Posts Tagged 'infecção'

Infecção Urinária

pixabay-man-1337750_1280

O verão combina com alegria, banhos na praia e brincadeiras na piscina. Mas calor e umidade, demandam cuidados. Ao permanecermos com as roupas úmidas por muito tempo, criamos um ambiente favorável às bactérias e facilitamos o surgimento de algumas doenças, entre elas, as infecções urinárias.

Infecção do Trato Urinário (ITU), conhecida como Infecção Urinária, é mais comum do que se imagina e exige acompanhamento médico. Trata-se de um quadro infeccioso nas partes do sistema urinário, formado pelos: rins, bexiga, uretra e ureteres.

Tipos de Infecções Urinárias:

  • Cistite: infecção na bexiga
  • Uretrite: infecção na uretra
  • Pielonefrite: infecção nos rins
  • Infecção dos ureteres 

Os tipos mais comuns são as infecções nas partes mais baixas: a cistite e a uretrite.

Alguns Fatores de Risco:

  • Sistema imunológico baixo 
  • Uso de cateter para urinar
  • Menopausa
  • Relação sexual desprotegida
  • Uso de roupas úmidas por muito tempo
  • Segurar a urina por muito tempo
  • Má higiene

A infecção urinária é mais comum em mulheres porque o tamanho da uretra feminina é menor, facilitando o acesso das bactérias. Além disso, as mulheres urinam com menos frequência e a higiene íntima feminina requer alguns cuidados adicionais.

Sintomas mais comuns:

  • Aumento na frequência e urgência para urinar
  • Ardência ao urinar
  • Alteração na cor da urina

Quando a infecção afeta os rins, o quadro se agrava e os sintomas incluem:

  • Febre
  • Dor nas costas
  • Fraqueza
  • Vômito
  • Alterações no hábito intestinal
  • Perda de apetite

Recomendações: procure orientação médica e não se automedique

Como prevenir?

  • Urinar sempre que tiver vontade
  • Tomar água
  • Limpar-se no sentido correto: da vagina para o ânus
  • Troque a roupa íntima diariamente ou sempre que estiver úmida

Fontes:

http://g1.globo.com/bemestar/noticia/falta-de-higiene-e-baixa-imunidade-podem-provocar-infeccao-urinaria.ghtml

http://www.minhavida.com.br/saude/temas/infeccao-urinaria

Febre Amarela: Surto ou Epidemia?

pixabay-mosquito-719613_1920
Segundo o Portal Brasil, o último boletim epidemiológico sobre a febre amarela, em Minas Gerais, contabilizava 184 casos notificados da doença, com 65 óbitos, somente em 2017. A maioria dos casos ocorreu nas primeiras semanas de janeiro.

Para termos uma noção do aumento de casos, em todo o ano de 2016 foram apenas 7 casos confirmados da doença, 5 óbitos, segundo o Ministério da Saúde.

Epidemia ou Surto?
Surto, pois, de acordo com o Ministério da Saúde, o aumento do número de casos da doença acima do normal ocorre em regiões específicas, sem espalhamento. A epidemia se caracteriza quando um surto acontece em diversas regiões.

O que é a febre amarela?

Trata-se de uma doença infecciosa febril aguda, causada por um vírus transmitido por mosquitos, em áreas urbanas ou silvestres. A doença é comum em macacos que são os principais hospedeiros do vírus.
Em áreas florestais, o vetor da febre amarela é principalmente o mosquito Haemagogus e Sabethes.
No meio urbano, a transmissão ocorre através do mosquito Aedes aegypti (o mesmo da dengue, zika vírus e chikungunya).
A infecção ocorre em pessoas picadas por um mosquito infectado que nunca contraíram a febre amarela nem tomaram a vacina contra a doença.
Os macacos podem desenvolver a febre amarela silvestre de forma inaparente mas ter a quantidade de vírus suficiente para infectar mosquitos.

Uma pessoa não transmite a doença diretamente para outra.

Prevenção

– Evitar a disseminação do mosquito Aedes aegytpi: eliminando acúmulo de água parada em recipientes destampados;
– Evitar a picada do mosquito: fazendo uso de repelentes específicos, mosquiteiros e roupas que cubram todo o corpo;
– Vacinar-se contra a febre amarela, principalmente se for viajar para áreas com indícios da doença. Dirija-se à unidade de saúde mais próxima de sua residência.

Além das doses na primeira infância, o ministério recomenda vacinação imediata para todas as pessoas que vivem em áreas rurais nas regiões com risco da doença e nas cidades que vivem surto de febre amarela. Quem nunca recebeu imunização contra a doença também deve procurar um posto de saúde.

Consulte seu médico e informe-se sobre a vacina, idade adequada e doses necessárias.

Se for preciso viajar para áreas de risco, a recomendação é se imunizar com pelo menos 10 dias de antecedência.

Sinais e sintomas mais comuns da febre amarela
– Febre alta
– Cansaço intenso
– Dor de cabeça
– Dor muscular
– Náuseas e vômitos
– Pode ocorrer icterícia (olhos e peles amarelados)

O período de incubação da febre amarela varia entre 3 e 6 dias, em média, e o vírus permanece no corpo humano por até 7 dias. Os sintomas aparecem até 2 dias após a picada do mosquito contaminado.

 

Informações parciais das fontes:
http://www.brasil.gov.br/saude/2017/01/vacinas-reforcam-protecao-contra-febre-amarela
https://www.bio.fiocruz.br/index.php/febre-amarela-sintomas-transmissao-e-prevencao
http://portalsaude.saude.gov.br/index.php/o-ministerio/principal/leia-mais-o-ministerio/427-secretaria-svs/vigilancia-de-a-a-z/febre-amarela/l1-febre-amarela/10771-vacinacao-febre-amarela
https://g1.globo.com/bemestar/febre-amarela
http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2017/01/1854425-saiba-mais-sobre-a-febre-amarela-e-veja-como-se-proteger-da-doenca.shtml

Infecção Hospitalar: Como Evitar

Campanha-Dia-da-Infecção-Hospitalar-2015novo

Especialista destaca desafio de combater bactérias em hospitais

Hospitais, clínicas, enfermarias ou postos de saúde, ambientes que tem como maior finalidade recuperar o paciente, mas, por congregar várias doenças, carregam, também bactérias e vírus capazes de causar as IrAS, infecções relacionadas a assistência à saúde.

File written by Adobe Photoshop? 5.0

Nos dias que antecedem o dia que celebra o combate à infecção hospitalar no Brasil (15 de maio), Maria das Mercês Pereira, coordenadora do Serviço de Controle de Infecção Hospital (SCIH) do Hospital Geral do Estado em Alagoas (HGE), única unidade “porta aberta” em Alagoas, comenta os índices no hospital e o desafio para orientar os profissionais sobre as medidas de prevenção e controle das infecções.

Para a especialista, o combate aos micro-organismos resistentes, dentro e fora do ambiente hospitalar, depende de um esforço conjunto das autoridades, dos profissionais de saúde e da população em geral. “Existe uma forte relação entre o tempo de hospitalização e a resistência bacteriana aos antibióticos. Estes micro-organismos são transmitidos, sobretudo, pelo contato, por isso higienizar as mãos é a principal medida de prevenção. A higienização correta das mãos é a medida mais simples e eficaz para a prevenção e controle das IrAS.

A Organização Mundial de Saúde já lançou uma campanha mundial chamando atenção de todos, com o tema: ‘Mãos limpas salvam vidas’. “As medidas para minimizar o desenvolvimento de resistência bacteriana interessam a todos os profissionais e, portanto, todos que participam da assistência à saúde devem estar atentos e contribuir para as ações de prevenção e controle”, comentou.

Segundo Maria das Mercês, a automedicação é uma questão crítica. “É preciso ir ao médico para saber se realmente é necessário tomar antibióticos. Nas doenças provocadas por infecções virais, por exemplo, estes medicamentos não têm nenhuma efetividade. Quando há indicação de usar antibióticos, é importante tomar os remédios na hora certa e fazer o tratamento durante todo o período recomendado, sem interrupção”, disse.

Ainda de acordo com a coordenadora, os “antibióticos também não devem ser jogados no lixo comum, para não contaminar o meio ambiente. Além de tudo isso, deve haver cuidados especiais quando as pessoas vão a um hospital. O ideal é evitar o excesso de visitantes e acompanhantes e não manter contato com outros pacientes. Em caso de dúvidas, os profissionais de saúde devem ser consultados”, alertou.

Os indicadores de infecções nas vias respiratórias são altos nas Unidades de Terapias Intensivas (UTIs) dos principais hospitais do mundo. No HGE, o trabalho desenvolvido pela equipe multidisciplinar da UTI vem trazendo resultados positivos. A taxa de infecção relacionada a ventilação mecânica, que já chegou a 80%, foi reduzida para 39%, segundo dados do hospital para o mês de março.

De acordo com a médica Maria das Mercês Pereira, o empenho dos profissionais, aderindo as medidas de prevenção e controle das infecções relacionadas a assistência à saúde evidenciando a higienização das mãos, aliados a parcerias com os setores de esterilização e de feridas, foram fundamentais na redução dos números.

“Com um trabalho multidisciplinar e a colaboração de todos, conseguimos uma redução importante, mas ainda não é a ideal. Sabemos que precisamos manter a qualidade do trabalho e o empenho de cada um para que possamos ter um serviço de qualidade que orgulhe a todos”, completou a médica.

Informações parciais. Confira o texto na íntegra, acessando o site: http://www.tribunahoje.com/

Visite nosso site: http://www.vivamelhoronline.com.br

Infecções menores podem voltar a matar, alerta OMS

Infecções consideradas menores atualmente podem voltar a matar se nada for feito com urgência em nível global para lutar contra a resistência aos antibióticos, alertou a Organização Mundial da Saúde (OMS). No primeiro relatório sobre a resistência aos antibióticos em nível mundial, a OMS informa que “essa grave ameaça já não é uma previsão, mas uma realidade em cada uma das regiões do mundo e todos, independentemente da idade e do país, podem ser afetados”.

OPM_Softaman_2menor

Considerados pela OMS como um dos pilares da saúde, os antibióticos permitem-nos viver mais tempo e com melhor saúde, mas a sua utilização incorreta tornou-os praticamente ineficazes há algumas décadas. “A não ser que os numerosos atores envolvidos ajam urgentemente, de modo coordenado, o mundo caminha para uma era pós-antibióticos, em que infecções comuns e feridas menores que têm sido tratadas há décadas podem voltar a matar”, advertiu o sub-diretor-geral da OMS para a Segurança Sanitária, Keiji Fukuda.

“Se não tomarmos medidas significativas para evitar as infecções e para alterar o modo como produzimos, receitamos e utilizamos os antibióticos, vamos perder pouco a pouco esses benefícios para a saúde pública mundial e as consequências serão devastadoras”, disse.

O relatório, com dados de 114 países, indica que existe resistência a numerosos agentes infecciosos, mas centra-se na resistência a esses medicamentos contra sete bactérias responsáveis por doenças comuns, como as infeções hematológicas (septicemia, ou infecção generalizada), diarreias, pneumonias, infecções das vias urinárias e gonorreia.

A OMS, que classifica os resultados como “muito preocupantes”, considera como uma das principais causas da resistência o uso incorreto dos antibióticos: nos países pobres, as doses administradas são demasiado fracas e, nos países ricos, o uso é excessivo. A organização critica também a falta de vigilância do uso de antibióticos destinados ao consumo humano em animais.

As recomendações feitas pela OMS são o estabelecimento de sistemas de vigilância desse fenômeno, a prevenção das infecções e a criação de novos antibióticos.

Informações parciais. Confira o texto na íntegra, acessando o site: http://www.ebc.com.br/

Visite nosso site: http://www.vivamelhoronline.com.br

Saiba como ocorre a infecção por superbactéria e como preveni-la

A suspensão de internações em duas UTIs neonatais de Porto Alegre nas últimas semanas voltou a chamar a atenção para o problema da presença de superbactérias em hospitais. Mas, como esses micro-organismos entram nesses ambientes e como é possível evitá-los?

CRE-bacteria
No Hospital Fêmina, foram quatro casos de infecção causados pela bactéria . No Hospital da Criança Conceição, foram identificadas colônias de diferentes bactérias — entre elas, um outro tipo da Klebsiella.

O que leva a contaminações nesse tipo de ambiente hospitalar não é exatamente o fato de pacientes ou familiares carregarem esse tipo de micro-organismo. Especialistas apontam que a própria equipe médica, por ter contato com grande número de pessoas e materiais hospitalares, pode acabar proliferando bactérias.

Eliézer Silva, diretor do Hospital de Ensino do Hospital Albert Einstein, instituição de São Paulo referência no país em baixo índice de infecção, explica que, além dos procedimentos padrões que evitam a transmissão de micro-organismos — como higienização das mãos a cada troca de luvas, por exemplo —, hospitais devem estabelecer e dar importância também a ações com foco em eventos adversos, que vão desde sangramentos até medicações em doses erradas.

De acordo com o diretor, o check-list adotado por uma equipe multidisciplinar oferece mais segurança e conforto ao paciente desde o momento da baixa até a alta do hospital. Essa lista de afazeres, se checada diariamente, permite que todos os profissionais que acompanham o tratamento possam manter um nível de comunicação que facilite a assistência ao paciente.

— Esses processos reduziram as taxas de infecções, de erros no tratamento e nos diagnósticos. Medidas como essas também reduzem custos hospitalares, porque os eventos adversos, como as infecções, envolvem mais custos para o tratamento dos pacientes — esclarece Silva.

Entre os pontos que contribuem para a disseminação de bactérias também está a lotação dos hospitais. Conforme o coordenador do Serviço de Infecção do Fêmina, Vicente Antonello, é imprescindível que os profissionais e as intituições obedeçam a protocolos rígidos de controle.

— É fundamental fazer o controle do uso correto de antimicrobianos, para evitar o risco de aparecimento de bactérias resistentes — explica Antonello.

Quando um paciente é identificado com determinada bactéria, por exemplo, a recomendação é deixá-lo sob precaução, mantendo-o afastado de outras pessoas não infectadas, sempre reforçando as medidas como lavagem de mãos.

O que é

A superbactéria é um micro-organismo que, por mutação genética devido à exposição a antibióticos, tornam-se mais resistentes aos medicamentos.

17389402

Informações parciais. Confira o texto na íntegra, acessando o site: http://zh.clicrbs.com.br/

Visite nosso site: http://www.vivamelhoronline.com.br

Infecção do Trato Urinário

A correria da rotina te faz esquecer de urinar ao longo dia? Então fique atento! O esvaziamento periódico da bexiga é uma defesa do corpo e reter a urina por longos períodos pode causar infecção do trato urinário (ITU).

221

O sistema urinário é composto pelos rins, ureteres, a bexiga e a uretra, responsáveis pela filtragem e eliminação de substâncias nocivas ao organismo. A urina é filtrada pelos rins e segue pelos ureteres, sendo armazenada na bexiga. Para ser expelida, ela percorre o canal chamado uretra.

A ITU ocorre com a invasão de bactérias, comumente a Escherichia Coli, mas outros microorganismos podem causar o quadro, que atinge o trato urinário inferior (cistite e uretrite ou vulvonaginite) e superior, os rins e a pelve renal (pielonefrites).

De acordo com o médico Antônio Claudio Cunha, responsável técnico do serviço de urologia do Hospital Federal de Ipanema, no Rio de Janeiro, quando identificada alguma alteração na urina, como ardência, coloração escura e maior frequência de idas ao banheiro com pouca urina, é necessário buscar ajuda médica de forma imediata. “O importante é cuidar do quadro, procurar um médico, porque a infecção pode começar pelo trato inferior e subir para os rins, tornando-se uma infecção grave”, esclarece.

Alguns fatores podem facilitar a presença de bactérias e, consequentemente, quadros de infecção. Nos homens, a uretra tem de 15 a 20 cm, enquanto nas mulheres varia de 4 a 5 cm de comprimento, sendo este um dos motivos para maior incidência de infecção urinária em pessoas do sexo feminino. As bactérias rapidamente alcançam a bexiga, sendo comuns os casos de repetição, em que a infecção ocorre com frequência em algumas mulheres. Para os homens, a higiene peniana inadequada, principalmente em não circuncidados, pode resultar em infecções. É preciso estar atento às práticas sexuais que exponham o canal urinário ao conteúdo fecal. Após as relações sexuais é indicado urinar e realizar a higiene do órgão genital. O consumo adequado de líquidos também é um importante fator de prevenção do quadro infeccioso. “É preciso fazer os procedimentos normais de higiene no dia a dia. Lavar-se após evacuar, beber bastante líquido e urinar regularmente para limpar a uretra”, explica o urologista Antônio Claudio Cunha.

Durante a gravidez, alterações na pelve, hormonais e imunológicas levam mulheres grávidas a terem maior predisposição à infecção do que uma mulher não grávida. Outros grupos também estão mais suscetíveis ao quadro, como pessoas com problemas na bexiga, dificuldade para urinar, baixa imunidade, disfunção ou incontinência urinária e outros fatores.

Em casos de desconfiança de infecção do trato urinário, busque um profissional de saúde, pois somente ele pode diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. Estas informações possuem apenas caráter educativo.

Informações parciais. Confira o texto na íntegra, acessando o site: http://www.blog.saude.gov.br/

Visite nosso site: http://www.vivamelhoronline.com.br

Ministério da Saúde repassa recursos para a prevenção de Dengue e Chikungunya

O período de chuvas este ano trará, além do perigo da dengue, uma nova ameaça à saúde: a febre chikungunya. Para intensificar as medidas de vigilância, prevenção e controle dessas doenças, o Ministério da Saúde irá repassar um recurso adicional de R$ 150 milhões a todos os estados e municípios brasileiros. Os recursos são para qualificação das ações de combate aos mosquitos transmissores das doenças Aedes aegypti e Aedes albopictus, o que inclui vigilância epidemiológica e o aprimoramento dos planos de contingência.

dengue-e-chikungunya-1-638

Do total repassado, R$ 121,8 milhões serão destinados às secretarias municipais de saúde e R$ 28,2 milhões às secretarias estaduais. O recurso adicional é exclusivo para ações contra dengue e chikungunya e será repassado em uma parcela única. O valor representa um subsídio de 12% do valor anual do Piso Fixo de Vigilância e Promoção da Saúde de R$ 1,25 bilhão.

Em contrapartida, os municípios precisam cumprir algumas metas, como disponibilizar quantitativo adequado de agentes de controle de endemias; garantir cobertura das visitas domiciliares pelos agentes; adotar mecanismos para a melhoria do trabalho de campo; realizar o LIRAa (Levantamento Rápido de Infestação por Aedes Aegypti) com ampla divulgação nos veículos de comunicação locais; notificar os casos graves suspeitos de dengue, entre outras ações.

O número de casos registrados de dengue caiu 61% entre janeiro e 15 de novembro de 2014, em comparação ao mesmo período de 2013. Foram 1,4 milhão de casos em 2013 contra 566,6 mil neste ano, no mesmo período. Todas as regiões do país apresentaram redução de casos notificados, sendo que a região Sudeste teve a queda mais representativa, correspondente a 67%, seguida pelo Sul (64%), Centro-Oeste (58%), Nordeste (42%) e Norte (12%).

“Mesmo com a redução nos casos de dengue, a prevenção precisa ser mantida. A combinação do trabalho preventivo em cada residência, com as ações do poder público, é capaz de reduzir a presença do mosquito do Aedes aegypti no meio ambiente e, consequentemente, evitar epidemias”, afirma o ministro da Saúde, Arthur Chioro.

O estado com a maior diferença entre 2013 e 2014 foi o Rio de Janeiro, que conseguiu reduzir em 97% o número de casos, seguido pelo Mato Grosso do Sul (96%) e Minas Gerais (86%). Os óbitos por dengue no Brasil também apresentaram queda em comparação a 2013. Neste ano, foram 398 mortes, contra 652 confirmados no ano passado, uma redução de 39%.

O secretário de Vigilância em Saúde, do Ministério da Saúde, Jarbas Barbosa, alerta que a população deve redobrar os cuidados no período de dezembro a maio. “A população precisa fazer vistoria em suas casas para verificar o adequado armazenamento de água, o acondicionamento do lixo e a eliminação de todos os recipientes sem uso, que possam acumular água e virar criadouros do mosquito. Este mesmo cuidado deve ser adotado no ambiente público”, orienta o secretário.

LIRAa – Elaborado pelo Ministério da Saúde, em conjunto com estados e municípios, o Levantamento Rápido do Índice de Infestação pelo Aedes aegypti (LIRAa), é considerado um instrumento fundamental para orientar as ações de controle da dengue, o que possibilita aos gestores locais de saúde anteciparem as ações de prevenção. Até o momento, 1.824 municípios realizaram o levantamento, um crescimento de 26,8% em relação aos 1.438 municípios que realizaram a pesquisa no ano passado. O LIRAa revela que 137 municípios brasileiros estão em situação de risco para a ocorrência de epidemias de dengue, outros 659 em alerta e 1.028 cidades com índice satisfatório.

Segundo dados do LIRAa – pesquisa que identifica os bairros onde estão concentrados os focos de reprodução do mosquito – o panorama dos criadouros do mosquito varia entre as regiões. Enquanto na Região Nordeste, 76,1% dos focos está no armazenamento de água, na região sudeste 56% dos focos está no depósito domiciliar. Já as regiões Norte, Centro-Oeste e Sul tem no lixo o principal desafio, com taxas de – 42,5%, 45,5% e 47,3% –, respectivamente.

CHIKUNGUNYA – Em relação à febre chikungunya, o Ministério da Saúde registrou até 15 de novembro, 1.364 casos, sendo 125 confirmados por critério laboratorial e 1.239 por critério clínico-epidemiológico. Do total, 71 casos são importados, ou seja, de pessoas que viajaram para países com transmissão da doença, como República Dominicana, Haiti, Venezuela, Ilhas do Caribe e Guiana Francesa. Os outros 1.293 foram diagnosticados em pessoas sem registro de viagem internacional para países onde ocorre a transmissão. Destes casos, chamados de autóctones, 531 foram registrados no município de Oiapoque (AP), 563 em Feira de Santana (BA), 196 em Riachão do Jacuípe (BA), um em Matozinhos (MG), um em Pedro Leopoldo (MG) e um em Campo Grande (MS).

Informações parciais. Confira o texto na íntegra, acessando o site: http://www.blog.saude.gov.br/

Visite nosso site: http://www.vivamelhoronline.com.br

Agora no SUS: Vacina Contra a Hepatite A

Campanha-Nova-Vacina-Hepatite-A-2014

90% dos casos de Hepatites não tem sintomas

As hepatites se caracterizam por uma inflamação no fígado e podem ser causadas por álcool, medicamentos e vírus, por exemplo.

Hepatites

Porém, elas são doenças silenciosas e 90% dos casos não dão sintomas – apenas 10% dão sinais, como urina escura e pele amarela, por exemplo e, em algumas situações, inclusive, sinais semelhantes aos de uma gripe. O infectologista Caio Rosenthal e o hepatologista Mário Pessoa deram dicas de como se proteger contra as hepatites virais A, B, C, D e E.

No caso da hepatite A, o vírus é transmitido pelo contato da mão suja de fezes com a boca ou por meio de água, alimentos e objetos contaminados por fezes. Porém, a maior parte dos casos não causa uma doença crônica no fígado. Mesmo assim, é importante se proteger e, segundo os médicos, uma das formas é manter as mãos sempre limpas e bem higienizadas. Há ainda a vacina para hepatite A, mas ela só está disponível no Sistema Único de Saúde para populações vulneráveis.

Já o vírus da hepatite B pode ser transmitido através do sangue contaminado e também pelo sexo, por isso a importância de usar camisinha sempre durante as relações sexuais. Esse tipo de hepatite não tem cura e, por isso, outra medida de prevenção extremamente importante é a vacina, disponível na rede pública para crianças, jovens e adultos até 49 anos – nesse caso, a vacina protege também contra a hepatite D já que para tê-la, o paciente precisa ter também a B.

O contato com sangue contaminado também pode transmitir a hepatite C, porém nesse caso, o risco de transmissão pelo sexo só ocorre se houver sangramento durante a relação.

Segundo os médicos, quem é infectado pelo vírus C pode desenvolver a forma crônica da doença ou não, tendo apenas que conviver com ele. Além dos danos ao fígado, como cirrose, câncer e insuficiência hepática, a hepatite C também pode levar à diabetes, comprometer os rins e nervos e causar artrites em diferentes articulações.

Para evitar o vírus C, é importante tomar cuidado ainda com o compartilhamento de objetos, como alicates, por exemplo, que devem ser sempre esterilizados. A hepatite D também é transmitida pelo sangue e, da mesma maneira que os vírus B e C, exige cuidado com o compartilhamento de objetos, como escovas de dentes, seringas, depiladores e barbeadores portáteis.

Além disso, para quem quer fazer tatuagem, é preciso se certificar de que o profissional respeite todas as normas de segurança, como mostrou a reportagem da Renata Ribeiro (confira no vídeo ao lado).

Já a hepatite E é transmitida da mesma maneira que a hepatite A: através da mão, água ou alimentos contaminados por fezes. De maneira geral, esses dois tipos da doença evoluem bem de forma espontânea e têm cura, porém é melhor se prevenir lavando bem a comida com hipoclorito de sódio, como alertou o infectologista Caio Rosenthal.

Como na maioria dos casos, essas doenças não dão sintomas, existe um teste disponível no Sistema Único de Saúde que pode ajudar a diagnosticá-las. Porém, não é necessário que todas as pessoas façam, apenas os mais vulneráveis, ou seja, que fizeram transfusões antes de 1993 (quando não havia conhecimento do vírus), usuários de drogas, tatuados ou com piercing ou que fizeram sexo desprotegido.

Informações parciais. Confira o texto na íntegra, acessando o site: http://g1.globo.com/bemestar

Visite nosso site: http://www.vivamelhoronline.com.br


Twitter @vivamelhor

Enter your email address to follow this blog and receive notifications of new posts by email.

Junte-se aos outros seguidores de 2.164

Calendário

setembro 2020
S T Q Q S S D
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930  

Arquivos

Estatísticas do Blog

  • 998.661 hits

%d blogueiros gostam disto: