivamelhoronline.com.br

Dicas para Prevenir Crises de Asma

Campanha-DIA-DE-PREVENCAO-A-ASMA-2013

Asma na Infância

Não há nada mais triste e assustador do que presenciar uma criança com tosse seca, chiado no peito e falta de ar, praticamente sem fôlego, pique e ânimo para participar de brincadeiras.

bigstock-Boy-having-respiratory-illness-41175976

O problema é que o risco dos futuros papais precisarem enfrentar e presenciar cenas como essas está cada vez maior.

Estima-se que existam 300 milhões de pessoas com as ma no mundo e que uma a cada 250 mortes seja atribuída a este processo inflamatório crônico que atinge os pulmões e brônquios. Hoje é a enfermidade mais comum em crianças.

Um estudo mundial sobre alergias e asma na infância a pre sentado no 14º Congresso Latino-americano de Pediatria, realizado há poucas semanas, em Punta Cana, República Dominicana, mostrou que os índices dessa doença respiratória continuam aumentando entre os escolares e que ela já pode ser considerada um problema de saúde pública. De acordo com o International Study of Asthma and Allergies in Childhood (ISAAC) – que nos últimos oito anos avaliou meninos e meninas na faixa etária dos seis e sete anos -, na América La tina, o aumento do número de casos de asma variou de 19,9% em 1997 para 21,4% em 2006. A região, aliás, no contexto mundial, é a que apresenta a terceira maior taxa de asma na população (20,10%), só perdendo para a América do Norte (20,3%) e Oceania (24,25%). No Brasil, 21,3% das crianças apresentavam algum grau de asma em 1997. Em 2006, este índice pulou para 24,4%.

Fatores de risco
 Histórico familiar, presença de parentes de primeiro grau com alergias, especialmente se for a mãe.

Bebês que não foram submetidos a aleitamento materno.

Introdução precoce a alimentos que podem causar alergias, como leite de vaca, ovos, amendoim, nozes, peixes. Recomenda-se que o leite de vaca seja introduzido só após um ano de idade; ovos, após os dois anos; e peixes, nozes e amendoim, após os três anos.

Exposição freqüente ao cigarro.

Quanto às razões para estes números, os especialistas ainda não sabem precisar. Mas sugerem fatores ambientais como os culpados, além de uma predisposição genética (bebês com algum parente alérgico, especialmente a mãe). “Acreditamos que a pobreza, a poluição, a industrialização e a umidade no clima dos países tropicais possam interferir, favorecendo o contato com os alérgenos (os agentes desencadeantes das crises asmáticas, como poeira e mofo)”, explica o médico mexicano Ma nuel Baeza, pesquisador da Universidade Autônoma de Yucatán e coordenador do ISAAC no México.

Segundo os especialistas, as armas para barrar esse avanço da asma no mundo, e especialmente na infância, são mais simples do que as pessoas imaginam. Segundo o especialista mexicano, a primeira recomendação é o investimento na prevenção primária, antes que o bebê desenvolva os primeiros sinais de que poderá ser uma vítima futura da asma.

Informações parciais. Confira o texto na íntegra, acessando o site: http://revistavivasaude.uol.com.br

Asma ainda mata 2,5 mil pessoas por ano no Brasil

Ontem, dia 21 de Junho, foi celebrado o Dia Nacional da Asma, doença que alcança mais de 22 milhões de brasileiros, segundo dados da Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia. Apesar de ser controlável por tratamento, que é oferecido gratuitamente na rede pública, a doença ainda mata cerca de 2,5 mil pessoas por ano, de acordo com o Ministério da Saúde.

Divulgada nacionalmente, uma complicação de asma matou o filho mais novo do presidente da Embratur, Marcelo Dino, de 13 anos, no dia 14 de fevereiro passado, depois de uma crise quando estava internado no Santa Lúcia, um dos mais conhecidos hospitais privados da capital federal. As circunstâncias da morte foram investigadas pelo Ministério Público do Trabalho e pela Polícia Civil do Distrito Federal.

A asma é uma inflamação pulmonar crônica, multifatorial, transmitida geneticamente, caracterizada por episódios recorrentes de falta de ar, tosse, chiado e aperto no peito. Na maioria dos casos, o problema começa na infância, mas pode surgir em qualquer faixa etária, como explica a alergista e imunologista pediátrica do Hospital da Criança, Cláudia França Valente.

Para prevenir os ataques, a pessoa deve ter cuidado com ambiente onde mora, segundo ela. O local deve ser iluminado, arejado e com a menor quantidade de objetos possível, para impedir a retenção de poeira. A Secretaria de Saúde do DF realizará a partir de amanhã (22), até 29 de junho, a 8ª Semana de Combate à Asma. No evento, serão realizadas palestras educativas para o público em geral sobre a doença.

O pneumologista e professor da Universidade de Brasília (UnB), Ricardo Martins, orienta que, além de cuidar do ambiente e usar os medicamentos, o asmático também deve manter uma vida saudável, se alimentar bem, ter boa qualidade de sono e praticar atividade física. ‘É uma doença que, apesar de não ter cura, tem tratamento, e os pacientes garantem a qualidade de vida’, explicou.

A alergista Cláudia Valente completa que a atividade física não é só a natação, mas qualquer exercício, como o futebol, a caminhada ou a corrida. ‘A prática esportiva ajuda porque aumenta a capacidade respiratória e a resistência à crise. Entretanto, a prática do esporte deve ser orientada pelo médico, e só deve ser feita sob a orientação desse profissional, se a asma estiver sob controle’, ressaltou.

Se a doença for tratada adequadamente, o paciente pode deixar de usar a medicação. ‘É como na hipertensão. O paciente passa pelo tratamento para se chegar ao controle da doença, mas não há cura. Em alguns casos, o asmático chega a deixar de usar o medicamento, mas deve estar sempre atento para que a doença não volte. Quando se está em tratamento, a medicação deve ser usada regularmente’, explicou a médica.

No entanto, caso a doença não seja tratada adequadamente, o paciente pode morrer. ‘A asma uma doença que pode matar, mas se for bem tratada, isso raramente ocorre’, disse o pneumologista Ricardo Martins.

Informações parciais. Confira o texto na íntegra, acessando o site: http://noticias.br.msn.com

Asma – Prevenção e Tratamento

O que sente uma pessoa com crise de asma?

As crises de asma são geralmente recorrentes e caracterizadas por chieira, falta de ar, tosse seca e desconforto torácico (“aperto no peito”), podendo causar grande sofrimento. Elas predominam à noite e no início da manhã.

Considera-se que 80% dos asmáticos tenham rinite e 50% dos pacientes com rinite tenham asma. Uma associação da asma com eczema (doença alérgica da pele) confere maior gravidade à asma.

Quais os agentes ambientais intradomiciliares relacionados ao desenvolvimento da asma?

  • Ácaros, pêlos de cães e gatos, alérgenos de baratas e os fungos (mofo). Estes alérgenos se acumulam no travesseiro, na cama (uma cama pode conter cerca de dois milhões de ácaros), no cobertor, na cortina, no carpete, em bichinhos de pelúcia e em qualquer lugar que acumule poeira;
  • Aquecedores e fogões a gás;
  • Fumaça de cigarro;
  • Queima de madeira para aquecimento de lareiras;
  • Odores fortes (perfumes, produtos de limpeza, frituras, tinturas).

Quais os fatores que desencadeiam uma crise de asma?

  • Alérgenos e irritantes;
  • Infecções de vias aéreas;
  • Exercício físico (asma desencadeada por exercício);
  • Refluxo gastro-esofágico;
  • Certas medicações e alimentos;
  • Causas emocionais: os fatores emocionais isolados não provocam a asma, entretanto, a ansiedade e o estresse podem causar a fadiga, que pode também aumentar os sintomas da asma e agravar uma crise.

Quais os cuidados a serem tomados para prevenção?

  • Encapar colchões e travesseiros;
  • Lavar semanalmente as roupas de cama;
  • Retirar cortinas, tapetes, carpetes;
  • Evitar animais domésticos;
  • Promever a ventilação do ambiente.

Qual o papel da imunoterapia no tratamento de manutenção da asma? 
A imunoterapia consiste em administrar repetidamente (geralmente por via subcutânea) extratos dealérgenos específicos com o objetivo de induzir proteção no paciente contra os sintomas alérgicos desencadeados por tais alérgenos. O seu maior benefício tem sido demonstrado no tratamento da rinitealérgica.

Em relação à asma, revisão recente da literatura realizada pelo grupo Cochrane demonstrou benefício da imunoterapia no seu tratamento. No entanto, importantes questionamentos ainda permanecem, principalmente a respeito de qual paciente se beneficiaria de tal estratégia e qual seria a sua eficácia a longo prazo. Além disso, os seus benefícios são modestos quando comparados com o corticóide inalatório. Assim, a postura mais aceita atualmente é de considerar a imunoterapia para aqueles pacientes em que o controle ambiental e o uso de medicamentos (incluído o corticóide inalatório) falharam em controlar a doença.

Informações parciais. Confira o texto na íntegra, acessando o site: http://www.news.med.br/


Enter your email address to follow this blog and receive notifications of new posts by email.

Junte-se a 2.292 outros seguidores

Calendário

junho 2017
S T Q Q S S D
« maio    
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930  

Arquivos

Estatísticas do Blog

  • 784,996 hits

Top 5


%d blogueiros gostam disto: