Posts Tagged 'brocolis'

Combinações Saudáveis

pixabay-salmon-518032_1920

No Dia Mundial da Alimentação, falar sobre alimentação saudável é bater mais uma vez na mesma tecla já que falamos sobre assunto no Dia do Nutricionista e estamos sempre dando pitaco sobre a importância das boas escolhas na hora de encher o prato. Mas o assunto vale a pena ser revisto sempre, pois muitas doenças podem ser prevenidas ou mesmo curadas somente com a reeducação alimentar.

Então, vamos falar de “combinações saudáveis”.

Ao preparar seu prato, muitas vezes, a combinação de 2 alimentos pode resultar em inúmeros benefícios, devido à interação entre eles, melhorando a absorção das vitaminas pelo organismo ou bloqueando os malefícios de alguns alimentos.

Confira algumas combinações inteligentes abaixo:

Arroz + Feijão

O aminoácido metionina do arroz e a lisina do feijão formam a proteína, importante para a formação dos nossos tecidos.

Salmão + Salada de Alface, Agrião, Brócolis e Nozes

As vitaminas A (presente no agrião), D (presente no salmão), E (presente no brócolis) e K (presente no alface) precisam de gordura para serem absorvidas, daí que a gordura do salmão entra para exercer esta função.

Cenoura + Laranja

A vitamina C da laranja, combinada com o ácido fenólico da cenoura, baixa os níveis de colesterol ruim, além de prolongar a sensação de saciedade.

Feijão + Rúcula

A vitamina C aumenta em até 30% a absorção do ferro em vegetais.

Carne + Alecrim

O alecrim, quando aquecido, produz os ácidos: carnósico (anti-inflamatório) e rosmarínico (antioxidante). Essa dupla corta o efeito das toxinas da carne.

Tomate + Azeite

O tomate cru ou cozido é rico em licopeno (antioxidante) que neutraliza os radicais livres. Mas o licopeno precisa de gordura para entrar em ação. Daí que entra o azeite.

Ovo + Brócolis + Arroz Integral

O magnésio do arroz com a vitamina D do ovo, ajuda na absorção do cálcio do brócolis.

Atum + Frutas Vermelhas

O ácido elágico, presente no suco de frutas, aumenta a absorção do ômega 3 do peixe que reduz o colesterol ruim.

Fonte: http://super.abril.com.br/ciencia/as-9-combinacoes-de-alimentos-mais-saudaveis-da-culinaria

Alimentos para o Bom Humor

Alimentos e sensações caminham juntos para os seres humanos. Essa ligação começa quando o bebê nasce: ao ser amamentado, ele não apenas é nutrido, mas sente prazer. A explicação para esse envolvimento de nossas emoções é científica: a química dos alimentos é capaz de alterar a produção de neurotransmissores – substâncias que transmitem impulsos nervosos no cérebro e são responsáveis pelas sensações.

alimentos_humor_171010817213484

Por isso, a máxima de que você é o que come se aplica também ao bom humor. Há uma série de alimentos que podem contribuir para melhorar o ânimo porque estimulam a produção dos neurotransmissores responsáveis pelo prazer, bem-estar e euforia – entre os quais serotonina, dopamina, noradrenalina e acetilcolina.

O mais estudado neurotransmissor é a serotonina. “Sua produção pode ser aumentada com o consumo de alimentos ricos em triptofano, um aminoácido, e carboidratos”, explica Rosana Raele , nutricionista do Centro de Medicina Preventiva Einstein. É por isso que quando alguém está chateado e como um doce tem a sensação de que melhorou.

Na Inglaterra, o estudo Food and Mood Project (Projeto Comida e Humor) revelou que mudanças no que comemos podem ser positivas para a saúde mental. Cerca de 200 pessoas fizeram uma dieta recomendada e avaliaram o impacto da mudança nutricional no seu humor. A experiência mostrou que 26% tiveram uma melhora na instabilidade emocional, 24% na depressão e 26% em ataques de pânico e ansiedade. Os indivíduos estudados diminuíram o consumo de açúcar, cafeína, álcool e chocolate e aumentaram o de frutas, peixes e líquidos.

Uma observação importante: ficar muito tempo sem comer reduz os níveis de glicose, o que pode afetar negativamente o humor. Assim, o ideal é alimentar-se seis vezes ao dia: café-da-manhã, lanche, almoço, lanche, jantar e ceia. Um exemplo de cardápio saudável e ótimo para o astral é apresentado adiante.

Fontes de bom humor

Conheça alguns dos principais alimentos que podem ajudar a melhorar e manter o astral.

Chocolate

Além do açúcar, contém tirosina – substância que estimula a produção de serotonina – e minerais importantes como cobre, manganês e magnésio (nutriente que fica em falta no período pré-menstrual). Dispara a produção de endorfina e dopamina, neurotransmissores responsáveis pelo relaxamento. Os mais recomendados são os com 70% de teor de cacau pelo alto poder antioxidante.

Aveia

Cereal que contém altas doses de triptofano. Além do aminoácido que auxilia o organismo a liberar a serotonina, também tem bons níveis de selênio, que colabora para a produção de energia.

Banana madura

Contém duas substâncias que auxiliam o humor: os carboidratos, que estimulam a produção de serotonina e a vitamina B6, que garante mais energia. É ótima como opção de lanche rápido.

Brócolis

Rico em ácido fólico, que é importante para a liberação da serotonina. Além de garantir o bom humor, renova as células e previne defeitos no sistema nervoso dos fetos, portanto é essencial para as gestantes.

Espinafre e folhas verde-escuras

Têm efeito antidepressivo por serem ricos em magnésio – que atua na produção de energia, potássio e vitaminas A, C e do complexo B, que ajuda a manter o sistema nervoso tranquilo.

Frutas oleaginosas

São as nozes, castanhas, amêndoas e a mais poderosa de todas, a castanha-do-brasil. Auxiliam na diminuição do estresse por conterem um importante antioxidante, o selênio.

Laranja, maracujá e jabuticaba

Por terem altas doses de vitamina C, previnem o cansaço e combatem o estresse. Também colaboraram com as defesas do organismo. A jabuticaba ainda tem a vantagem de conter vitaminas do complexo B.

Leite

Produz um efeito relaxante em toda a musculatura graças ao triptofano, que é precursor da serotonina.

Ovos

Contêm substâncias que garantem o bom humor, como a tiamina e niacina (vitaminas do complexo B), além de fazerem bem para a memória.

Peixes e frutos do mar

Grandes fontes de minerais importantes para a atividade cerebral, como o selênio. Também ajudam a combater o cansaço e a ansiedade. Os frutos do mar são ricos em zinco, mineral essencial para o bom humor.

Pimenta

A sensação de ardência é provocada pela capsaicina – substância presente na pimenta – e faz com que o cérebro produza mais endorfina, neurotransmissor responsável pela sensação de euforia. A pimenta-de-cheiro, a vermelha e a malagueta são as melhores para o humor.

Sementes de abóbora e girassol

Ricas em triptofano, além auxiliarem na manutenção do bom humor, também ajudam a melhorar a qualidade do sono. Podem ser consumidas entre as refeições, como lanche.

Alface

Tem poderoso efeito calmante em razão da lactucina, substância presente em maior quantidade nos talos e coração, que devem fazer parte das saladas, juntamente com as folhas.

Momentum-alimentos-do-bom-humor-762x333

Cardápio animado

Uma alimentação balanceada, sem radicalismo e perseguição de determinados itens, é sempre a mais recomendada. “É importante manter o equilíbrio no fornecimento de nutrientes, principalmente os envolvidos em uma estrutura bioquímica essencial como o nosso cérebro”, diz a nutricionista Rosana.

Ela elaborou este exemplo de cardápio com 2000 calorias para um dia com bastante bom humor e energia.

Café da manhã

  • 1 copo de suco de laranja
  • ½ mamão papaia com aveia
  • 2 fatias de pão integral
  • 1 fatia de queijo branco

Lanche da manhã

  • 3 castanhas-do-pará

Almoço

  • Salada de folhas verdes com tomate
  • 3 colheres (sopa) de arroz integral
  • 1 concha de feijão
  • 3 colheres (sopa) de espinafre refogado
  • Salada de frutas

Lanche da tarde

  • 1 banana com aveia

Jantar

  • Salada de folhas verdes / cenoura/ beterraba
  • 3 colheres (sopa) de arroz integral
  • Salmão assado com amêndoas
  • Brócolis sautée
  • Melão ou jabuticabas

Ceia

  • Chá de erva-doce
  • 4 biscoitos integrais

 

Informações parciais. Confira o texto na íntegra, acessando o site:  http://www.einstein.br/

Visite nosso site: http://www.vivamelhoronline.com.br

Osteoporose: Doença Associada a Longevidade

Osteoporose é uma doença nova?

Cristiano Zerbini – Há mais ou menos 25 anos, quando cursei a faculdade de medicina, quase ninguém falava em osteoporose. Hoje, porém, a maior incidência dessa doença transformou-a em tema de constante discussão. Isso se deve ao fato de que as fraturas, principal problema da osteoporose, estão ocorrendo com maior freqüência, porque as pessoas estão vivendo mais e, consequentemente, seus ossos se tornam mais susceptíveis ao desgaste.

A osteoporose é uma doença que, na maioria dos casos, está relacionada com o envelhecimento. Como a média de vida dos brasileiros subiu, tornou-se comum encontrar indivíduos mais velhos com fraturas de vértebras ou no colo do fêmur. Foram esses quadros que determinaram o maior destaque que se dá à doença atualmente.

FORMAÇÃO DA ESTRUTURA ÓSSEA

Você poderia explicar como ocorre a formação da estrutura óssea do esqueleto humano.

Cristiano Zerbini – O osteoblasto é uma célula que produz osso. Existe outra célula, o osteoclasto, que é responsável pela reabsorção do osso. O processo se dá mais ou menos assim: o osteoblasto faz e o osteoclasto retira a massa óssea. Até os 35 anos, construímos nosso esqueleto. Para sermos mais exatos, até os 20 anos, 90% do esqueleto humano estão prontos. Por isso, os adolescentes devem ingerir cálcio, tomar sol e fazer esporte, a fim de garantir a formação de ossos fortes. Dos 35 aos 45 anos, a relação entre as células formadoras e as que reabsorvem o tecido ósseo fica equilibrada. Depois dos 45 anos, as células que destroem o osso ficam mais ativas do que as que o recompõem e começamos a perder parte de nosso esqueleto. Essa perda atinge mais ou menos 0,5% ao ano, o que quer dizer que, em 10 anos, perdemos 5% de massa óssea e, em 20 anos, 10%. Trata-se, porém, de uma perda fisiológica que a medicina considera normal. Entretanto, mulheres após a menopausa, por exemplo, podem apresentar um desgaste mais acelerado e, quando a perda compromete 25% da massa óssea, são classificadas como portadoras de osteoporose, uma doença que deixa os ossos ficam fracos e sujeitos a fraturas. Perdas de 10% a 15% caracterizam a osteopenia. Nesse caso, os conduz à osteoporose.

 O que representa o cálcio para a formação do esqueleto?

Cristiano Zerbini – Cálcio é um elemento fundamental para a formação do esqueleto. É recomendável ingerir 1 grama , ou seja, 1000mg de cálcio por dia. Um litro de leite tem 1000mg desse mineral. Pode ser leite integral ou desnatado, tanto faz. Tirar a gordura do leite não modifica a quantidade de cálcio nele contida.

Tomar um litro de leite por dia, porém, não é qualquer um que consegue. Como incorporar, então, esses 1000mg necessários  na dieta diária? Um copo de leite, pela manhã, representa 250mg. Outros 250mg, retiramos dos alimentos que ingerimos nas demais refeições. Os 500mg restantes podem vir dos outros derivados do leite.

Uma fatia de ricota, de queijo branco ou um copo de iogurte fornecem aproximadamente 250mg de cálcio cada um. Já o queijo tipo suíço é muito mais rico nesse elemento. Portanto, porções menores desse laticínio podem garantir a quantidade adequada para a recomposição da estrutura óssea.

Suponho que boa parte de nossa população não consiga ingerir esses 500mg adicionais necessários para a reconstituição da estrutura óssea, não é?

Cristiano Zerbini – Infelizmente, é verdade. Estudo realizado por uma nutricionista de nossa equipe revelou que, em média, a ingesta diária da população de São Paulo contém entre 600mg e 800mg de cálcio, bastante aquém do necessário, portanto.

Isso pode significar um impacto mensurável na incidência da osteoporose?

Cristiano Zerbini – Sem dúvida. Isso funciona mais ou menos como uma caderneta de poupança. Quanto menos cálcio ingerido até os 35 anos, menor a probabilidade de construir ossos fortes e maior a de desenvolver osteoporose no futuro.

SUPLEMENTAÇÃO DE CÁLCIO

Há necessidade de suplementação de cálcio na infância?

Cristiano Zerbini – As crianças também necessitam ingerir 1000mg de cálcio por dia. Alguns autores defendem que 1200mg seria o número ideal, porque o esqueleto infantil está em formação e precisa de muita matéria-prima. Na natureza, leite e seus derivados são ricos em cálcio e seriam os alimentos indicados para suprir tal carência. Algumas crianças, porém, não gostam de leite in natura. A essas podemos oferecê-lo disfarçado sob a forma de sorvetes, milk-shakes, vitaminas com frutas, doces, pudins, etc. Se mesmo assim, elas não o aceitarem, existem suplementos, como o carbonato de cálcio ou o citrato de cálcio que podem ser administrados convenientemente.

Em alguns casos, as pessoas mais velhas se queixam de obstipação intestinal quando tomam esses medicamentos. Na verdade, é o carbonato de cálcio que prende mais o intestino, mas ele pode ser substituído pelo citrato de cálcio que apresenta menor incidência desse efeito colateral indesejável.

Não podemos esquecer que algumas pessoas nascem com intolerância ao leite, ou seja, produzem pouca ou nenhuma lactase, enzima importante para o metabolismo do leite. O que acontece, então? As pessoas se sentem mal quando tomam leite, porque não fabricam lactase suficiente para digerir a lactose, ou seja, o açúcar  do leite que se acumula no intestino e provoca gazes e diarreia. Para evitar essa inconveniência, duas coisas podem ser feitas: comer queijo e iogurte que costumam provocar menos problemas e partir para leites em pó fabricados sem lactose.

Em relação aos outros alimentos que possuem cálcio, como brócolis  e alguns grãos, por exemplo, é importante observar que praticamente todos os vegetais têm uma substância que se chama fitato  que impede a absorção de cálcio pelo organismo. Por isso, não adianta tentar compensar a falta de ingestão de leite e seus derivados comendo mais verduras. A absorção do cálcio  proveniente delas é muito pequena.

MEDICAMENTOS PARA REPOR CÁLCIO

Você disse que para se fazer uma suplementação de cálcio eficiente é necessário prescrever  comprimidos, de preferência, citrato de cálcio. Isso quer dizer que certos medicamentos líquidos oferecidos às criancinhas não funcionam?

Cristiano Zerbini – Existem alguns remédios que até fazem parte da história de nossa infância que misturam cálcio, fosfato de cálcio e fluoreto de sódio. Sabe-se que não se pode misturar cálcio com flúor, porque esses elementos combinam entre si e são eliminados nas fezes sem que o organismo os absorva. Por isso, se houver a indicação de flúor para proteger a dentição, por exemplo, ele deve ser tomado distante das doses suplementares de cálcio.

 VITAMINA D e CÁLCIO

Em que casos se recomenda a suplementação de cálcio associada à vitamina D?  

Cristiano Zerbini – A vitamina D é fundamental para a absorção do cálcio. Nossa pele fabrica uma substância que precisa da luz do sol, principalmente do sol da manhã que é rico em raios ultravioleta, para transformar-se em vitamina D. Antes que o processo se complete, essa vitamina passa pelo fígado e pelos rins e só depois está pronta para favorecer a maior absorção de cálcio pelos intestinos, assegurando, assim, que ele passe para circulação e desempenhe suas funções no organismo.

Por isso, é tão importante tomar sol. No entanto, pessoas mais velhas frequentemente deixam de observar essa recomendação. Gostam de ficar dentro de casa, usam roupas mais fechadas e a ausência de sol batendo direto sobre a pele prejudica a produção de vitamina D. Além disso, o fígado e os rins dessas  pessoas podem já não estar funcionando tão bem  o que compromete o aperfeiçoamento da vitamina D  nesses órgãos e sua ação adequada no organismo. Por isso, por mais que a pessoa tome cálcio, não assegura que passe o suficiente para a circulação. A necessidade só é suprida quando se prescreve uma pequena sobrecarga em sua dosagem associada à ingestão de vitamina D.

Cristiano Zerbini, médico reumatologista, faz parte do corpo clínico dos hospitais Heliópolis e Sírio-Libanês de São Paulo.

Informações parciais. Confira o texto na íntegra, acessando o site: http://drauziovarella.com.br

Alimentos saudáveis: Agentes para prevenção

            Todos estão cansados de saber que uma boa alimentação contribui bastante para a saúde. No “vai e vem” das mil dietas que existem hoje, acabamos esquecendo o que comemos de nutritivo e o porquê de comermos tais alimentos. Alho, azeite de oliva e soja estão presentes no preparo e no tempero das comidas, mas há alimentos que não tem uma grande divulgação do bem que fazem e são bons candidatos aos alimentos do dia-a-dia.

            Os que gostam de comer bastante chocolate, podem ficar um pouco menos preocupados! O chocolate amargo, segundo estudos da Universidade de Linkoping, na Suécia, diminui cerca de 18% da pressão arterial depois de três horas de ingerido, chegando a ser comparável com medicamentos utilizados em pacientes com problema de pressão. Mas é bom lembrar que apesar de trazer benefícios, traz muitas calorias.

            A pimenta que está presente no preparo e no tempero das comidas, vem sendo usada como matéria prima para a fabricação de remédios que relaxam músculos e cuidam de problemas gastrointestinais. Além dos vários benefícios que ela traz como: auxilia a cicatrização, regula a pressão arterial, ajuda também na perda de peso. Segundo cientistas da Purdue University, na Indiana, basta salpicar a pimenta vermelha na refeição. Isto é porque a pimenta aumenta a temperatura corporal e estimula a queima de calorias.

            Já os alimentos verdes, os brócolis se destacam por apresentar o composto sulforafano, um excelente agente contra as toxinas no pulmão. Presentes nos brotos dos brócolis, o sulforafano ajuda pessoas que possuem doença pulmonar obstrutiva crônica a realizarem a “autolimpeza” do pulmão, eliminando resíduos, bactérias e pequenas partículas de pó. O brócolis está sendo utilizado também  para aumentar as possibilidades de cura do câncer de mama, já que o sulforafano é capaz de matar as células-tronco da doença.

            Continuando na linha do câncer de mama, foi descoberto pela Universidade de Brasília que o feijão-de-corda, pode ser considerado uma arma também. “Ele causa a fragmentação do material genético e altera outras organelas citoplasmáticas das células do câncer”, disse a pesquisadora Sônia Freitas, uma das responsáveis pela descoberta.

                Tendo em vista que os alimentos fazem a diferença na nossa saúde, podemos nos cuidar e prevenir da melhor forma contra várias doenças, muitas delas crônicas e possivelmente terminais. Alimentos quando são usados com moderação e precaução podem ser os melhores remédios que a natureza pode nos proporcionar.

Fontes: Terra, PE 360 Graus.

Texto: Duda

Alimentos Inteligentes

Segundo pesquisas britânicas, as taxas de câncer dobraram nos últimos 30 anos. As causas apontadas no estudo, atribui o crescimento da doença, ao fato de um número maior de pessoas estar vivendo mais tempo e o câncer ser um mal que costuma afetar pessoas idosas. Outro motivo seria o estilo de vida que, cada vez mais, as pessoas levam nos grandes centros urbanos, que envolve muito estresse, má alimentação (fast-food), poluição, sedentarismo e noites mal dormidas.

Para frear esse quadro e buscar um equilíbrio nessa loucura diária, aposte na alimentação! Confira os chamados “alimentos inteligentes” que, além de promoverem o seu bem-estar também podem prevenir seu organismo de vários tipos de cânceres:

Cebola: ajuda na circulação e também no bloqueio das nitrosinas, substâncias tóxicas causadoras do câncer. Outra vantagem do tubérculo é fortalecer o sistema imunológico.

Morango: rico em ácido elágico, combate doenças degenerativas, além de sintomas de estresse. Excelente fonte de ácido salicílico, indicado no tratamento de reumatismo.

Azeite de Oliva virgem ou extravirgem: é antioxidante, possui ácidos graxos e vitaminas E. É um dos principais ingredientes da Dieta Mediterrânea, conhecida por reduzir os riscos de câncer e problemas cardiovasculares.

Repolho: rico em caroteno, vitamina C e B6, a verdura ativa o metabolismo de carboidratos, proteínas e gorduras. Também contém ácido fólico e fibras, o que ajuda a prevenir vários tipos de câncer, principalmente do aparelho digestivo.

Arroz integral: assim como o pão, o arroz integral também possui vitamina B e fibras que contribuem para o bom funcionamento do intestino.

Brócolis: têm compostos importantes para a prevenção de diversos tipos de câncer. O sulforafeno, por exemplo, elimina substâncias químicas das células, responsável por mutações cancerígenas.

Manga: é rico em vitamina A (sobretudo quando madura) C e E. Também Contém sais minerais, como ferro.

Alho: seus compostos antioxidantes como a quercitina, o sulfato de dialil e o ajoeno ajudam a prevenir o câncer e também protegem o coração.

Espinafre: possui minerais como ferro, cálcio e fósforo e vitamina A e do complexo B. Também é rico em ácido fólico, para a manutenção do sangue, ossos e dentes. Protegem a pele, o aparelho digestivo e o sistema nervoso.

Kiwi: é uma fruta rica em vitamina C e fibras solúveis, o que fortalece o sistema imunológico e auxilia no funcionamento do intestino.

Postado por Edson Fabrício
Siga o Blog VMO no twitter: @vivamelhor
Imagem: reprodução


Twitter @vivamelhor

Enter your email address to follow this blog and receive notifications of new posts by email.

Junte-se a 2.198 outros seguidores

Calendário

novembro 2019
S T Q Q S S D
« out    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930  

Arquivos

Estatísticas do Blog

  • 977.909 hits

%d blogueiros gostam disto: