Posts Tagged 'promoção'

Cliente Golden Stern Tem Descontão na Netshoes!

14jul15-mail-goldenstern

Cliente Golden Stern Tem Descontão na Netshoes!
http://www.netshoes.com.br/goldenstern

Acessem e confiram os nossos descontos:
Tênis Mizuno: http://goo.gl/RVMbXG
Chuteira Penalty: http://goo.gl/eAE81L

Palestra Gratuita – “Administração do Tempo”

Palestra INFOP Administração do Tempo

Palestra Gratuita – “Máscaras da Eternidade”

Gepp

Baixo desempenho da criança na escola pode ser sinal de Dislexia

Crianças com dificuldade de aprendizagem na escola, má alfabetização e falta de concentração podem ser vistas pelos pais e professores como desinteressadas e, até mesmo, preguiçosas. No entanto, o desempenho negativo na sala de aula pode ser sinal de dislexia — distúrbio que afeta a capacidade de ler e escrever.

dislexia2_custom

De acordo com o neurologista do Hospital São Luiz Jabaquara e Hospital da Criança Paulo Breinis, a dislexia é um distúrbio do funcionamento do cérebro que afeta o processamento linguístico.

― Devido a falhas nas conexões cerebrais, o disléxico não consegue associar o símbolo gráfico e as letras ao som que elas representam, o que dificulta à escrita, leitura e soletração.

A dislexia é diagnosticada a partir dos oito anos de idade por meio de testes aplicados por uma equipe multidisciplinar formada por neuropsicólogo, pedagogo, psicólogo e fonoaudiólogo, antes desta faixa etária não é possível analisar o quadro com total precisão.

― Quanto mais tarde a dislexia for identificada, mais difícil ficará a alfabetização da criança. Além disso, o insucesso na sala de aula pode resultar em depressão e baixa autoestima.

Por se tratar de uma doença genética, Breinis afirma que o problema não tem cura e é necessário entender as limitações de quem sofre.

― O tratamento da síndrome não é feito com medicação, mas sim com acompanhamento de pedagogos e fonoaudiólogos. Esses profissionais ensinam a criança a escrever e ler de acordo com suas restrições.

Quem é o fonoaudiólogo?

O fonoaudiólogo é um profissional de Saúde, com graduação plena em Fonoaudiologia, que atua de forma autônoma e independente nos setores público e privado. É responsável pela promoção da saúde, prevenção, avaliação e diagnóstico, orientação, terapia (habilitação e reabilitação) e aperfeiçoamento dos aspectos fonoaudiológicos da função auditiva periférica e central, da função vestibular, da linguagem oral e escrita, da voz, da fluência, da articulação da fala e dos sistemas miofuncional, orofacial, cervical e de deglutição.

Quais as especialidades da Fonoaudiologia?

Cinco especialidades são hoje reconhecidas pelo Conselho Federal de Fonoaudiologia:

Audiologia. Por meio da audição é que se adquire, normalmente, a comunicação oral. Doenças na gestação, infecções de ouvido, uso indiscriminado de medicamentos, exposição a ruídos intensos e outros podem causar alterações auditivas, comprometendo a comunicação e a qualidade de vida do indivíduo.

Linguagem. É a especialidade que trabalha com os aspectos que envolvem a comunicação oral e escrita. O seu desenvolvimento dá-se desde a infância até a idade adulta. Pessoas com problemas de comunicação (expressão e compreensão) podem ter dificuldades na sua integração social e profissional.

Motricidade.  Nesta especialidade, o fonoaudiólogo habilita/reabilita funções relacionadas a respiração, sucção, mastigação, deglutição, expressão facial e articulação da fala, propiciando melhores condições de vida e de comunicação.

Saúde Coletiva. É um campo da Fonoaudiologia voltado a construir estratégias de planejamento e gestão em saúde, no campo fonoaudiológico, com vistas a intervir nas políticas públicas, bem como atuar na atenção à saúde, nas esferas de promoção, prevenção, educação e intervenção, a partir do diagnóstico de grupos populacionais.

Voz. Representa a identidade do indivíduo, pois expressa seus sentimentos. É produzida pelas pregas vocais e quando estas não funcionam adequadamente, a voz é alterada, podendo ficar rouca, abafada, soprosa, comprometendo o trabalho e a vida pessoal. O fonoaudiólogo previne, avalia e trata os problemas da voz falada (disfonias), cantada (disonias) e ainda aperfeiçoa os padrões vocais.

Informações parciais. Confira o texto na íntegra, acessando o site: http://noticias.r7.com/ e http://www.fonosp.org.br/

Visite nosso site: http://www.vivamelhoronline.com.br

Palestra – “Oratória: Como perder o medo de falar em público”

Palestra Infop Margarida

II Fórum de Qualidade de Vida – SESI/PE

sesi

Estatuto da Criança e do Adolescente completou 24 anos

Ontem (13), o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) completou 24 anos de criação. Neste período, o Estatuto ganhou robustez e se consolidou como o principal instrumento de construção de políticas públicas para a promoção e garantia de direitos de crianças e adolescentes.

adolescente_wii

“Trata-se de um instrumento imprescindível para a sociedade brasileira. Comemorar o aniversário do ECA significa também comemorar a garantia de direitos básicos e fundamentais de milhares de brasileirinhos e brasileirinhas, que por meio deste importante instrumento, passaram a ser reconhecidos como sujeitos de direito, imputando ao Estado e à sociedade a missão de protege-los”, afirma Ideli Salvatti, ministra da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República.

Ela explica que apesar de ser uma das legislações voltadas ao segmento mais evoluídas do mundo, o desafio de proteger crianças e adolescentes de graves violações de direitos humanos é um dever constante para o País. “União, estados e municípios devem estar sempre vigilantes para combater violações e avançar na promoção de direitos. Precisamos nos prevenir não só das violações mais conhecidas, como exploração e abuso sexual, abandono, trabalho infantil, violência física e psicológica, mas também das formas de violações, com especial atenção para os crimes virtuais”, destacou.

A aprovação da Lei Menino Bernardo, que dispõe sobre o direito de crianças e adolescentes serem educadas livres de castigos físicos e humilhantes, assim como a sanção da lei que qualifica como crime hediondo a exploração sexual ou favorecimento à prostituição de crianças, adolescentes e vulneráveis, foi citada pela ministra como importantes avanços que fortalecem o Estatuto.

Estatuto da Criança e do Adolescente

O documento é um marco da proteção à infância no País e substituiu o Código de Menores. Criado em 1927, o Código de Menores representava um avanço já que trazia à tona uma legislação específica para crianças e adolescentes, inclusive com a ideia que crianças fossem separados das prisões e instituições de adultos.  No entanto, trazia na sua essência um olhar para a infância pobre, abandonada e em conflito com a lei para garantir a ‘ordem social’. Era um sistema focado na proteção e assistência através da justiça e assistência social marcando de forma pejorativa o termo ‘menor’.

A promulgação do ECA, em 1990, trouxe uma nova perspectiva, de prioridade absoluta às crianças e aos adolescentes e como sujeitos de direitos. Inspirado na Convenção das Nações Unidas pelos Direitos da Criança, de 1989, que o Brasil foi o primeiro País a ratificar. Outra grande novidade foi que, pela primeira vez na nossa história, a construção desse marco legal previa a articulação de um sistema com vários atores.

Informações parciais. Confira o texto na íntegra, acessando o site: http://www.brasil.gov.br/

Visite nosso site: http://www.vivamelhoronline.com.br

Dia Mundial da Diversidade Cultural para o Diálogo e o Desenvolvimento

Hoje, 21 de maio, é comemorado em mais de 100 países o Dia Mundial da Diversidade Cultural para o Diálogo e o Desenvolvimento. A data foi criada pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) em 2001, mesmo ano em que foi feita a Declaração Universal da Unesco sobre a Diversidade Cultural. Em 2005, a Assembléia Geral da Organização adotou a Convenção sobre a Proteção e a Promoção da Diversidade das Expressões Culturais. A convenção foi promulgada no Brasil em 2007 e, até agora, 109 países já ratificaram o documento.

timthumb

Para comemorar a data a Unesco criou em 2008, o Festival Internacional da Diversidade. O evento que é realizado na sede da Unesco, em Paris, com atrações musicais e artísticas que têm como característica a diversidade cultural. O Festival, que acontece simultaneamente em vários países membros, busca dar voz e visibilidade à riqueza da diversidade cultural em todo o mundo.

No Brasil, o Ministério da Cultura criou no dia 7 de abril de 2004, por meio do Decreto n.º 5.036, a Secretaria da Identidade e da Diversidade Cultural (SID) com o objetivo de promover e proteger a diversidade das expressões culturais. Em 2007 foi lançado, no âmbito da SID, o Programa Identidade e Diversidade Cultural – Brasil Plural, para garantir o acesso dos grupos e redes de agentes culturais, responsáveis pela diversidade das expressões culturais brasileiras, aos recursos públicos para o desenvolvimento de suas ações.

Para o secretário da Identidade e Diversidade Cultural/MinC, Américo Córdula, o reconhecimento e a valorização da diversidade cultural estão ligados à busca da solidariedade entre os povos, à consciência da unidade do gênero humano e ao desenvolvimento dos intercâmbios. “A luta pela promoção da diversidade e dos intercâmbios culturais é a nossa forma de mostrar que outro mundo é possível”, afirma Córdula.

Segundo ele, orientada pelo princípio da dimensão cidadã da cultura, a SID desenvolve suas políticas em parceria com a sociedade civil, articulando lideranças e entidades representativas, por meio da constituição de grupos de trabalho, colegiados, fóruns, oficinas temáticas, seminários e congressos. “A atuação da Secretaria consiste na promoção de diálogos com segmentos da comunidade cultural que têm pouco acesso aos mecanismos de incentivo”, esclarece o secretário.

Estímulo à diversidade cultural com premiação
A Secretaria busca ainda fomentar as várias manifestações da diversidade cultural por meio da publicação de editais de premiação de iniciativas e projetos culturais desenvolvidos por segmentos como os indígenas, os mestres da cultura popular, os ciganos, os idosos, a juventude, os integrantes do movimento LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais, travestis, transexuais e transgêneros), as crianças, os deficientes e as pessoas em sofrimento psíquico.

Entre 2005 e 2009 foram realizados 15 concursos públicos que receberam 7.595 inscrições. Do total de inscritos, 1.380 projetos foram premiados pela Secretaria da Identidade e da Diversidade Cultural. Cerca de R$ 20 milhões foram investidos nesses editais no período de 2005 a 2009 e, em 2010, mais de R$ 5 milhões serão aplicados na realização de 5 editais.

Três deles, o Prêmio Cultura Hip Hop 2010 – Edição Preto Ghóez, o Prêmio Culturas Ciganas 2010 e o Prêmio Inclusão Cultural da Pessoa Idosa – Edição Inezita Barroso. A SID realizou os concursos: Prêmio Arte e Cultura Inclusivas 2010 – Edição Albertina Brasil – Nada sobre Nós sem Nós, e Prêmio Culturas Indígenas – Edição Marçal Tupã-y.

Unesco acredita que a diversidade pode abrir canal de diálogo entre os povos
A diretora geral da Unesco, Irina Bokova, lembrou, em manifesto oficial, “que, no Dia Mundial da Diversidade Cultural para o Diálogo e Desenvovimento, devemos refletir sobre as formas de participar, humana e concretamente, da construção da tolerância para com as diversas manifestações culturais de todos os países”.

Bokova cita ainda a Declaração Universal da Unesco para a Diversidade Cultural elaborada em 2001: “Ela postula, com firmeza, que a diversidade cultural é tão necessária para o ser humano, como a biodiversidade é para a natureza. Nesse sentido, constitui patrimônio comum da humanidade e deve ser reconhecida e consolidada em benefício das gerações do presente e do futuro”, informa a diretora da Unesco.

Para Bokova, apesar de vivermos num mundo interconectado, ainda temos dificuldades de comunicação e, para tanto, devemos intensificar o diálogo entre as culturas com o objetivo de estreitar os laços entre os povos de todo o planeta e facilitar o progresso das civilizações. “Temos que ter consciência de que todas as culturas são iguais em dignidade e direitos”, observa ela.

A diretora geral da Unesco aproveita a data para conclamar os governantes, as comunidades e a sociedade civil, de todos os países, para que adotem medidas concretas em defesa da diversidade cultural, colocando-a na vanguarda do diálogo. “Todos nós devemos avançar com o objetivo de construir um mundo solidário, cuja riqueza e força estejam no coração de sua diversidade”, reivindica Bokova.

Trabalho pioneiro do MinC
A coordenadora cultural da Unesco no Brasil, Jurema Machado, acredita que a diversidade cultural brasileira, seja no campo da culturas, dos conhecimentos tradicionais, da arte e da criatividade, tem um enorme significado no contexto mundial . “O país atravessa um dos períodos mais marcantes da sua história tendo em vista que a gestão dessa diversidade, ou seja, a capacidade do Brasil de manejar esse acervo de forma a, não apenas garantir a sua manutenção, mas também assegurar a sua incorporação ao processo de desenvolvimento, interessa não apenas aos brasileiros, mas também ao resto do mundo”, reflete Machado.

Para a coordenadora da Unesco, o Ministério da Cultura, por meio da Secretaria da Identidade e Diversidade Cultural, tem desenvolvido um trabalho pioneiro, em suas ações de políticas culturais, no que se refere à introdução sistemática desse tema, em toda a sua amplitude. “Além disso, desconheço, em outros países do mundo, um trabalho tão dedicado, amplo e contínuo de difusão e divulgação da Convenção da Unesco para a Proteção e Promoção da Diversidade das Expressões Culturais como o que tem sido feito no Brasil”, assegura ela.

Informações parciais. Confira o texto na íntegra, acessando o site: http://www.cultura.gov.br/

Visite nosso site: http://www.vivamelhoronline.com.br

Dia das Maes na Walmart Especial para Clientes Golden Stern

Campanha-DIA-DAS-MÃES-WALMART-2013

Obesidade e Sedentarismo na mira

Quem está acima do peso, não tem um estilo de vida saudável e mora no Reino Unido, provavelmente, entrou na mira de uma polêmica proposta. Um governo local de Londres e umthink tank defenderam uma “guerra” contra a obesidade, além da ampliação de atividades que contribuam para a saúde pública, com um incentivo atípico: aqueles que adotarem exercícios físicos indicados por médicos em sua rotina podem ganhar mais benefícios sociais. Quem não seguir essas recomendações não recebe o auxílio.

obeso-obesa-casal-de-obesos-obesidade-sedentarismo-gordos-acima-do-peso-preconceito-1345728974271_956x500

A partir de abril de 2013, os governos locais vão retomar do NHS, sistema público de saúde britânico, a tarefa de traçar políticas de saúde pública. Para se preparar a este cenário, o Conselho de Westminster, uma espécie de distrito de Londres comandado por conservadores, encomendou da organização Local Government Information Unit (LGiU) o estudo A Dose of Localism: The Role of Councils in Public Health (Uma Dose de Regionalismo: O Papel dos Conselhos na Saúde Pública, em tradução livre). O levantamento traz propostas para melhorar a atuação dos conselhos e usar de maneira mais eficiente os recursos, que sofreram cortes significativos.

E aí entra a polêmica. O documento prevê que médicos locais prescrevam atividades físicas em centros públicos dos Conselhos usando piscinas, academias, yoga e clubes de caminhada em seus planos. A segunda parte da proposta liga essas atividades aos benefícios sociais. “Onde um pacote de exercícios for prescrito a um residente, pagamentos de subsídios de habitação e benefícios da taxa de conselho podem ser variados para recompensar ou incentivar residentes”, diz o texto. Ou seja, quem fizer os exercícios recomendados pode ser beneficiado e “controlado” por meio de cartões inteligentes no acesso aos centros de atividade.

A ideia é que os governos locais usem uma possível isenção de taxas residenciais para incentivar a adoção de exercícios. Quem não seguir o programa, deixa de ganhar os benefícios. “Baseamos as propostas em conversas com pessoas por todo o país, além de dois encontros para discutir as ações com especialistas em saúde”, explica Jonathan Carr-West, diretor da LGiU e um dos responsáveis pela elaboração da proposta, a CartaCapital.

A proposta, entretanto, não teve recepção positiva por associações médicas e de apoio a obesos. Foi considerada “boba” e “absurda”. Mas Carr-West garante que a controvérsia se deve ao fato de o estudo ter sido mal interpretado como uma tentativa de impor exercícios. “O que sugerimos são recompensas às pessoas que fazem atividades saudáveis, como uma forma de encoraja-las e não uma punição aos demais”, afirma. E completa que a proposta não pede a perda de benefícios para quem não fizer exercícios. “Propomos que se receba um valor adicional por faze-los. Caso as pessoas parem, deixam de receber o beneficio extra, mas não os benefícios existentes.”

Para o pesquisador, os resultados podem ser positivos para os indivíduos e o Estado, que economizará   gastos com doenças graves, além de romper as barreiras que tornam as pessoas sedentárias. “O cidadão vai à academia e descobre que tem que pagar, e que é caro. Então, estamos tentando remover as barreiras por meio dos médicos que podem dar aos pacientes acesso aos centros de lazer dos Conselhos e suas academias sem custos.”

Segundo o estudo, o Reino Unido gasta 110 bilhões de libras (cerca de 360 bilhões de reais) por ano com saúde. Junto com o envelhecimento da população e o aumento dos níveis de obesidade, devem aumentar os casos de demência, diabetes e doenças do coração, o que imporá novas despesas ao NHS. Somente com diabetes, o governo gasta 10% de sua receita com a saúde.

Apenas na Inglaterra 24% dos homens e 26% das mulheres são obesos, enquanto 65% deles e 58% delas têm sobrepeso ou são obesos, segundo pesquisa de saúde do governo inglês.

O documento ainda traz outras propostas, como a promoção da melhoria da qualidade dos serviços em mercados de bairro, que oferecem serviços variados em diversas áreas das cidades. “Em áreas identificadas como desertos alimentares e sem itens frescos e com baixos preços para manter uma dieta saudável, os Conselhos podem oferecer incentivos para mercados locais que façam esses serviços disponíveis por meio dos fundos de investimento social”, diz o texto.

Seria uma ajuda para vender alimentos saudáveis a preços baratos. Mas todas essas políticas não são uma intromissão do Estado na vida privada dos cidadãos? Carr-West discorda. “O Estado está dizendo para as pessoas que não pode torna-las saudáveis ou resolver todos os seus problemas. Mas pode dar apoio caso você queiram agir para ser mais saudáveis.”

Informações parciais. Confira o texto na íntegra, acessando o site:  http://www.cartacapital.com.br


Twitter @vivamelhor

Enter your email address to follow this blog and receive notifications of new posts by email.

Junte-se aos outros seguidores de 2.164

Calendário

outubro 2020
S T Q Q S S D
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031  

Arquivos

Estatísticas do Blog

  • 1.001.793 hits

%d blogueiros gostam disto: