Posts Tagged 'Legumes'

Dia Nacional de Combate ao Colesterol

 

Pixabay Alimentação healthy-food-1348464_1920

Todo ano falamos sobre o Colesterol mas nunca é demais lembrar alguns conceitos básicos sobre o tema. Então vamos lá.

O que é o Colesterol?

O colesterol é uma substância gordurosa encontrada em todas as células no nosso corpo. Ele é essencial para a formação das membranas das nossas células, para a síntese de hormônios, como a testosterona, estrogênio, cortisol e outros, para a produção da bile, para digestão de alimentos gordurosos, para formação da mielina (uma bainha que cobre os nervos), para metabolização de algumas vitaminas (A, D, E e K), etc.

O colesterol do nosso organismo tem duas origens:

a) endógena – o colesterol é produzido pelo nosso próprio corpo, principalmente pelo fígado.

b) exógena – o colesterol também pode ser é adquirido através dos alimentos.

Tipos de Colesterol

Como se trata de uma substância gordurosa, o colesterol não se dissolve no sangue. Portanto, para viajar através da corrente sanguínea e alcançar os tecidos periféricos, o colesterol precisa de um transportador. Essa função cabe às lipoproteínas que são produzidas no fígado. As principais são:

VLDL (Very low-density lipoprotein) também conhecida como triglicérides:  transporta triglicerídeos e um pouco de colesterol.

LDL (Low-density lipoprotein): transporta colesterol e um pouco de triglicerídeos do sangue para os tecidos.

HDL ( High-density lipoprotein): tira colesterol dos tecidos e devolve para o fígado que vai excretá-lo nos intestinos.

Enquanto o LDL e o VLDL levam colesterol para as células e facilitam a deposição de gordura nos vasos, o HDL faz o inverso, promove a retirada do excesso de colesterol, inclusive das placas arteriais. Por isso, denominamos o HDL como colesterol bom e o VLDL e o LDL como colesterol ruim.

A produção das lipoproteínas é regulada pelos níveis de colesterol:

  • Colesterol derivado de gorduras saturadas e gordura trans favorecem a produção de LDL (colesterol ruim)
  • Colesterol derivado de gorduras insaturadas (encontrada no azeite, peixes e amêndoas) promovem a produção do HDL (colesterol bom).

Como Controlar o Colesterol

  • Siga as orientações do seu médico
  • Tenha uma alimentação saudável: indicada para qualquer indivíduo, mesmo aqueles com níveis de colesterol controlados. No final deste post, seguem algumas dicas.
  • Controle o peso corporal: a obesidade e o sedentarismo trazem outros problemas adicionais.
  • Pratique exercícios físicos: procure orientação profissional para realizar exercícios de acordo com sua condição física.

Dicas de Alimentação Saudável

Prefira alimentos in natura: legumes, vegetais, frutas, cereais, etc.

Carnes: prefira peixes e carnes de aves sem pele. Carne vermelha somente sem gordura. Evite embutidos, carnes processadas, camarão, povo e lulas.

Ovos: observe quantos ovos são consumidos diariamente (incluindo no bolos, pães e etc). O ideal são até 4 gemas por semana. A clara não contem colesterol.

Leite e derivados: prefira os desnatados, o mesmo serve para queijos e iogurtes. Dê preferência ao queijo cottage e ao queijo Minas na versão light. Cuidados com os sorvetes cremosos.

Informações parciais das fontes: http://www.mdsaude.com/2011/07/dieta-para-baixar-o-colesterol.html

Vídeo: https://youtu.be/f9r4KzSDzcc

https://www.endocrino.org.br/dia-nacional-de-combate-ao-colesterol/

Imagem: Pixabay

Combinações Saudáveis

pixabay-salmon-518032_1920

No Dia Mundial da Alimentação, falar sobre alimentação saudável é bater mais uma vez na mesma tecla já que falamos sobre assunto no Dia do Nutricionista e estamos sempre dando pitaco sobre a importância das boas escolhas na hora de encher o prato. Mas o assunto vale a pena ser revisto sempre, pois muitas doenças podem ser prevenidas ou mesmo curadas somente com a reeducação alimentar.

Então, vamos falar de “combinações saudáveis”.

Ao preparar seu prato, muitas vezes, a combinação de 2 alimentos pode resultar em inúmeros benefícios, devido à interação entre eles, melhorando a absorção das vitaminas pelo organismo ou bloqueando os malefícios de alguns alimentos.

Confira algumas combinações inteligentes abaixo:

Arroz + Feijão

O aminoácido metionina do arroz e a lisina do feijão formam a proteína, importante para a formação dos nossos tecidos.

Salmão + Salada de Alface, Agrião, Brócolis e Nozes

As vitaminas A (presente no agrião), D (presente no salmão), E (presente no brócolis) e K (presente no alface) precisam de gordura para serem absorvidas, daí que a gordura do salmão entra para exercer esta função.

Cenoura + Laranja

A vitamina C da laranja, combinada com o ácido fenólico da cenoura, baixa os níveis de colesterol ruim, além de prolongar a sensação de saciedade.

Feijão + Rúcula

A vitamina C aumenta em até 30% a absorção do ferro em vegetais.

Carne + Alecrim

O alecrim, quando aquecido, produz os ácidos: carnósico (anti-inflamatório) e rosmarínico (antioxidante). Essa dupla corta o efeito das toxinas da carne.

Tomate + Azeite

O tomate cru ou cozido é rico em licopeno (antioxidante) que neutraliza os radicais livres. Mas o licopeno precisa de gordura para entrar em ação. Daí que entra o azeite.

Ovo + Brócolis + Arroz Integral

O magnésio do arroz com a vitamina D do ovo, ajuda na absorção do cálcio do brócolis.

Atum + Frutas Vermelhas

O ácido elágico, presente no suco de frutas, aumenta a absorção do ômega 3 do peixe que reduz o colesterol ruim.

Fonte: http://super.abril.com.br/ciencia/as-9-combinacoes-de-alimentos-mais-saudaveis-da-culinaria

11 alimentos com “calorias negativas” que emagrecem e nutrem

Todo mundo que costuma brigar com a balança sonha em poder comer o que quiser sem se preocupar com o acréscimo de peso.

Esse privilégio ainda não é fácil de ser obtido, mas há alguns alimentos que podem, sim, ser ingeridos à vontade e, em vez de engordar, ajudam no emagrecimento. Com baixa caloria e muitas fibras, diz-se que têm “calorias negativas”.

saude-alimentos-superpoderosos-01-73055

Segundo a nutricionista Fabiane Alheira, esse nome foi criado porque esse tipo de comida demanda uma quantidade de energia superior ao número de calorias que apresenta.

“Por conta disso existe um déficit. Funciona como uma conta corrente, onde o saldo será negativo se o gasto for maior do que o crédito existente”, explica.

Eles não se confundem com os termogênicos, outros aliados das dietas. Estes são capazes de produzir calor ao serem digeridos e tal aumento no metabolismo deixa o corpo mais ativo para consumir mais calorias.

A especialista, no entanto, deixa claro que o gasto energético varia de pessoa para pessoa e, por isso, no caso dos alimentos com “calorias negativas”, não é possível dizer precisamente qual essa diferença entre ganho e queima de calorias. Além disso, é preciso haver mais estudos para determinar essa quantidade.

Antes de achar que essa é a saída milagrosa para enxugar o excesso de peso, a nutricionista afirma que não vale a pena fazer um regime apenas com essas comidas.

“Mosso organismo necessita de um equilíbrio entre os macronutrientes e os micronutrientes, e, portanto, há necessidade diária de carboidrato, proteína e gordura, sim!”, diz. Confira a seguir alguns exemplos que fazem parte desse grupo e conferem muitos outros benefícios.

Melancia

Rica em fibras e diversos nutrientes, a melancia ajuda também a hidratar, já que é composta por 90% de água.

Uma fatia de 100 gramas contém 35 calorias, além de conter vitaminas A, B1, B2, B3 e C, potássio, cálcio, fósforo e glutationa, uma substância aliada no combate ao envelhecimento precoce. A fruta ainda pode ajudar no combate a hipertensão.

Alface

Presente na maioria das saladas, a alface é outro exemplo de “caloria negativa”, já que a cada 100 gramas há apenas 11 calorias. Por trás dessa leveza, há fibras, ferro, potássio, vitaminas A, C e betacaroteno.

As propriedades medicinais da folha costumam ser exploradas também em chás e sucos, que são usados como calmantes e antialérgicos, por exemplo.

Abobrinha

A abobrinha é um alimento rico em cálcio, magnésio, proteínas e potássio, o que faz com que ela seja uma boa opção não só para quem faz dieta, como também para aqueles que querem cuidar da saúde dos ossos e do coração e pretendem renovar as células.

Tudo isso com um ganho ínfimo de calorias, já que há por volta de 20 kcal em uma porção de 100 gramas.

Pepino

Esse diurético natural tem papel importante no tratamento de cálculos renais e, além disso, tem antioxidantes, que ajudam a evitar o envelhecimento precoce e prevenir câncer, doenças cardiovasculares e infecções.

Entre os nutrientes presentes no pepino estão magnésio, potássio, vitaminas B5 e C e carotenoides. Para completar, 100 gramas do vegetal têm apenas 18 calorias.

Damasco

Ferro, cobre, fósforo, magnésio, potássio, e vitaminas A, B3, B5 e K são algumas das propriedades do damasco, outro alimento com caloria negativa.

Sua ação no organismo é antioxidante, protegendo o corpo contra doenças cardíacas, câncer, envelhecimento e problemas intestinais, já que possui muitas fibras. Uma unidade de damasco seco tem apenas 9 calorias.

Couve

Muito presente na culinária brasileira (felizmente), a couve traz vários benefícios à saúde, já que é repleta de nutrientes como cálcio, ferro, vitaminas C, K e B6, e antioxidantes.

Consumida preferencialmente crua ou com um baixo cozimento, ela pode prevenir o câncer, problemas ósseos, infecções e do sistema imunológico. Em uma porção de 90 gramas de couve refogada há cerca de 60 calorias.

Berinjela

Se for consumida crua, a berinjela pode fornecer manganês ao organismo (nutriente que se perde com o cozimento).

Além desse nutriente, outros atributos desse alimento são a grande quantidade de fibras, proteínas, vitaminas A, B1, B2, B5 e C, cálcio, fósforo, ferro, potássio, magnésio, e alcaloides.

Os benefícios que vêm em retorno são a melhora da função intestinal, do sistema cardiovascular, do sistema imunológico e a prevenção de doenças como o câncer. Isso sem falar na ajuda à dieta, já que, em 100 gramas, ela apresenta 20 calorias.

Maçã

Para aproveitar os benefícios que a maçã apresenta, é importante consumi-la com casca. Além de ter fibras, a “embalagem” da fruta contém pectina, e, se consumida com frequência, ajuda a reduzir as taxas de colesterol e o depósito de gordura nas artérias e melhora a circulação do sangue.

Outros nutrientes encontrados nela são fósforo, ferro, e vitaminas B1, B2 e niacina. Ao consumir uma unidade de 100 gramas, a ingestão média é de 50 calorias.

Beterraba

Com 50 calorias em 100 gramas, a beterraba é outro exemplo de alimento com “calorias negativas”. Além de ajudar a emagrecer, é um dos legumes com mais propriedades antioxidantes, o que previne o organismo de doenças degenerativas e cardiovasculares.

É ainda recheada de vitaminas A, K, B1, B2, B5, B6, B9, C e E, além de apresentar cálcio, potássio, ferro, cobre, manganês e magnésio na composição.

Tais nutrientes ajudam, entre outras coisas, a prevenir a anemia, problemas ósseos e imunológicos.

Mexerica

Além de ser importante no emagrecimento, devido à grande quantidade de fibras, a mexerica é bastante útil na proteção da saúde dos olhos, da pele, músculos e sistema nervoso. Isso porque traz quantidades consideráveis de vitaminas A e C, magnésio, potássio, cálcio e fósforo.

A casca também tem grandes propriedades, que podem ser usufruídas por meio de geleias e compotas. Os nutrientes presentes nela são vitaminas A, B1, B2, Niacina, Vitamina C, cálcio e fósforo. Em 100 gramas da fruta, há 50 calorias.

Alho

Os benefícios do alho vão muito além do bom tempero. Sua composição, que traz vitaminas A, B2, B6, C, ferro, silício, iodo, selênio, alicina, entre outros, atua fortemente no melhor funcionamento cardiovascular e do sistema imunológico.

Informações parciais. Confira o texto na íntegra, acessando o site: http://exame.abril.com.br/

Visite nosso site: http://www.vivamelhoronline.com.br

Cinco alimentos que fortalecem o sistema imunológico

Você sofre de resfriados e gripes com mais freqüência do que gostaria? Existe uma maneira de evitá-los sem recorrer a remédios ou vitaminas extras.

141020054642_yogurt_624x351_thinkstock

Uma mudança na alimentação pode ser suficiente para acabar com os resfriados recorrentes. Alguns alimentos fortalecem a defesa do organismo para combater doenças e vencer a batalha contra bactérias e vírus.

“Uma dieta equilibrada que inclua legumes, frutas e outros produtos naturais é a melhor maneira de fornecer ao sistema imunológico vitaminas e minerais que vão fortalecê-lo”, disse à BBC Emma Williams, da Fundação Britânica de Nutrição.

Aqui está uma lista de cinco alimentos que ajudam a combater os invasores do corpo.

Moluscos

Esses animais marinhos, entre eles mariscos, ostras e lulas, contêm zinco, um componente essencial do sistema imunológico celular.

De acordo com um artigo na Faculdade de Medicina da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, no corpo humano, quando há uma deficiência deste elemento, as células de defesa (ou linfócitos), que coordenam a resposta imune celular, não funcionam de forma adequada.

No entanto, é importante ter em mente que o excesso dessa substância pode inibir o mecanismo de defesa do organismo contra a doença.

De acordo com o Serviço Nacional de Saúde do Reino Unido (NHS, na sigla em Inglês), a quantidade diária recomendada de zinco para as mulheres é entre 4 e 7 miligramas e para homens é entre 5 e 9 mg.

Iogurte

Assim como outros produtos lácteos e fermentados, esse alimento tem probióticos, também conhecidos como “bactérias boas”.

São microrganismos vivos que, quando administrados em quantidades adequadas, são capazes de regular a resposta do sistema imunológico, de acordo com a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO, por sua sigla em Inglês).

De acordo com um artigo da Clínica Mayo, nos Estados Unidos, os probióticos têm vários benefícios para os seres humanos, incluindo a prevenção de gripes e resfriados, além de diminuir a gravidade dos sintomas, caso a doença não possa ser completamente evitada.

Ainda segundo o mesmo documento, as “bactérias boas” também ajudam a prevenir infecções vaginais, do trato urinário e também a acelerar a recuperação de certas infecções intestinais, como a síndrome do intestino irritável.

Alho

Em testes laboratoriais, os investigadores descobriram que o alho tem propriedades que permitem combater a infecção, as bactérias, vírus e fungos.

Embora mais estudos sejam necessários para determinar os benefícios específicos dessa planta em humanos, uma pesquisa feita nos países do sul da Europa encontrou uma ligação entre a freqüência de consumo de alho e cebola e uma redução do risco do desenvolvimento de certos tipos câncer.

De acordo com a WebMD, um site americano com informações relacionadas a saúde, o alho tem uma variedade de antioxidantes que ataca os “invasores” do sistema imunológico. “Um de seus alvos é a Helicobacter pylori, uma bactéria associada com algumas úlceras e câncer de estômago.”

Cereais

Vários estudos científicos sugerem que a deficiência de vitamina B6 – encontrada na aveia, no germe de trigo e de arroz – diminui a resposta do sistema imunológico.

Um exemplo disso, de acordo com um artigo na Faculdade de Medicina da Universidade de Harvard, nos EUA, é a capacidade das células de amadurecerem e se transformarem em vários tipos de linfócitos.

Quantidades moderadas de cereais para complementar o nível de deficiência de vitamina B6 restaura o funcionamento do sistema imunológico.

“Grãos (carne, peixe, nozes, queijo e ovos) também têm selênio, que também beneficia o sistema imunológico, diminui as doenças infecciosas em idosos e ajuda na recuperação de crianças com infecções do trato respiratório”, Williams explica.

Frutas cítricas

De acordo com um artigo da National Library of Medicine, os resfriados de pessoas que consomem regularmente a vitamina C, presente em frutas cítricas, podem durar menos tempo e os seus sintomas nesses casos são geralmente menos graves.

“Em adultos, a duração é reduzida em 8% e em crianças por 13,6%. Estudos têm mostrado que, em pessoas que fazem exercício físico nos meses de inverno ficando exposto ao frio extremo, o consumo de vitamina C reduziu pela metade a chance de ficar resfriado “, acrescenta Williams.

Deve-se considerar, no entanto, que, uma vez que já se tem a doença, as frutas cítricas não têm efeitos terapêuticos.

A vitamina C é importante para a formação da proteína usada na pele, tendões, ligamentos e vasos sanguíneos.

Informações parciais. Confira o texto na íntegra, acessando o site: http://www.bbc.co.uk/

Visite nosso site: http://www.vivamelhoronline.com.br

‘Dieta depende mais do ambiente que do indivíduo’, diz psicólogo

O psicólogo e doutor em biologia Paul Rozin, 78, professor na Universidade da Pensilvânia (EUA), dedicou 25 anos da sua carreira a estudar por que escolhemos determinados alimentos e por que comemos de certa maneira.

dieta-dos-pontos

Rozin é um pioneiro da nutrição comportamental, especialidade que cresce na esteira das dificuldades do combate à obesidade no mundo.

A disciplina, além de buscar entender as escolhas alimentares humanas, parte de uma perspectiva realista da nutrição –de que é preciso, por exemplo, aceitar o peso quando este não representa problemas à saúde e promover mudanças no ambiente em vez de confiar demais na força de vontade individual.
Rozin esteve no Brasil neste mês para o 1º Workshop de Nutrição Comportamental e conversou com a Folha.

Ele diz que é preciso fugir do pensamento binário segundo o qual certo alimento “faz bem ou faz mal” para introduzir um conceito importante para a saúde e o emagrecimento: moderação.

Folha – Do que trata a nutrição comportamental?
Paul Rozin – A nutrição comportamental está aí para falar que não é preciso mudar tudo. Sugere mudanças simples: é mais fácil andar mais do que ir à academia, e comer devagar e menos do que deixar de comer.
Um exemplo de aplicação é o seguinte: não adianta falar que a pessoa tem que parar de comer quando “sentir que está satisfeita”, sendo que há outros aspectos envolvidos, como o fato de sempre ter comida gostosa na frente dela. O mais eficaz seria orientar para colocar uma porção menor na mesa ou comprar embalagens menores no supermercado.

Essas pequenas mudanças no cotidiano não são muito limitadas para quem precisa perder muito peso?
Claro que algumas pessoas vão precisar de um programa mais detalhado e, para obesidade mórbida, há a cirurgia bariátrica, quando os benefícios se sobrepõem aos riscos.
Mas há um limite para as mudanças do corpo. Gosto de dizer que é preciso pensar o peso como tão difícil de mudar como a altura. E não se preocupar tanto. Preocupação faz mal à saúde. Dietas preocupam.

Acredita que a nutrição tem colocado muita responsabilidade sobre os indivíduos?
É mais fácil mudar o ambiente que as pessoas. Investir em transporte público, por exemplo, leva as pessoas a andarem mais. Tentamos mudar os indivíduos por muito tempo e falhamos.

Como se pode ter uma educação para a nutrição?
Precisamos entender que uma mesma substância pode apresentar riscos e benefícios. Hoje, o pensamento é binário enquanto os fenômenos são complexos. A ciência não é necessariamente boa ou má, mas precisamos entender como ela funciona para enxergar suas possíveis falhas. A mídia divulga algo sobre determinado alimento, e as pessoas já querem retirá-lo da dieta.

Quais seriam essas falhas?
Não se trata de uma falha propriamente dita, mas de entender, por exemplo, que o antibiótico pode ser bom para muitas aplicações, mas tem um risco em potencial, que é o de resistência.
Ou que as informações de que é preciso eliminar o glúten se destinam àquela parcela de 1% da população que têm reação imune à proteína.

A noção de que as coisas podem ser boas e más ao mesmo tempo não imobiliza? Na prática, não temos que saber o que comer e o que não comer?
Um conceito importante que precisa ser introduzido de fato na alimentação é o de moderação, mas ele parece ter sido esquecido na modernidade. Também está na natureza do ser humano querer fazer do mundo um lugar mais simples. As pessoas não gostam da ideia de que algo que é muito bom possa ter problemas. Então, transformam o que tem problema numa coisa necessariamente ruim. E algo que tem algum benefício para um grupo específico em algo totalmente bom para elas.

Informações parciais. Confira o texto na íntegra, acessando o site: http://www.folha.uol.com.br

Visite nosso site: http://www.vivamelhoronline.com.br

Saiba quais Alimentos ajudam a Rejuvenescer

Cremes anti-idade, botox, cirurgia plástica… Para quem quer parecer mais jovem e bonito, o mercado está cheio de opções. Mais simples, barata e eficiente, outra forma de levantar o visual é investir em alimentos rejuvenescedores. O segredo é começar — desde esta quinta-feira, no Dia Mundial da Alimentação — a apostar em antioxidantes capazes de combater radicais livres que destroem, sobretudo, o colágeno e a elastina, responsáveis pela boa aparência da pele e dos cabelos.

Foto-Reprodução4

Os radicais livres são gerados naturalmente no organismo a partir de átomos de oxigênio. Segundo a nutricionista Monica Dalmacio, coordenadora do curso de Nutrição do Centro Universitário Anhanguera de Niterói, quanto mais uma pessoa ingere moléculas de glicose (açúcar) e gordura, que contêm muitos átomos de oxigênio, mais ela produz radicais livres.

— Quem praticamente não come frutas, verduras e legumes não consegue neutralizar esses radicais — diz.

Para obter o efeito rejuvenescedor dos alimentos antioxidantes, é preciso ingeri-los diariamente, salienta a especialista.

cardapio

Efeito de pílulas é inferior ao dos alimentos

A Organização Mundial da Saúde recomenda o consumo diário de, pelo menos, 400 gramas de vegetais (cerca de cinco porções). Mas quem quer parecer mais jovem também precisa reduzir a ingestão de doces e frituras, para frear a produção de radicais livres. Por dia, o ideal é limitar-se a comer 50 gramas de açúcar e dois gramas de gorduras trans, o que equivale a apenas um biscoito recheado ou três unidades de batata chips.

De acordo com Monica Dalmacio, o efeito de pílulas que prometem o rejuvenescimento é inferior ao dos alimentos antioxidantes, e o uso desses produtos pode até fazer mal à saúde. Além disso, recorrer ao colágeno hidrolisado para deixar a pele firme não traz benefícios, pois a produção da proteína pelo corpo não depende de suplementos.

Informações parciais. Confira o texto na íntegra, acessando o site: http://extra.globo.com/

Visite nosso site: http://www.vivamelhoronline.com.br

Dia Mundial da Alimentação 2014 discute alta de preços

“Preço dos alimentos – da crise à estabilidade“. Este é o tema escolhido pela ONU para o Dia Mundial da Alimentação, que acontece todos os anos em 16 de outubro. O tema levanta uma boa discussão, uma vez que a alta dos preços de alimentos representa uma séria ameaça para a segurança alimentar e nutricional dos países em desenvolvimento.
hipermercados
No Brasil, as atividades que marcam a data já começaram e vão até 17 de outubro, consolidando a Semana Mundial da Alimentação. No dia 17 de outubro, a TV NBr transmitirá uma teleconferência sobre o Dia Mundial da Alimentação, com foco na 4ª Conferência Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional. A teleconferência terá participação da Câmara Interministerial de Segurança Alimentar e Nutricional, do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) e do Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (Consea).
No Brasil e na América Latina
Os preços dos alimentos na América Latina e Caribe reduziram sua taxa de crescimento pelo terceiro mês consecutivo, de acordo com o Relatório Mensal de Preços dos Alimentos da Organização da ONU para a Alimentação e Agricultura (FAO). A inflação dos alimentos na região subiu somente 0,5% em junho, caindo 1% em relação a maio e 1,2% em relação a abril.
A menor taxa de inflação dos alimentos na região em junho responde em grande parte aos movimentos dos preços dos alimentos no Brasil e no México, cujas inflações alimentares apresentaram uma importante redução de 0,6% para -0,1% e 0,6% para 0,1% entre os meses de maio e junho, respectivamente. No último mês, entretanto, no Brasil teve leve alta novamente.
Também houve redução nas taxas de inflação em junho na Colômbia e Paraguai atingindo -0,2% e -0,8%, respectivamente. O Equador, pelo segundo mês consecutivo, também teve taxas reduzidas, chegando a -0,4%. Também registraram reduções em seus níveis de inflação alimentar, Chile, Peru, Colômbia, Paraguai, Costa Rica, Honduras e República Dominicana.
A Bolívia registrou a maior alta da região de 0,7% para 3%, seguido da Nicarágua que subiu de 2% para 2,9% em relação aos meses de maio e junho, respectivamente. El Salvador, Guatemala, Haiti e Panamá também registraram altas na inflação dos preços dos alimentos no mês de junho.
Especialistas acreditam que é hora de reavaliar a política agrícola, que prioriza as exportações do agronegócio em vez do abastecimento interno. “Precisamos pensar melhor em como atender a demanda interna e externa para resguardar a estabilidade de preços nos produtos alimentares”, disse em entrevista à página do MST Guilherme Delgado, pesquisador do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). Temos este mês uma boa oportunidade para debater o assunto.
Informações parciais. Confira o texto na íntegra, acessando o site: http://www.asbran.org.br/

Enter your email address to follow this blog and receive notifications of new posts by email.

Junte-se a 2.287 outros seguidores

Calendário

agosto 2017
S T Q Q S S D
« jul    
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  

Arquivos

Estatísticas do Blog

  • 800,314 hits

Top 5


%d blogueiros gostam disto: